Ucrânia busca explicações do Brasil após paralisação de projeto especial

Uruskyi e delegação ucraniana estão no Brasil para buscar explicações do governo federal.
Uruskyi e delegação ucraniana estão no Brasil para buscar explicações do governo federal.
Uruskyi e delegação ucraniana estão no Brasil para buscar explicações do governo federal.
Uruskyi e delegação ucraniana estão no Brasil para buscar explicações do governo federal.

Em visita ao Brasil, o presidente da Agência Espacial da Ucrânia, Oleh Uruskyi, foi recebido ontem pela presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados (CREDN), deputada Jô Moraes (PcdoB/MG), e pelo presidente do Grupo parlamentar de amizade Brasil-Ucrânia, deputado Claudio Cajado.

Uruskyi e delegação ucraniana estão no Brasil para buscar explicações do governo federal sobre a paralisação do projeto espacial na base de Alcântara, no Maranhão, desde 2013.

Batizado de Cyclone-4, o empreendimento milionário é resultado de um acordo bilateral para o lançamento de foguetes ucranianos com satélites comerciais na base localizada no Brasil.

Apesar do acordo não ter sido cancelado oficialmente, o governo brasileiro interrompeu sua parte das obras há dois anos e até agora não divulgou informações oficiais sobre o assunto. No entanto, notícia veiculada na imprensa aponta o interesse brasileiro em cancelar o projeto, o que preocupa as autoridades ucranianas.

O Brasil seria responsável pela construção da base civil em Alcântara e a Ucrânia faria o desenvolvimento do foguete e de outros equipamentos necessários. Os dois governos juntos já gastaram quase um bilhão de reais em recursos públicos. Diante da crise econômica brasileira, os ucranianos se dizem dispostos a rever as cláusulas do contrato e trabalhar de forma conjunta para evitar um prejuízo maior.

Para o deputado Claudio Cajado, se o governo brasileiro usar a justificativa orçamentária para interromper o acordo com a Ucrânia estará cometendo crime de responsabilidade. De acordo com o parlamentar, “O Brasil não poderia iniciar uma obra dessa dimensão sem recursos para cobrir os gastos”.

Cajado acompanha o projeto de Alcântara desde o início e aponta para a necessidade que o Brasil tem de reforçar sua infraestrutura espacial. “Essa inovação colocaria o nosso país em um contexto tecnológico que poucos lugares detêm e resultaria em grandes benefícios para o povo brasileiro”, ressalta.

O presidente do grupo Brasil-Ucrânia apresentou dois requerimentos, um ao Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação e outro, ao Ministro da Defesa, solicitando declarações oficiais sobre a atual situação do projeto. “O governo brasileiro tem que prestar explicações urgentes, pois a cada mês que passa as obras estão se deteriorando e o dinheiro público está sendo jogado fora.”, justifica Cajado.

O acordo bilateral entre Brasil e Ucrânia foi assinado em 2003 e a base de Alcântara, como aponta Claudio Cajado, possui uma das melhores localizações do mundo para o lançamento de foguetes, pela sua proximidade com a linha do Equador.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 115083 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.