Deputado Targino Machado espera punição para gestores da Sesab envolvidos em denúncias de superfaturamento na compra de material hospitalar para o Hospital Clériston Andrade

Deputado Targino Machado: "O Clériston é somente a ponta do iceberg.".Deputado Targino Machado: "O Clériston é somente a ponta do iceberg.".
Deputado Targino Machado: "O Clériston é somente a ponta do iceberg.".

Deputado Targino Machado: “O Clériston é somente a ponta do iceberg.”.

Alvo de muitas críticas da população baiana nos últimos anos, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) deu mais uma demonstração que suas recentes gestões estão, de fato, na UTI. Isso porque, o Ministério Público baiano abriu inquérito civil para apurar denúncias de irregularidades durante a realização do Mutirão de Cirurgia de Varizes, que ocorreu entre os meses de setembro de 2013 a maio de 2014 no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), na cidade de Feira de Santana.

De acordo com o MP, há indícios que o material utilizado neste mutirão pode ter sido superfaturado pela Sesab, na então gestão do hoje deputado federal Jorge Solla.

O fato gerou revolta no deputado estadual Targino Machado, que criticou o ex-secretário e seus desmandos em relação à saúde do estado.

“O Clériston é somente a ponta do iceberg. É preciso esclarecer à população, a imprensa e até mesmo ao Ministério Público, que foi feito, não no Clériston, mas dentro da Secretaria de Saúde da Bahia, em 2014, na gestão de Jorge Solla, um registro de preço, com valores exorbitantes. Fala-se em algo em torno de 90 milhões para utilização de toda rede própria dos hospitais do estado, pertencentes à Sesab. Esse registro de preço foi da lavra do diretor da Rede Própria Sob Gestão Direta da Secretaria de Saúde da Bahia, José Walter dos Santos Júnior, que é o último dos moicanos da administração de Jorge Solla. Todo mundo sabe que o mesmo é amigo do ex-secretário e o único que continua na Sesab ocupando cargo importante. O resto a secretaria já passou a vassoura”, afirmou.

De acordo com o parlamentar, o diretor da Rede Própria Sob Gestão Direta da Secretaria de Saúde da Bahia, José Walter dos Santos Júnior, não poderia ter feito esse registro de preço sozinho.

“O diretor José Walter não poderia ter feito esse registro de preço milionário sozinho. Ele precisou da anuência da diretoria de saúde da Sesab, ligada, à época, ao secretário Jorge Solla, que era cargo do Partido dos Trabalhadores”.

Para Targino, os valores das cirurgias de varizes, realizadas durante o mutirão, passam, e muito, da média que os hospitais particulares, por exemplo, cobram na Bahia.

“No Clériston foram feitas 450 cirurgias de varizes e 99% delas são ambulatoriais. Só algumas dessas são necessárias internar. Somente com os estiletes para ablação das varizes foram gastos R$ 11.160.000, e com os cateteres de safena mais R$ 4.155.000. Isso dá 15.315.00,00. Não estou falando de nenhum outro insumo. Dividindo isso, chega-se a um valor médio de R$ 34.033,33. O preço médio de uma cirurgia como essa, em hospitais particulares, é de três mil reais. Se a Sesab tivesse encaminhado esses 450 pacientes para o Hospital Aliança, por exemplo, teria gasto 1.350.000,00, ou seja, cerca de 8% do que gastaram”, disse.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Redação do Jornal Grande Bahia
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]