Eleições 2014: discurso de Aécio Neves após confirmação da candidatura a Presidência da República pelo PSDB

Ao ser escolhido o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves defende unidade em favor de mudanças.
Ao ser escolhido o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves defende unidade em favor de mudanças.
Ao ser escolhido o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves defende unidade em favor de mudanças.
Ao ser escolhido o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves defende unidade em favor de mudanças.

Escolhido por 99,11% dos convencionais do PSDB neste sábado (14/06/2014), o presidente nacional do partido, o senador Aécio Neves, discursou para cerca de 5 mil pessoas durante a Convenção Nacional da legenda, em São Paulo. Em tom emocionado, ele lembrou do avô e dos exemplos que o guiam na política.

A seguir, a íntegra do discurso:

“Meus amigos, minhas amigas, de cada canto desse maravilhoso Brasil.

Eu acho que vocês podem imaginar a emoção que eu sinto neste instante.

O mais importante momento de toda a minha caminhada política. E as coisas não acontecem ao acaso.

Peço licença a vocês para saudar de forma muito especial minha mãe que está aqui presente, companheira de todos os momentos e de cada instante dessa caminhada.

A minha filha querida, amada Gabriela, também aqui hoje, inspiração permanente em cada ato do meu cotidiano.

Um beijo à distância, minha esposa e meus filhos, recém-nascidos, que se recuperam bem, graças a Deus, e haverão de crescer num país mais justo, mais solidário e mais generoso.

É indescritível.

Indescritível a emoção que eu sinto nesse instante e volto um pouco no tempo e ao ouvir tantas e tão expressivas lideranças políticas do Brasil aqui hoje se sucederem nessa tribuna, não apenas prestando a mim homenagem, mas irradiando confiança na construção de um tempo novo no Brasil.

A minha mente, a minha memória voltava no tempo e me lembrava de dois homens que foram absolutamente fundamentais na minha caminhada.

O primeiro, aquele que me pegou ainda menino pelas mãos e ensinou que honestidade e responsabilidade devem ser companheiras permanentes dos homens de bem. Minha saudade ao meu pai Aécio Cunha.

O tempo passou e na minha adolescência uma mão segura, firme, idealista e corajosa me ensinou que não existe, na vida de uma sociedade, uma atividade mais digna e mais honrosa do que a política. Mas ele se referia à política feita com seriedade, com responsabilidade e com destemor.

Obrigado, meu avô Tancredo, pelos seus ensinamentos, pelos seus exemplos e pela sua coragem, que permitiu aos brasileiros, nos reecontrarmos com a democracia e com a liberdade.

Gostaria nesse instante, antes de me dirigir a vocês, e ao Brasil que nos ouve hoje, algumas palavras e me permitirei ler aqui alguns compromissos para o início dessa caminhada, voltar há 30 anos.

No momento em que o Brasil se unia em torno de um grande sonho, o sonho da reconquista da liberdade.

A frustração e a dor com a morte do presidente Tancredo tomou conta da nação, e obviamente, de forma muito profunda, daquele que o acompanhava todos os dias e todas as horas.

Peço licença para voltar a 30 anos atrás e peço ajuda a um grande brasileiro, e peço que a sua voz, a voz do grande amigo e poeta Ferreira Gullar nos possibilite essa viagem no tempo.

[Leitura do poema “Palavra Gasta” de Ferreira Gullar, feita em áudio]

Adeus a Tancredo

Companheiro Tancredo Neves, eu não vou chamar você de Excelência logo agora, quando mais do que nosso presidente, você é nosso irmão ferido e que se vai. Foi você quem conduziu de, uma ponta a outra do país, acima de nossa cabeça, uma tocha de chama verde como a esperança.

Esperança é uma palavra gasta, mas não era a palavra, era a esperança mesma, que você carregava, e ela ainda Luzia em suas mãos hoje, no derradeiro momento, num quarto de hospital em São Paulo.

E quando suas mãos se apagaram, essa chama brilhou no céu da pátria nesse instante. Pátria é uma palavra gasta, mas pátria é terra, é mãe, embora muitos de nós, milhões de nós, ainda vagueiem pelas cidades, pelos campos, sem o penhor de uma igualdade que havemos de conquistar com o braço forte.

Pátria é uma palavra gasta, mas no seio dela descansarás Tancredo amigo, no chão macio de São João del Rey, amado pelo povo, à luz de céu profundo. Povo também é uma palavra gasta, mas o povo, o povo mesmo despertou quando lhe prometeste uma Nova República, iluminada ao sol de um novo mundo. E ela virá, e tu a construirás conosco, erguendo nossos braços, cantando em nossa boca, caindo e levantando como este povo em que, ao morrer, te transformastes.

Amigos,

As palavras que acabamos de ouvir resgatam o profundo sentimento de esperança que partilhamos durante tanto tempo – e que devem nos inspirar nessa caminhada que iniciamos.

Elas nos falam, no fundo da alma, dos nossos deveres para com o Brasil e dos haveres que temos com cada um dos brasileiros.

Elas engrandecem o sentido do nosso propósito.

Elas têm o poder de nos lembrar de onde viemos, quem somos e porque estamos aqui.

Se sempre foi inequívoco o compromisso do PSDB com a democracia e a liberdade, foi a nossa coragem que nos legou o país moderno e promissor que somos hoje.

Foi com ela que colocamos fim ao ciclo hiperinflancionário que aprisionava o nosso crescimento e roubava o nosso futuro.

E atingia especialmente os mais pobres, os que mais precisavam e menos tinham.

Com a determinação do presidente Itamar e a liderança inconteste do presidente Fernando Henrique, transformamos a realidade brasileira de forma estrutural e definitiva, com o Plano Real.

Isso, quando quase ninguém acreditava que seria possível.

O Plano Real não garantiu apenas o poder de compra do salário. O Plano Real reconquistou para o Brasil o mais simbólico valor de que uma nação pode dispor: a confiança nela própria.

Foi a nossa vocação transformadora que construiu o Brasil do nosso tempo.

A nossa visão estratégica criou a Lei de Responsabilidade Fiscal, para que o dinheiro do cidadão fosse mais bem cuidado e aplicado.

O nosso compromisso com o futuro garantiu vagas para todas as crianças na escola.

O nosso respeito com a saúde dos brasileiros – e me permitam aqui uma homenagem ao ministro e amigo José Serra – criou os genéricos, garantindo medicamentos mais baratos para a população. E o melhor programa de combate à Aids em todo o mundo.

Nosso firme compromisso com o desenvolvimento e o bem-estar de cada um dos brasileiros modernizou a estrutura do Estado.

Ampliamos o acesso a serviços, como o das telecomunicações, que abriram as portas do futuro para o país e criaram novas oportunidades de trabalho para milhões de brasileiros.

Quero afiançar a cada um de vocês:

Nenhum outro governo, em nossa história recente, deixou um legado de transformações e criou bases tão sólidas para que o país pudesse avançar, como o governo do PSDB, apoiado sempre pelos nossos aliados, e homenageio de forma explícita e forte o Democratas de tantos companheiros que aqui hoje comparecem.

Para onde quer que se olhe, há marcos fundamentais de modernidade implantadas por nós, quando tivemos a honrosa responsabilidade de governar o Brasil.

A criação das agências reguladoras a modernização dos portos; a simplificação do sistema tributário, com o Simples; o apoio ao homem do campo, com o Pronaf.

No governo, o PSDB preocupou-se de fato em governar para as pessoas.

Nossa responsabilidade foi com cada brasileiro e brasileira que precisava do apoio das ações governamentais.

Na educação, com o Fundef.

Na saúde, com a expansão do Saúde da Família, da Saúde da Mulher e com a Emenda 29, que garantiu mais recursos para o sistema público.

Na luta contra a miséria, e acho importante rememorarmos, o Fundo de Combate à Pobreza, a regulamentação da Lei Orgânica de Assistência Social e da Aposentadoria Rural, a Política Nacional do Idoso, o Programa de Proteção e Promoção das Pessoas com Deficiência.

Fomos nós, o PSDB e seus aliados, com o apoio do povo brasileiro, quem criamos os primeiros e definitivos programas de transferência de renda nacionais. E o maior deles, o Benefício da Prestação Continuada.

Estruturamos a rede de proteção social, demos início ao que se transformaria depois no Bolsa Família. Criamos o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, do trabalho escravo e degradante.

E esses são apenas alguns exemplos do trabalho que fizemos.

E não adianta nossos adversários quererem, a história não se reescreve. Ela está aí para ser revisitada e reconhecida.

A nossa coerência com nossos princípios e valores nos manteve na liderança da oposição nos últimos 12 anos.

Mas é preciso reconhecer que nossos adversários também mantiveram a sua coerência.

Quem foi contra o Plano Real é quem hoje permite a volta da inflação.

Quem foi contra a Lei de Responsabilidade Fiscal é quem hoje assina a maldita contabilidade criativa.

Quem se negou a apoiar a união nacional defendida por Tancredo e Itamar, em dois momentos importantíssimos da vida nacional, são os mesmos que se esforçam hoje em dividir o Brasil de forma perversa entre o nós e eles.

Nos últimos anos, com velocidade surpreendente, o legado bendito que a gestão do PSDB deixou para o país está se esvaindo, se esgotando.

A inflação é uma realidade que assalta a mesa dos mais pobres.

A confiança, interna e externa, que havia sido duramente conquistada, foi perdida no rastro de incontáveis demonstrações de desapreço à transparência e inegável pendor autoritário e intervencionista.

Os brasileiros, a verdade é essa, percebem que foram traídos e por isso o ambiente de indignação e desalento tomou conta de todos os cantos do Brasil.

Acreditaram na propaganda de quem dizia defender a ética. E elegeram um governo que foi protagonista dos maiores escândalos de corrupção da nossa história.

Acreditaram na propaganda de quem dizia defender o patrimônio público. E elegeram um governo que em poucos anos vem aniquilando o valioso patrimônio construído por gerações de brasileiros.

A Petrobras, construída durante 60 anos pelo esforço de brasileiros e brasileiras, apenas no governo da atual presidente perde metade do seu valor, deixa de frequentar as páginas econômicas, para frequentar quase que diariamente as páginas policiais.

A Eletrobras vai pelo mesmo caminho.

Os fundos de pensão, patrimônio dos servidores das empresas estatais e bancos públicos, também foram solapados pela ganância de um grupo político que abdicou, há muito tempo, de ter um projeto de país para se contentar, única e exclusivamente, em conduzir um projeto de poder.

Esses são apenas alguns entre inúmeros exemplos com os quais somos confrontados no nosso dia a dia.

No lugar de um novo e prometido grande salto, retrocedemos.

Perdemos o rumo.

Problemas antigos, como a inflação, por exemplo, que imaginávamos superados, estão de volta, atrasando a agenda nacional.”

São Paulo, 14 de junho de 2014.

Leia +

Eleições 2014 | Convenção nacional do PSDB confirma candidatura de Aécio Neves à Presidência da República

Eleições 2014 | Discurso de Aécio Neves após confirmação da candidatura a Presidência da República pelo PSDB

Eleições 2014 | Durante Convenção Nacional do PSDB, Aécio Neves fala de “Tsunami por mudanças”

Eleições 2014 | Senador Aécio Neves fala nos exemplos de Minas Gerais

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109913 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]