Vereadores comentam sobre rebelião no Presídio Regional de Feira de Santana

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Vereador Pablo Roberto revela momentos de tensão e angústia durante negociação para libertação dos reféns pelos apenados do presídio Regional de Feira de Santana.
Vereador Pablo Roberto revela momentos de tensão e angústia durante negociação para libertação dos reféns pelos apenados do presídio Regional de Feira de Santana.

O vereador Pablo Roberto (sem partido), nesta segunda-feira (25/05/2015), durante pronunciamento na tribuna da Casa da Cidadania, chamou atenção para rebelião ocorrida no Conjunto Penal de Feira de Santana, iniciada na tarde de domingo (24), que contou com a intervenção da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Feira de Santana para o seu desfecho.

Presidente da referida Comissão, Pablo relatou os momentos vividos ao tentar uma negociação com os detentos. “Sem sombra de dúvidas, ontem, foi o dia em que tive a pior experiência ao longo dos meus 34 anos. Recebi uma ligação, ontem à tarde, do presidente desta Casa, vereador Rony (PSDB) para me dirigir ao presídio. Lá, ele já estava com a vereadora Cíntia (PSC), no sentido de dialogar, tentar encontrar uma saída para aquele lamentável episódio ocorrido no pavilhão 10, onde tinham pessoas mortas, decapitadas”, relatou.

Ele contou mais que a Comissão, em diversos momentos, pediu aos detentos para que, pelo menos, as crianças reféns fossem liberadas. Mas, segundo o edil, ontem as negociações não avançaram muito.

Segundo Pablo, na manhã de segunda-feira (25) as negociações foram retomadas. “Retornamos nas primeiras horas para tentar uma alternativa. Fomos recebidos pelo secretário de Administração Penitenciária, Nestor Duarte. Durante a madrugada, mais um óbito aconteceu, confirmando oito. Os detentos resolveram em seguida começar a liberar as crianças e os demais reféns que estavam lá”, contou.

O vereador informou ainda que, até o momento que estavam no Presídio, os corpos dos detentos mortos na rebelião ainda não tinham sido retirados pelo Departamento de Polícia Técnica, até que o presídio passasse por inspeção, pois há a possibilidade de que haja mais mortos dentro das celas.

Para Pablo, a situação penitenciária no município é muito preocupante e a vida perdeu o seu valor. “Escutei algumas pessoas dizerem: ‘Joãozinho que morreu tinha dez homicídios’. Não quero fazer debate do que essas pessoas fizeram, quero chamar atenção a que ponto chega um Conjunto Penal. Como as coisas aconteceram, as pessoas matando e postando isso na internet. Não consegui dormir com a cena de uma cabeça no chão, muitos corpos, isso entristece Feira. Você liga a TV e ver no Bom Dia Brasil Feira de Santana aparecendo com este triste episódio”, lamentou.

Na oportunidade, o edil parabenizou o comandante do Comando de Policiamento da Regional Leste (CPRL), o coronel Adelmário Xavier, e a Secretaria de Administração Penitenciária pela condução da situação.

Nery cobra apuração rigorosa no Conjunto Penal de Feira de Santana

O vereador Alberto Nery (PT), em discurso proferido na tribuna da Casa Legislativa, nesta manhã (25), cobrou rigor na fiscalização de entrada de objetos ilícitos no Conjunto Penal de Feira de Santana. Ele fez referência à rebelião ocorrida, no último domingo(24), no referido equipamento, onde oito detentos foram assassinados por armas brancas e  de fogo,   e cinco ficaram feridos.

“Nós queremos lamentar o ocorrido, ontem, no Presídio Regional de Feira de Santana. O que me causa maior constrangimento é em saber de que os presos ali detinham pistolas, revólveres”, disse o petista, ressaltando que, além dos apenados,  essa situação põe em risco a vida de cidadãos que trabalham e visitam os detentos.

Ele defende uma investigação rigorosa por parte do Governo do Estado, para saber de que forma as armas adentraram no Presídio e chegaram até às mãos dos detentos.

Cíntia não acredita em ressocialização de presos com o atual sistema carcerário

A vereadora membro da Comissão de Reparação, Direitos Humanos, Defesa do Consumidor e Proteção à Mulher, Cíntia Machado (PSC), ocupou a tribuna da Casa da Cidadania, para externar sua tristeza com relação à  rebelião do Presídio Regional de Feira de Santana, iniciada na tarde de ontem (24) e finalizada na manhã desta segunda-feira (25), tendo um saldo de oito apenados mortos por armas de fogo e armas brancas, além de cinco feridos.

Cíntia disse que o presidente da Câmara, Reinaldo Miranda – Ronny (PSDB), e a referida Comissão fizeram parte das negociações para liberação dos reféns e entrada dos órgãos competentes no pavilhão 10, local onde aconteceu a rebelião. Ela disse que viu cenas estarrecedoras no Conjunto Penal. “Só em filme de terror imaginava que poderia acontecer uma coisa daquela”, relatou.

A vereadora contou que negociou muito para que as crianças reféns  fossem logo liberadas. De acordo com ela, um dos presos responsáveis pela negociação foi assassinado durante a madrugada. “E o filho dele de três anos estava lá dentro. Ou seja, ele foi assassinado em frente da família. É uma verdadeira dilaceração do ser humano”, lamentou.

Segundo a edil, os gastos anuais com presos superam o investimento na educação e, ainda assim, o sistema carcerário é deficiente. Ela diz não acreditar em ressocialização dos presos, caso permaneça a falta de estrutura no sistema prisional.

“Eu fiquei, realmente chocada, eu acho que o Governo do Estado tem que tomar uma providência. O Presídio de Feira tem 1.300 presos e 22 agentes, onde não há câmeras de segurança funcionando”, reclamou.

Em sua opinião, se as câmeras de segurança tivessem funcionando, houvesse detectores de metal e mais agentes penitenciários no quadro de funcionários, talvez, essa tragédia no Presídio Regional de Feira de Santana seria evitada.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 121857 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.