Novo técnico da Seleção Brasileira, Dunga avalia: “fomos a melhor uma vez”

Dunga: "Não temos de pensar que somos os melhores. Fomos a melhor uma vez. Devemos obter essas habilidades de volta, e nós temos o talento que for preciso.".

Dunga: “Não temos de pensar que somos os melhores. Fomos a melhor uma vez. Devemos obter essas habilidades de volta, e nós temos o talento que for preciso.”.

Gilmar Rinaldi e Dunga não perderam tempo. Imediatamente após o almoço reuniram-se na sala do coordenador de seleções para traçar o planejamento da Seleção Brasileira, que tem seis datas reservadas para amistosos no restante de 2014, sendo quatro amistosos já confirmados.

Gilmar Rinaldi e Dunga não perderam tempo. Imediatamente após o almoço reuniram-se na sala do coordenador de seleções para traçar o planejamento da Seleção Brasileira, que tem seis datas reservadas para amistosos no restante de 2014, sendo quatro amistosos já confirmados.

A Confederação Brasileira de Futebol (“CBF”) anunciou na terça-feira de manhã (22 de julho de 2014) Dunga como novo técnico da seleção do Brasil. Ele substitui Luiz Felipe Scolari como o chefe da equipe técnica, duas semanas após o final da Copa do Mundo FIFA 2014.

Na conferência de imprensa realizada logo após o anúncio, Dunga disse que vai lutar por resultados sem abrir mão de um sonho: “Não temos de pensar que somos os melhores. Fomos a melhor uma vez. Devemos obter essas habilidades de volta, e nós temos o talento que for preciso. Devemos ser humildes o suficiente para admitir que outras equipes nacionais trabalharam duro por muitos anos para chegar onde estão agora, e devemos trabalhar com afinco para ganhar mais uma vez o direito de ficar entre os melhores do mundo “.

Dunga passou a afirmar que o Brasil não deve ver-se como um país devastado após vitória histórica 7-1 Copa do Mundo da Alemanha contra o Brasil no Estádio Mineirão.

“Nós temos um monte de coisas boas e coisas que temos que mudar. Vimos durante a Copa do Mundo o quão importante é o talento e planejamento, bem como, como o marketing é importante no futebol moderno, e também o trabalho no campo, e os resultados, de modo que este marketing pode ser mantida “, disse o treinador.

Em sua opinião, o futebol como é hoje não deve mais depender de ídolos. “Não devemos pensar que vai se deparar com um novo Pelé o tempo todo. Pelé é um mito “, observou, acrescentando que” o Brasil sempre terá jogadores de grande talento. Temos de combinar esse talento com o compromisso, humildade, equilíbrio profissional, e mostrar suas emoções fãs na hora certa. “

Esta é a segunda vez que Dunga lidera o time brasileiro como treinador. Capitão da equipe que trouxe o troféu para casa a Copa do Mundo pela quarta vez em 1994, ele treinou a equipe do 2006 a 2010, durante a qual ele levou a nação a uma Copa América e um título da Copa das Confederações, e também uma medalha de bronze no Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008. Mas em 2010, quando a Copa do Mundo foi realizada na África do Sul, a equipe foi expulso do torneio nas quartas-de-final, e Dunga foi demitido. Sua saída foi recebida com aprovação pela imprensa brasileira na época, com o qual Dunga nunca tinha boas relações.

Na terça-feira, em conferência de imprensa, ele assumiu a culpa pelos desentendimentos entre ele e os jornalistas, e disse que ele aprendeu muito e está agora aberto a sugestões: “Estamos prontos para a crítica, bem como sugestões, em nome da seleção brasileira. “No que diz respeito a resistência das pessoas à sua nomeação, Dunga disse que” as pesquisas estão aí para ser desmascarado “e que a única maneira de fazer isso era através da apresentação de um bom resultado.”

Dunga diz que Brasil não deve se considerar terra arrasada após derrotas

Ao ser apresentado como técnico da seleção brasileira na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), na manhã de hoje (22), no Rio de Janeiro, Dunga afirmou que o Brasil não deve se considerar uma terra arrasada depois da derrota histórica de 7×1 para a Alemanha no Mineirão, no jogo da Copa do Mundo.

“Não devemos nos colocar como uma terra arrasada. Temos muitas coisas boas e outras que temos que modificar. A gente viu na Copa do Mundo o quanto é importante o talento, mas também o planejamento. O quanto é importante no futebol moderno, o marketing, mas também o quanto é importante o trabalho dentro de campo, e os resultados para que esse marketing seja sustentado”, disse o técnico depois de agradecer a confiança depositada pela CBF.

Dunga disse, porém, que é preciso um trabalho de conscientização dos atletas, dos jornalistas e dos torcedores para que não se crie falsas expectativas em relação ao futebol.

“A camisa é respeitada e vai ser sempre respeitada. Mas eles tanto nos respeitam que querem ganhar de qualquer forma. E nós é que temos que estar preparados e ter a humildade de ser melhor a cada dia. Sermos mais compactos, trabalhar mais e ter mais comprometimento. Temos que ter essa percepção e não achar que vamos entrar com a camisa e vamos ganhar. Não vendermos uma ideia de que vamos ganhar a Copa do Mundo antes de ela acontecer. Não acontece nada antes de começar o jogo”, explicou.

O técnico afirmou ainda que o futebol de hoje em dia não pode mais depender de ídolos, e que quem tem que criá-los são eles próprios, com seu desempenho em campo.

“A gente não pode achar que vai encontrar um Pelé a toda hora. Pelé é um mito. A gente não pode querer um Pelé a cada dia e criar um ídolo a cada dia. Um ídolo a gente não cria, é ele que tem que ir conquistando espaço pela sua performance”, disse  ao acrescentar que confia no talento dos jogadores brasileiros.

“O Brasil sempre vai ter jogadores de grande talento. Temos que aliar a este talento o comprometimento, a humildade, o equilíbrio profissional e de demonstrar as suas emoções no momento certo para o torcedor”, disse.

Um dos pontos comentados pelo técnico foi sua relação com a imprensa, que foi marcada por alguns atritos em sua última gestão. Dunga assumiu a culpa por esses desentendimentos e disse que aprendeu muito, e que está aberto a sugestões: “Estamos prontos para receber críticas e sugestões em prol da seleção brasileira”. Sobre a resistência de parte da população à sua indicação, Dunga disse que “as pesquisas estão aí para serem derrubadas” e que a única forma de fazer isso era apresentando um bom resultado”.

Com informações da Agência Brasil.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]