A América Latina como alvo de disputa | Por Ruslan Kostiuk

Mapa ilustrado da América Latina.
Mapa ilustrado da América Latina.
Mapa ilustrado da América Latina.
Mapa ilustrado da América Latina.

Os últimos acontecimentos na Ucrânia refletiram uma diversificação na política externa russa. O destaque está em suas relações com a América Latina.

Durante a década de 2000, o Kremlin passou a expandir sua política externa na América latina. Com a crescente presença dos EUA e da Otan no Leste Europeu, não é de se estranhar que a Rússia busque expandir sua presença em áreas sob tradicional influência de Washington

Na virada do século, a região experimentou uma guinada para a esquerda que tirou muitos países latino-americanos da esfera de influência dos EUA e incentivou a elaboração de políticas econômicas e de assuntos externos próprios e independentes.

Foram sobretudo os países do eixo bolivariano que optaram por uma parceria estratégica com a Rússia. Muitos dos governos de esquerda mais moderados dessa corrente, particularmente Brasil e Argentina, também dão apoio à ampliação da cooperação com a Rússia.

Mesmo os países cujas economias são mais ligadas à dos EUA, como México e Chile, estão mostrando uma boa dose de independência ao promover seus interesses políticos. Teóricos sugerem que essas tendências na América Latina têm forçado Moscou a olhar com novos olhos as perspectivas de cooperação na região, praticamente descartada pelo Kremlin na década de 1990.

Laços econômicos

Entre 2004 e 2012, o comércio entre a Rússia e a América Latina triplicou, saltando de US$ 5,8 bilhões para US$ 16,4 bilhões. Hoje, os principais parceiros comerciais da Rússia na região são Brasil, México, Argentina e Equador.
Os gastos russos na América Latina alcançaram os US$ 25 bilhões (contra os US$ 17 bilhões do início do ano 2000), do qual mais de um terço foi destinado ao Brasil.

Essas trocas comerciais correspondem a uma grande variedade de setores: alta tecnologia, metalurgia não ferrosa, biotecnologia, processamento de produtos agrícolas etc. Mas a maior parte do capital russo continua fluindo para o setor de energia, e grandes empresas estatais como a Gazprom, a Lukoil e a Rusal continuam ganhando impulso no continente latino-americano.

Esse volume deve continuar a crescer. Além disso, grande parte dos países sul-americanos esperam fechar novos contratos com a Rússia no setor de energia.

Setor militar e político

Moscou e América Latina também expandiram suas relações nos âmbitos militar e político. Ao longo dos últimos 12 anos, as exportações de armas russas para a América Latina chegaram aos US$ 14 bilhões, sendo a Venezuela responsável por 80% desse montante.

Além disso, em abril de 2014, o Exército russo e alguns governos latino-americanos de esquerda realizaram treinamentos conjuntos na costa do continente destinados a combater o tráfico internacional de drogas.

Em março deste ano, o ministro da Defesa russo, Serguêi Choigu, declarou ainda que o Kremlin estava negociando a expansão de suas bases militares em países como Venezuela, Cuba e Nicarágua.

Mas, além das parcerias militares, o país prevê um avanço político com Brasil, Argentina e outros governos mais moderados, já que todas as partes estão interessadas em ampliar suas relações internacionais.

Assim, esperam-se acordos bilaterais com esses países para definir posições comuns sobre questões políticas estratégicas de alcance global.

Posições perdidas?

É improvável que a guinada a Oeste dada pela Rússia sob o comando do presidente Vladímir Pútin tenha passado despercebida por Washington.

Referindo-se ao aumento do interesse de Moscou pela América Latina, o ex-representante dos EUA na OEA (Organização dos Estados Americanos), Roger Noriega, disse que “os russos estão entrando em países que foram abandonados pelos EUA”.

Desde 2009, a administração democrata de Barack Obama tenta fazer todo o possível para reconquistar as posições perdidas na região e impedir que certos países da área ingressem na órbita russa ou chinesa. Do ponto de vista de Washington, a instalação de bases militares russas na América Latina é uma possibilidade inaceitável.

A ameaça chinesa

O principal rival dos EUA, em termos econômicos, é claramente a China. Nos últimos 15 anos, o país se tornou o maior parceiro comercial da América Latina. No primeiro semestre de 2014, o volume do comércio chinês com Brasil, Chile e Peru já ultrapassou os índices em relação aos EUA.

Enquanto cobre, ferro e soja compõem mais de 50% das exportações latino-americanas para a China hoje, Pequim exporta produtos eletrônicos e automotivos para a América Latina. A atividade chinesa na região é tão ameaçadora para os EUA, quanto para a Rússia. E, ao mesmo tempo em que aposta na esfera econômica, a China estreita os laços na arena política.

Embora seja improvável que a América Latina se converta em campo de batalha de uma nova Guerra Fria, é evidente que, sob a influência da crise na Ucrânia, a Rússia deve considerar aprofundar relações na região, como já tem feito com suas respostas às sanções ocidentais.

Mesmo países que mantêm profundos laços políticos e econômicos com os EUA, como México, Peru e República Dominicana, não estão dispostos a sacrificar uma cooperação mutuamente benéfica com a Rússia.

Resta aguardar para ver se os crescentes vínculos levarão a relações econômicas mais amplas e profundas que representem uma ameaça real para Washington.

*Ruslan Kostiuk é doutor em Ciências Históricas e professor da Universidade Estatal de São Petersburgo.

*Publicado originalmente na Gazeta Russa.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 115009 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.