Em vídeo, Alberto Yousseff revela que entregou propina ao ex-deputado federal Cândido Vaccarezza

Alberto Yousseff afirma ter entregue recursos financeiros oriundos de esquema de corrupção da Petrobras ao ex-deputado Cândido Elpidio de Souza Vaccarezza.
Alberto Yousseff afirma ter entregue recursos financeiros oriundos de esquema de corrupção da Petrobras ao ex-deputado Cândido Elpidio de Souza Vaccarezza.

Alberto Yousseff revela, em depoimento prestado ao Ministério Público Federal (MPF) do Paraná, a relação de corrupção estabelecida com o ex-deputado federal pelo PT de São Paulo Cândido Elpídio de Souza Vaccarezza. O depoimento foi realizado através do instituto da Delação Premiada, e ocorreu  na sede do órgão, no dia 11 de fevereiro de 2015.

No depoimento, Yousseff revela ter entregue recursos financeiros oriundos de atos de corrupção envolvendo esquemas fraudulentos na Petrobras.

O delator afirma: “Eu já estive, na casa dele [Cândido Vaccarezza] em São Paulo. Se eu não me engano, no bairro da Mooca [São Paulo, capital]. Para entregar valores que o Paulo Roberto Costa pediu que eu entregasse… foram três ou quatro vezes de 150 mil reais.”. “Eu retirei do contexto global, da receita. Eu tirei aquele valor por alguns meses seguidos, e entreguei ao deputado Vaccarrezza.”.

Confira o teor do depoimento

MPF – O senhor teve algum tipo de relação com o deputado Cândido Vaccarrezza?

Alberto Yousseff – Conheço. Tive relação com ele, sim, a pedido do Paulo Roberto Costa. Entreguei a ele alguns nominarios (dúvida da palavra dita aqui) ao Cândido Vaccarrezza, foram três ou quatro vezes. Esse é o relacionamento que tive com ele.

MPF – O senhor já esteve alguma vez na casa do deputado?

Alberto Yousseff – Sim, eu já estive, na casa dele em São Paulo. Se eu não me engano, no bairro da Mooca [São Paulo, capital].

MPF –  Para entregar dinheiro ou outros encontros?

Alberto Yousseff – Para entregar valores que o Paulo Roberto Costa pediu que eu entregasse.

MPF – O senhor só o encontrou para entregar dinheiro, é isso o que o senhor quer me dizer?

Alberto Yousseff – Não, eu encontrei ele, algumas outras vezes.

MPF – Na casa dele?

Alberto Yousseff – Na casa do deputado André Vargas, que também era meu amigo em Brasília. Eu fui lá uma ou duas vezes.

MPF – E essas entregas de valores, o senhor se lembra dos montantes envolvidos, já que foram três vezes?

Alberto Yousseff – Sim, foram três ou quatro vezes de 150 mil reais.

MPF – O senhor se recorda a época?

Alberto Yousseff – Não, não me recordo a época.

MPF – Tem alguma coisa que possa situar no tempo? Um ano, dois anos, três anos?

Alberto Yousseff – Isso foi enquanto Paulo Roberto Costa estava na estava na diretoria de abastecimento. Então, provavelmente, isso deve ter acontecido entre 2010-2012. Deve ter acontecido por ai.

MPF – Depois da morte do José Janene?

Alberto Yousseff – Depois da morte do José Janene.

MPF – O senhor se recorda quais foram as instruções do Paulo Roberto? Se ele vinculou esses valores a algo específico?

Alberto Yousseff – Não, ele não vinculou esses valores a nada. A única coisa que ele me pediu foi o seguinte, me deu o número do telefone do deputado Cândido Vaccarrezza, pediu que eu entrasse em contato com ele e que ele estaria dando uma ajuda para o deputado Cândido Vaccarrezza e que eu tirasse esses valores, dos valores que eu estava recebendo e entregasse ao deputado

MPF – Ele disse que você deveria abater esses valores entregues ao Vaccarrezza do valor?

Alberto Yousseff – Dos valores que eu retirava para o Partido Progressista, ai, eu até o questionei. Falei, mas, ai ele falou assim “não, não tem como, eu tenho que ajudar, tem que retirar dos valores que você recebeu”.

MPF – Você disse que o Paulo Roberto Costa disse, que o declarando deveria retirar os valores extraídos das verbas referentes ao PP, provenientes da Petrobrás.

Alberto Yousseff – Das verbas referentes ao que eu recolhia, num contexto global que também envolvia o Paulo Roberto Costa, na verdade. Eu recebia 100% e depois fazia o fatiamento, iria 30% para o Roberto Costa, 5% para o Lu, 5% para mim e ai os outros 60% iam para o partido.

MPF – Então, não é…

Alberto Yousseff – Eu retirei do contexto global, da receita. Eu tirei aquele valor por alguns meses seguidos e entreguei ao deputado Vaccarrezza.

MPF – E depois disse que o declarante deveria tirar os valores das verbas que o declarante recolhia proveniente da Petrobras, é isso?

Alberto Yousseff – Isso. Mas não vinculou isso a algum fato especifico. Simplesmente mencionou que estava dando uma ajuda.

MPF – Só o senhor que entregou pessoal, você falou?

Alberto Yousseff – Foi pessoalmente, só fui eu que entreguei.

MPF – Três vezes, isso?

Alberto Yousseff – Entre três e quatro.

MPF – O senhor tomou conhecimento, pelo menos pela mídia, do envolvimento do deputado Cândido Vaccarrezza com a denominada máfia do asfalto de São Paulo?

Alberto Yousseff – Não

MPF – O senhor sabe se tinha alguma notação referente ao Vaccarrezza?

Alberto Yousseff – Não, que eu me lembre não.

MPF – E contato de telefone com ele?

Alberto Yousseff – Que eu me lembre, sim.

MPF – O senhor tinha contato com o Vaccarrezza?

Alberto Yousseff – Sim.

MPF – Se recorda o nick?

Alberto Yousseff – O nick dele era Vaccarrezza. Cândido Vaccarrezza, normal.

MPF –  Você trocava e-mails também?

Alberto Yousseff – E-mails não, não me lembro, mas DBM sim.

MPF – Rafael nunca pegou dinheiro dele, então?

Alberto Yousseff – Não, que eu me lembre, não.

MPF – Era época de campanha? O senhor se recorda, se era época de campanha?

Alberto Yousseff – Não sei se era época de campanha, ou se foi um pouco depois da campanha. Não sei precisar as datas.

MPF – O senhor operou de algum modo para que ele recebesse doação de campanha “legal”?

Alberto Yousseff – Não. Pro Vaccarrezza, não.

MPF –  Esse dinheiro espécie, o senhor tirou da onde?

Alberto Yousseff – Como assim?

MPF – Empresas. Qual daqueles esquemas, o senhor retirou?

Alberto Yousseff – Não, recebia de várias empresas, dinheiro que vinha de vendas em dólares no exterior. Não tinha nota fiscal.

MPF – Não tinha um saque específico?

Alberto Yousseff – Não, tinha um saque específico. Era do caixa geral.

Confira o vídeo

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106788 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]