Entidades de Feira de Santana repudiam os aumentos tributários previstos para 2015

Representantes de entidades de Feira de Santana dizem não aos aumentos das alíquotas e mudanças nas regras da contribuição previdenciária instituídas no país.
Representantes de entidades de Feira de Santana dizem não aos aumentos das alíquotas e mudanças nas regras da contribuição previdenciária instituídas no país.
Representantes de entidades de Feira de Santana dizem não aos aumentos das alíquotas e mudanças nas regras da contribuição previdenciária instituídas no país.
Representantes de entidades de Feira de Santana dizem não aos aumentos das alíquotas e mudanças nas regras da contribuição previdenciária instituídas no país.

Dirigentes das entidades de classe de Feira de Santana, como Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Associação Comercial de Feira de Santana (ACEFS), Sindicado dos Comerciantes de Feira de Santana( SINCOMFS); Centro das Indústrias de Feira de Santana (CIFS); Sindicato dos Hotéis e Restaurantes; Instituto Pensar Feira; Sindicato das Indústrias de mármore e Granitos (SIMAGRAM) e Associação dos Lojistas do Boulevard Shopping (ALB), repudiam ao aumento da carga tributária no país, uma vez que o ano de 2015 tem sido marcado pela retração das vendas.

A decisão de repúdio foi tomada após reunião com as diretorias das Instituições que representam o comércio, a indústria e demais serviços da cidade, em função da Medida Provisória nº 669 de 26 de fevereiro deste ano que aumenta as alíquotas e altera as regras da contribuição previdenciária. “A classe empresarial não suporta mais aumentos na carga tributária. As medidas são recessivas e com certeza vão gerar desemprego”, relatam as Entidades.

O reajuste sobre a contribuição previdenciária das empresas estabelece que quem recolhe a alíquota de 2% sobre a receita bruta passará a recolher  4,5%, ou seja, um aumento de 125%;  e quem recolhe 1% passa a recolher 2,5%, o que significa um aumento de 150%, valores que são considerados abusivos pelas Entidades representativas de Feira. De acordo com elas, o Governo Federal não demonstra preocupação com a classe empresarial que precisa se planejar a curto, médio e longo prazo e depende que os custos finais fiquem o mais próximo possível dos valores orçados para garantir a sua sobrevivência. “O Governo deveria reduzir suas despesas para equilibrar as finanças do Estado. Ao invés disso, ele optou por gerar receita com os aumentos dos impostos, jogando a responsabilidade de equilibrar a balança para a sociedade”, enfatizam.

Os aumentos previstos retraem os investimentos e isso reflete negativamente na classe empresarial, trabalhadora e, consequentemente, no consumidor. “Por isso, convocamos as demais entidades representativas da cidade a se engajarem ao nosso movimento com o intuito de fazer com que o Governo Federal crie mecanismos que revertam o quadro desta Medida Provisória, reduzindo os percentuais a fim de amenizar a recessão que já é uma realidade para os setores de indústria, comércio e serviços do país, neste ano de 2015”, ressaltam as Entidades.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 120471 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.