Em crítica ao deputado carioca Eduardo Cunha, governador do Rio de Janeiro diz que é solidário a presidenta Dilma e faz apelo pela governabilidade

Para Luiz Fernando Pezão, "briga e divergência" precisam ocorrer no palanque.
Para Luiz Fernando Pezão, "briga e divergência" precisam ocorrer no palanque.
Para Luiz Fernando Pezão, "briga e divergência" precisam ocorrer no palanque.
Para Luiz Fernando Pezão, “briga e divergência” precisam ocorrer no palanque.

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, afirmou na sexta-feira (17/07/2015) que é preciso separar a governabilidade das investigações sobre corrupção. Ele também se declarou “solidário à presidenta Dilma”.

“Temos de separar a governabilidade das apurações”, alertou. Segundo ele, “os culpados devem ser punidos em qualquer esfera, mas não podemos parar o país”.

Luiz Fernando Pezão é do mesmo partido do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que declarou hoje seu rompimento com o governo federal, após ter sido citado pelo ex-consultor da Toyo Setal, Júlio Camargo, que o acusou de receber US$ 5 milhões.

Para o governador do Rio, a “briga” e a “divergência” precisam ocorrer na “hora propícia, o palanque”. “Não estou falando em nome do PMDB. Falo em meu nome.” Pezão afirmou não acreditar que o rompimento prejudicará a apreciação da proposta de mudanças do ICMS no Congresso.

Hoje cedo, Eduardo Cunha anunciou o rompimento e disse que, como político, tentará no Congresso do PMDB, em setembro, convencer a legenda a seguir o mesmo caminho. Ele reafirmou que há uma tentativa por parte do governo de fragilizá-lo. “Está muito claro para mim que esta operação [Lava Jato] é uma orquestração do governo.”. O deputado lembrou que, desde junho, o Executivo iniciou uma “devassa fiscal” em suas contas. “Esse tipo de devassa, de cinco anos, é um constrangimento para um chefe de Poder”.

A poucas horas de fazer um pronunciamento em cadeia nacional de TV, previsto para as 20h30, Cunha destacou que, apesar da posição, vai manter a condução da Câmara dos Deputados “com independência”.

A decisão do presidente da Câmara foi motivada pela acusação de que o deputado teria recebido US$ 5 milhões em propina para viabilizar um contrato de navios-sonda da Petrobras para a empresa Toyo Setal. A denúncia feita ontem (16) pelo empresário Júlio Camargo, durante depoimento ao juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106708 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]