Em depoimento na Justiça, José Sergio Gabrielli nega superfaturamento da refinaria Abreu e Lima

José Sérgio Gabrielli nega superfaturamento na Petrobras.
José Sérgio Gabrielli nega superfaturamento na Petrobras.
José Sérgio Gabrielli nega superfaturamento na Petrobras.
José Sérgio Gabrielli nega superfaturamento na Petrobras.

O ex-presidente da Petrobras José Sergio Gabrielli voltou a negar a existência de superfaturamento e pagamento de propina nas obras de construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Em depoimento prestado ontem (15/09/2014) na Justiça Federal no Paraná, responsável pela investigação da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, Gabrielli também disse não ter ligações com o doleiro Alberto Youssef, réu na ação penal. Ele depôs como testemunha, chamado pela defesa de Youssef.

Assim como no depoimento prestado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, Gabrielli reafirmou que não houve superfaturamento na obra. “Não tenho nenhum conhecimento concreto. As auditorias e os procedimentos internos da Petrobras não indicam nenhum comportamento desse tipo. Se há esse comportamento, não foi do meu conhecimento”, declarou ao juiz.

Gabrielli confirmou ao juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso, que a construção  da Refinaria Abreu e Lima estava vinculada à Diretoria de Abastecimento, que à época era comandada por Paulo Roberto Costa, suspeito de participar do suposto esquema de desvio de verbas da Petrobras.

O ex-presidente da empresa também relatou que somente os contratos acima de R$ 32 milhões precisavam de autorização do Conselho de Administração para serem executados. Valores abaixo da quantia ficavam sob a responsabilidade do diretor da área envolvida na operação.

Gabrielli disse não saber  se houve alguma influência do ex-deputado José Janene, morto em 2010, na indicação de Paulo Roberto Costa para a Diretoria de Abastecimento. Segundo Gabrelli, cabe ao Conselho de Administração aprovar e demitir diretores. Janene foi réu na Ação Penal 470, o processo do mensalão, julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

“A decisão sobre a composição da diretoria é uma decisão que é tomada no âmbito do governo. O presidente da Petrobras é comunicado. As razões e motivações são problemas internos do governo.  Paulo Roberto Costa era um técnico de carreira, com uma tradição na companhia, vinha da área de exploração e produção, não era da área de refino, foi apresentado pelo conselho e foi aprovado “, ressaltou.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), os desvios na construção da refinaria pernambucana ocorreram por meio de contratos superfaturados, feitos com empresas que prestaram serviços à Petrobras entre 2009 e 2014. Segundo o MPF, a obra, inicialmente orçada em R$ 2,5 bilhões, custou mais de R$ 20 bilhões. A investigação indica que os desvios tiveram a participação de Paulo Roberto Costa, então diretor de Abastecimento, e de Alberto Youssef, dono de empresas de fachada.

*Com informações da Agência Brasil.

Leia +

Ministro do STF autoriza acesso aos documentos sigilosos da operação Lava Jato

MP vai dar prosseguimento às investigações da Operação Lava Jato, garante Janot

Operação Lava Jato | Ministro Gilberto Carvalho diz que denúncias são “boataria” e têm caráter eleitoreiro

Operação Lava Jato | Presidenta Dilma Rousseff defende reforma política e apuração de denúncias envolvendo a Petrobras

Operação Lava Jato | “Organização criminosa atuava dentro da Petrobras”, afirma senador Aécio Neves

Revista Veja publica reportagem que revela um dos maiores casos de corrupção do país, envolvendo Petrobras, empresas privadas, partidos políticos, governadores, senadores e deputados

Operação Lava Jato | Relator espera votar até outubro processo contra deputado federal Luiz Argôlo

Operação Lava Jato | Contadora divulga aúdio em que advogado do deputado Luiz Argôlo oferece dinheiro por silêncio

Operação Lava Jato | Ex-contadora de Youssef nega chantagem contra deputado Luiz Argôlo

Operação Lava Jato | Empresário do sul da Bahia diz estranhar acusações contra deputado Luiz Argôlo

Operação Lava Jato | Deputado federal Luiz Argôlo nega denúncias em depoimento ao Conselho de Ética

Corrupção na República | Ex-contadora afirma que deputado federal Luiz Argôlo recebeu mais de R$ 1 milhão de Alberto Youssef

Conselho de Ética ouve testemunha de defesa do deputado federal Luiz Argôlo

Conselho de Ética aprova continuidade de processo contra deputado federal Luiz Argôlo

Conselho de Ética adia votação de parecer contra deputado baiano Luiz Argôlo

Câmara Federal inicia processo de cassação do mandato do deputado baiano Luiz Argôlo

Mesa Diretora aprova abertura de processo contra o deputado federal Luiz Argôlo no Conselho de Ética

Juiz Federal diz que investigações envolvendo o doleiro Alberto Youssef não indicavam a presença de políticos com foro especial

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112723 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]