Santo Amaro: militantes do PCB depõem na Comissão da Verdade

Jackson Azevedo abre audiência pública.Jackson Azevedo abre audiência pública.
Jackson Azevedo abre audiência pública.

Jackson Azevedo abre audiência pública.

“Qual era o pecado dessa turma toda? Era de ser idealista, ser contra a exploração dos operários e ter o sonho de ver uma sociedade mais justa, mais organizada e sem terceirização?”, disse, emocionado, Laurindo Pedro Gomes, 74 anos, que em 1964 era operador de processamento na Refinaria Landupho Alves, da Petrobras, e vinculado ao Partido Comunista Brasileiro (PCB) em Santo Amaro.

Laurindo foi uma das seis vítimas da ditadura militar em Santo Amaro que prestaram depoimento à Comissão Estadual da Verdade – Bahia nesta sexta-feira (15/05/2015), em audiência pública realizada no auditório do Colégio Estadual Teodoro Sampaio, no município.

Fuzilamento simulado

O coordenador da CEV-BA, advogado Jackson Azevedo, abriu a audiência, cuja plateia era composta principalmente de estudantes, afirmando que “o que se chama de revolução foi na verdade um golpe civil-militar” e lamentando que a prática da tortura continue hoje, “principalmente contra “pobres, negros e jovens”. A professora Dulce Aquino e a advogada Vera Leonelli, integrantes da Comissão da Verdade, também participaram da audiência.

O primeiro a depor foi o professor Carlos Augusto da Silva, 80 anos, preso de 12 de abril a junho de 1964. Conta que o sargento Barreto, no Quartel do Tiro de Guerra de Feira de Santana, colocou a mão no seu peito e disse: “Eu queria um Tribunal de Exceção para matar comunistas iguais a você”. Outro oficial do Exército chegou a lhe dizer: “O Papa João XXIII é comunista igual a vocês”. Ressalta que “na cadeia vivi o verdadeiro comunismo, pois tudo era repartido, os jornais e os mantimentos”. Ligado a grupos de esquerda, Carlos Augusto escrevia no jornal mensal “Tribuna dos Moços”, em Santo Amaro.

Antônio Trigueiros, 73 anos, era auxiliar técnico de manutenção da Refinaria Landulpho Alves, militante do PCB e trabalhava na alfabetização de operários, adotando o Método Paulo Freire, quando foi preso em 1º de abril de 1964, em Santo Amaro.

Ficou encarcerado no Quartel do Barbalho, no Forte de Monte Serrat e no Quartel do 19 BC, no Cabula, e só foi libertado em 22 de dezembro do mesmo ano. Levado para o Quartel de Amaralina, foi submetido a um “fuzilamento” com pólvora seca. “Depois desta simulação, tive de ser carregado até a cela, pois as pernas estavam tremendo. Às vezes, a tortura psíquica é pior do que a física”.

Disse que no Quartel da 6ª Região Militar viu, no meio de uma pilha de  livros considerados “subversivos”, uma tábua de logaritmos, e aí perguntou ao oficial que o interrogava: “Mas esse aí é subversivo?” E o oficial respondeu: “Depende do autor”.

“Golpe começou antes”

A Comissão Estadual da Verdade ouviu ainda Siginaldo da Costa Vigas, que também trabalhou na Petrobras e estava começando a frequentar reuniões do PCB quando foi preso em 6 de abril de 1964 e solto 45 dias depois. “Eles acham que ser comunista é crime. O primeiro comunista militante que teve aqui na Terra foi Jesus Cristo”.

Odyrceo da Costa Vigas, 75 anos, era operador da área de Utilidades da Refinaria Landulpho Alves quando foi preso em 6 de abril de 1964 e libertado somente em junho. Participava das reuniões do PCB, apesar de não ser ligado oficialmente ao chamado Partidão. Para ele, “o golpe de 64 começou muito antes, desde quando queriam impedir a posse de Getúlio Vargas”.

O professor Aloísio Lago, 72 anos, diretor do jornal mensal “O Trombone”, que circula em Santo Amaro há 15 anos, não chegou a ser preso, mas disse que sofreu muitas ameaças, principalmente quando foi presidente do diretório estadual do PMDB em Salvador: “Toda noite eu recebia telefonemas do CCC (Comando de Caça aos Comunistas) com todo tipo de ameaça”.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]