Festival Cinema no Interior chega à Bahia

Cartaz do Festival Cinema no Interior. Projeto resgata a riqueza cultural e histórica interiorana, tendo a própria população local como executora do processo.
Cartaz do Festival Cinema no Interior. Projeto resgata a riqueza cultural e histórica interiorana, tendo a própria população local como executora do processo.
Cartaz do Festival Cinema no Interior. Projeto resgata a riqueza cultural e histórica interiorana, tendo a própria população local como executora do processo.
Cartaz do Festival Cinema no Interior. Projeto resgata a riqueza cultural e histórica interiorana, tendo a própria população local como executora do processo.

O interior baiano e seus habitantes vão ganhar as telas de cinema, protagonizados no Festival Cinema no Interior. O projeto, que chega pela primeira vez à Bahia, já rodou sete estados do Nordeste, além de atuar em alguns países do continente americano e contar com a parceria do Festival de Cinema de Contis, na França. Os municípios escolhidos para viver essa experiência audiovisual foram Nazaré, Ruy Barbosa, Lençóis, Andaraí e Mucugê. Moradores dessas cidades, entre estudantes, artistas e demais atores sociais, deram vida a cinco curtas-metragens, atuando, durante semanas, como pesquisadores, roteiristas, produtores e protagonistas de suas próprias histórias. O resultado será lançado no dia 31 de janeiro de 2015, às 19 horas, no Cinema Rio Branco, na cidade de Nazaré, Recôncavo Baiano. A entrada é gratuita.

Idealizado pelo cineasta Marcos Carvalho – que dirigiu junto com Wagner Miranda o longa-metragem “Na quadrada das águas perdidas” – e realizado pela Mont Serrat Filmes, o projeto tem por objetivo pesquisar, registrar e difundir as riquezas culturais e históricas interioranas, tendo a própria população local como executora de todo o processo. Oficinas de audiovisual são oferecidas durante a produção dos filmes. Os homenageados desta edição são o crítico de cinema baiano João Carlos Sampaio (in memoriam) e Jô Mazzarolo, diretora de jornalismo da Globo Nordeste.

O Cinema no Interior na sua etapa Bahia conta com apoio financeiro através do Edital Setorial de Audiovisual da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), vinculada à Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia (SecultBA), financiado pelo Fundo de Cultura (FCBA) e Secretaria da Fazenda (Sefaz). Tem também apoio do Grão de Luz e Griô, Fundação Marcos Vampeta, iits Telecom, DIMAS, TOCA Comunicação, Fábula Audiovisual e das Prefeituras Municipais de Nazaré, Ruy Barbosa, Lençóis, Andaraí, Ibicoara e Mucugê.

Relação de filmes produzidos e que serão exibidos no Cinema Rio Branco: 

de NAZARÉ – BA

ESMERALDA, ficção, 20 min, cor

A ameaça de extinção da Feira dos Caxixis faz com que os feirantes, representados pelo jovem Jeremias, busquem ajuda de Esmeralda. Ela arma uma teia de sedução, desmascara o hipócrita e moralista Doutor Holando e, ao mesmo tempo, estabelece uma estranha ligação atemporal com o Recôncavo dos tempos da Inquisição.

de RUY BARBOSA – BA

LADRÕES EM CENA, ficção, 16 min, cor

Quando a Coronela Macaíba proíbe um festejo tradicional que coincide com o dia do aniversário do Coronel Anselmo, os amigos Sinzé, Boim e Lindoneia executam um plano astucioso e realizam a festa com recursos liberados pela própria Coronela.

de LENÇÓIS – BA

A LENDA DO PAI INÁCIO, ficção, 20 min, p&b

Releitura de uma das lendas mais conhecidas da Chapada Diamantina. Inácio e Kahan: dois amigos de infância, dois escravos do mesmo Barão. Enquanto promoção de Kahan a Feitor faz aflorar seu lado cruel, a escolha de Inácio para escravo-reprodutor o leva a repudiar a escravidão, recuperar suas raízes africanas e empreender uma jornada mítica em busca de si mesmo.

de ANDARAÍ – BA

CAMINHO DE PEDRA, ficção, 15 min, cor

Natália é uma mulher que abdicou da própria feminilidade. Assumiu desde cedo as atribuições do pai no garimpo e a incumbência de sustentar suas irmãs com o próprio braço. Porém, a chegada de um forasteiro faz emergir, de forma incontrolável, seus desejos mais obscuros.

de MUCUGÊ – BA

UM SIMPLES OLHAR, ficção, 15 min, cor

Luna é uma jovem com apenas dez por cento da visão que permanece refém da busca obsessiva de seu tio por uma pedra preciosa. Sem família ou amigos que possam interceder, Luna tenta evitar o assédio crescente do tio enquanto busca um caminho para exercer sua liberdade.

Site: www.cinemanointerior.com.br

Contato: [email protected]

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109848 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]