Salvador | Prefeito ACM Neto destina R$ 150 milhões para rubrica publicidade durante ano eleitoral. A Rede Bahia agradece

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Contratos da Prefeitura de Salvador com agências de publicidade (2014).
Contratos da Prefeitura de Salvador com agências de publicidade (2014).
Contratos da Prefeitura de Salvador com agências de publicidade (2014).
Contratos da Prefeitura de Salvador com agências de publicidade (2014).
Contratos da Prefeitura de Salvador com agências de publicidade (2014).
Contratos da Prefeitura de Salvador com agências de publicidade (2014).

Em resposta à Prefeitura de Salvador, o deputado federal Nelson Pelegrino (PT) reforçou as afirmações sobre gasto com publicidade, baseada em dados do Diário Oficial do Município (n° 6.071; páginas 13 e 14) e do Portal Municipal de Transparência. O deputado incluiu mais um contrato, além dos dois já citados, e encaminhou documentos à imprensa comprovando as informações. Ele ressalta que são contratos com números e dotação orçamentária independentes, cada um com limite de R$ 50 milhões: com a agência Ideia 3 (contrato 006/14; R$ 4,4 milhões empenhados); com a Propeg (contrato 005/2014; R$ 9,6 milhões empenhados) e com a Tourinho Publicidade (contrato 007/2014; R$ 5,8 milhões empenhados).

Pelegrino lamentou mais uma vez o “baixo nível” dos ataques. “Infelizmente o prefeito continua escalando assessores para me agredir e desviar o assunto com inverdades, método típico do carlismo. Como não consegue enfrentar o mérito do debate, porque não tem argumentos, parte para acusações despolitizadas usando pessoas que deveriam se limitar à função técnica”.

O parlamentar ainda questionou a destinação da publicidade, que considera eleitoreira: “Está claro como parte dela visa respaldar a campanha de Paulo Souto (DEM) ao Governo do Estado”. Pelegrino reforça que, mesmo a prefeitura gastando R$ 50 milhões, como argumenta, a desproporcionalidade é ainda elevada. “Não é coerente a Prefeitura aumentar os impostos, vender os terrenos públicos, investir na indústria do estacionamento e das multas com argumentos de que não tem dinheiro, e fechar contratos tão altos para publicidade. Enquanto isso, deve R$ 45 milhões às creches comunitárias, que estão sem comida para as crianças”.

Rede Bahia

O prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto (ACM Neto), é acionista da Rede Bahia, retransmissora da Rede Globo, e detentora de jornal e estações de rádio. O poderoso grupo de comunicação é um dos principais agraciados com o aumento de recursos no setor de publicidade, revela fonte, que finaliza lembrando que durante os governos de Paulo Souto o principal montante da verba publicitária do estado ia para a Rede Bahia, enquanto definhavam financeiramente os jornais A Tarde e Tribuna da Bahia.

Capital monopolista

A receita para a formação do capital monopolista é aplicar recursos, principalmente do setor público, com a finalidade de ampliar o poder capitalista de determinado grupo econômico, na sequência compram, ou destroem a concorrência, ampliado de forma incessante a capacidade monopolista do grupo.

A família Magalhães volta ao centro do poder, e não existe poder maior do que o estado. O volume de capital que a Rede Bahia manipula extraindo os recursos do setor público é pouco significativo quando comparado à capacidade de investimento do estado, observando apenas os recursos destinados ao setor de comunicação.

Sobre Carlos Augusto 9655 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).