Palestras sobre sistema prisional brasileiro marcam 1º dia do 67º Encoge

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Foram apresentados números que comprovam, de acordo com o magistrado, “uma cultura do encarceramento” praticada em todo o país. Entre 1990 e 2014, o aumento da população carcerária foi de 526,14%. O Brasil tem 567,6 mil pessoas na prisão, atrás apenas, pela ordem, do Estados Unidos, China e Rússia

Outro estudo mostra o crescimento da população carcerária relativo ao tráfico de drogas. O aumento, entre 2006 e 2012, foi de 191,11%, contra 15,84% de outros crimes.

“Só poderemos podemos mudar essa cultura com debate, reflexão e muito estudo”, disse ele.

Em seguida, o procurador de Justiça Geder Luiz Rocha Gomes, coordenador do Centro de Apoio Operacional de Segurança Pública e Defesa Social do Ministério Público da Bahia, também tratando sobre o mesmo tema, traçou um perfil do preso no Brasil. De acordo com o representante do MPBA, 80% dos encarcerados não têm sequer o ensino fundamental completo.

O painel O Monitoramento das Medidas Alternativas à Prisão e da Execução das Penas, apresentado pelo juiz Edimar Fernando Mendonça de Sousa, do Tribunal de Justiça do Maranhão, encerrou a programação da manhã.

O juiz, que já atuou em correições prisionais pelo Conselho Nacional de Justiça, apresentou estudos realizados em seu estado e os resultados das medidas aplicadas.

Metas
A ministra Nancy Andrighi proferiu a primeira palestra na manhã. A corregedora nacional de Justiça apresentou as metas para as corregedorias aprovadas durante a realização do último Encontro Nacional do Judiciário, em Florianópolis, no início da semana.

De acordo com as metas propostas para o ano de 2015, as corregedorias devem diminuir o tempo de tramitação dos procedimentos administrativos disciplinares (PADs); promover a definição de competência pelo menos duas varas cíveis atuarem nas ações decorrentes da arbitragem nacional e internacional; e a terceira meta que é específica da Justiça federal, que trata da retomada da chamada competência delegada à Justiça estadual.

Em relação à diminuição do acervo de PADs, a ministra comunicou que essa foi sua prioridade nos primeiros dois meses à frente da Corregedoria.

Quanto à definição de competência de pelo menos duas varas cíveis, a corregedora disse que a Lei de Arbitragem (9.503/96) é um instrumento alternativo para resolução de conflitos e que por isso deve merecer especial atenção do Judiciário no sentido de facilitar a tramitação das ações que surgem das relações estabelecidas pelas partes envolvidas no processo.

Como uma alternativa aos processos de competência federal que tramitam na Justiça estadual, a exemplo de ações trabalhistas e previdenciárias, a solução encontrada foi estabelecer meta para que a Justiça federal crie mecanismos, a exemplo de mutirões, para retomar a responsabilidade para processar as ações que são de sua competência. Este assunto foi fruto de intenso debate entre os corregedores, que apresentaram propostas de operacionalização da referida meta.

O desembargador Antonio Sérvulo, da Corregedoria de Minas Gerais, sugeriu que a Justiça federal passe a aumentar a área de jurisdição das varas já instaladas, de forma a contemplar municípios onde não há estrutura desse ramo da Justiça.

*Com informação: Ascom

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 120785 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.