Permissividade feirense

Av. Nóide Cerqueira.
Av. Nóide Cerqueira.
Av. Nóide Cerqueira.
Av. Nóide Cerqueira.

Permissividade

Este adjetivo que aceita comportamentos que outros reprovariam define, literalmente, o que ocorre no centro da cidade de Feira de Santana, principalmente no que se diz respeito ao trânsito desordenado e a invasão dos feirantes com suas barracas de frutas, verduras, entre tantos outros.

Nestes casos, a certeza da impunidade é o principal motivador que alimenta todas as atitudes irresponsáveis, não só no trânsito, como em todos os segmentos. Não adianta querer colocar a culpa nos maus condutores de veículos que estacionam em fila dupla, acionando o pisca-alerta e, provavelmente, achando que o veículo fica invisível; não respeitam a sinalização entre diversas outras infrações.

Para variar, claro que com o apoio total e irrestrito da permissividade, a Avenida Noide Cerqueira foi transformada em uma pista de autódromo onde os irresponsáveis de Feira de Santana, à noite, fazem “pegas” – corrida ilegal de carros também conhecidas como “rachas” – colocando em risco a vida dos transeuntes. Que se saiba, providências ainda não foram adotadas.

No início do mês de novembro, em um destes pegas noturnos, ocorreu um atropelamento onde a vítima, o jovem Timbinha, filho do Forrozeiro Timbauba Albuquerque, teve as duas pernas fraturadas, vindo a sofrer 3 cirurgias. Esta prática irresponsável e nociva causa diversos prejuízos à sociedade e àqueles que transitam normalmente pelo local, e até aos próprios praticantes que deveriam ser responsabilizados mesmo quando não há vítimas fatais.

Geralmente nestes ambientes são encontrados álcool, drogas, roubo de equipamentos e acessórios automotivos, prostituição, entre outros. Segundo pesquisas, o maior número de vítimas é contabilizado para terceiros. Na maioria dos casos, os envolvidos em pegas quando vão a júri, não recebem penalidades compatíveis com seus delitos. Esta prática é um grande problema social e que os gestores, não só de Feira de Santana, mas de todo o país, tem que tomar com muita urgência as devidas providências.

Sobre Alberto Peixoto 488 Artigos
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Dúvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozóide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua como incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antônio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: reyapeixoto@yahoo.com.br.