Sem indiciamentos, relatório da CPI Mista da Petrobras aponta superfaturamento de US$ 4,2 bilhões em Abreu e Lima

Sala de comissões do Senado Federal durante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras.
Sala de comissões do Senado Federal durante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras.
Sala de comissões do Senado Federal durante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras.
Sala de comissões do Senado Federal durante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras.

Um superfaturamento de US$ 4,2 bilhões nas obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, é uma das principais conclusões do relatório do deputado Marco Maia (PT-RS) apresentado à CPI Mista da Petrobras nesta quarta-feira (10/12/2014). No texto, Maia também recomenda o aprofundamento das investigações para apurar a responsabilidade de agentes privados e funcionários e ex-funcionários da Petrobras, em diferentes irregularidades na estatal. O deputado não recomenda indiciamentos, ressaltando que muitos dos investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal já foram denunciados à Justiça.

A votação do relatório final da CPI será na quarta-feira (17), às 10h15.

O relatório compara os gastos em Abreu e Lima aos de empreendimentos similares construídos em outros países. Marco Maia concluiu que a justificativa da Petrobras de responsabilizar agentes externos pela escalada dos custos não é convincente. Para Maia, há outras causas, como a substituição das licitações por convite na contratação de obras e serviços. Além disso, a Petrobras assumiu riscos normalmente repassados às construtoras.

— Nós estamos afirmando que a Refinaria Abreu e Lima custou aos cofres públicos US$ 4,2 bilhões a mais do que seria normal ou natural que ela custasse — disse o relator.

O relatório final também aponta fortes indícios de pagamento de propina a funcionários da Petrobras pela empresa holandesa SBM Offshore. De acordo com o texto, o possível corruptor seria o representante da SBM, Júlio Faerman.

“Mesmo que as investigações desenvolvidas por esta CPMI, neste eixo de trabalho, não tenham sido conclusivas quanto ao montante e periodicidade da materialidade do ato ilícito, nem da individualização dos agentes envolvidos, há prova emprestada a esta comissão suficientemente capaz de se concluir por irregularidades nas práticas de funcionários da Petrobras e da SBM Offshore”, diz o relatório.

Operação Lava-Jato

Marco Maia ressalta que as atividades da comissão de inquérito, iniciadas em maio, aconteceram em paralelo às investigações judiciais e policiais da Operação Lava-Jato. Por isso, o relatório não recomenda indiciamentos, mas o aprofundamento das investigações para apurar a efetiva responsabilização de todos os investigados pela operação da Polícia Federal.

O texto traz uma lista de pessoas nessa situação: executivos de grandes construtoras, como Queiroz Galvão, OAS e Mendes Júnior; o doleiro Alberto Youssef; os ex-diretores Nestor Cerveró, Paulo Roberto Costa e Renato Duque; Adarico Negromonte, suspeito de transportar dinheiro de propina para agentes políticos e partidos; e a ex-contadora de Youssef, Meire Poza.

Licitações

Maia indica que o processo de formalização de contratos da Petrobras precisa de controles internos e de aperfeiçoamento nas práticas de governança. Por isso, recomenda a criação imediata da Diretoria de Governança, Risco e Conformidade.

O relatório também propõe mudanças no regime de contratação da Petrobras. Apresenta, para tanto, um projeto de lei para disciplinar as licitações e contratos de todas as empresas estatais que exploram atividade econômica. É sugerida a criação da Modalidade de Contratação Semi-Integrada, na qual as licitações para obras e serviços devam ser feitas após a aprovação do projeto básico. Esse projeto serve de referência para orientar a apresentação das propostas.

“Em suma, a proposta legislativa apresentada por esta CPMI é um regime diferenciado adaptado às empresas estatais, de modo a regulamentar o art. 173, § 1º, III, da Constituição Federal, padronizando a contratação por parte dessas empresas e provendo-as de um ágil e moderno estatuto de licitações”, explica o relatório.

Pasadena

O relatório discorda da decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) quanto ao prejuízo que a estatal brasileira teria sofrido com a aquisição da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA). Segundo o texto, o acórdão do TCU não avaliou negócios similares feitos à época, nem considerou a rentabilidade atual e futura do complexo.

“O suposto prejuízo de US$ 792 milhões, que consta do Acórdão 1927/2014 – Plenário do TCU, causado à Petrobras por administradores e diretores da empresa precisa ser reavaliado, em virtude de ter sido baseado em cenário que deixou de considerar fatores importantes que justificam o negócio”.

Segurança

O relatório reconhece que há deficiências no sistema de segurança nas atividades marítimas de petróleo e gás natural. Entre os problemas apontados, estão as ações de manutenção e de operação. Maia recomenda à empresa que implante um sistema de garantia de qualidade segundo critérios similares aos da indústria nuclear.

Com informações da Agência Senado.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106907 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]