O Túmulo do Mestre Irineu

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Cecília Maringoni e Juarez Duarte Bomfim.
Cecília Maringoni e Juarez Duarte Bomfim.

No seis de julho de 1971 o Mestre Raimundo Irineu Serra fazia a sua passagem para o mundo espiritual. Pouco antes disso, pessoalmente ele escolheu o local onde deveria ser deitado o seu corpo a terra fria, em terras da sua propriedade, no solo sagrado Alto Santo, atual Vila Irineu Serra, em Rio Branco-Acre.

Pisei na terra fria

Nela eu senti calor

Ela é quem me dá o pão

A Minha Mãe que nos criou

Foi em um lote de terra em frente a sua residência, do lado oposto ao antigo ramal, atual Estrada Raimundo Irineu Serra. Hoje, na antiga moradia do Mestre Irineu está abrigado o Memorial da Doutrina, situado ao lado esquerdo da residência da Madrinha Peregrina Gomes Serra, viúva do Mestre e dignatária do CICLU Alto Santo.

Vizinho ao túmulo do Mestre, localiza-se a casa de Leôncio Gomes da Silva e familiares (na Estrada Raimundo Irineu Serra, nº. 3838). Seu Leôncio foi designado para ser o presidente do Centro Livre fundado por Mestre Irineu. A escolha do lugar foi para que os familiares do seu Leôncio assumissem a responsabilidade pela limpeza, organização e segurança do recinto sagrado.

Dona Hortênsia Gomes, filha do seu Leôncio, cumpriu com eficiência essa missão até a sua passagem para a vida espiritual, em 2004. Hoje os cuidados com o Túmulo são da responsabilidade da própria Madrinha e os homens e mulheres da irmandade.

O Túmulo do Mestre Irineu é lugar de devoção e peregrinação dos seus devotos; pouso dos aflitos, consolo dos desesperados que ali vão meditar e orar, em busca de uma luz, uma instrução.

É sítio também dos afortunados merecedores da Providência Divina que para lá se deslocam no intuito de agradecer as graças alcançadas. Lugar de pagamento de promessas, a prática de fiéis depositarem ex-votos no Túmulo foi desestimulada pela administração do lugar, e caiu em desuso. Ali não mais ocorre esse tipo de manifestação religiosa popular.

A ambiência é perfeita para o recolhimento meditativo: o Túmulo é envolvido em um lindo jardim de belas flores, onde silenciosos chegamos a este jardim e rogamos a Piedade da Mãe Divina.

Às vezes, alegres vozes de crianças se ouvem ao longe, na vizinha Escola Raimundo Irineu Serra, herdeira da Escola O Cruzeiro, fundada pelo próprio Mestre Irineu.

Em meditação, sentimos a luz e força irradiada de dentro daquele mausoléu de belíssimas pedras de granito, e lembramos dos versos de conhecido hino doutrinário: “muitos pensam que é falecido, mas é vivo meu São Irineu”…

Sobre a tumba foi esculpida uma Cruz de Caravaca, logo abaixo está incrustada uma fotografia de Raimundo Irineu Serra com as datas de nascimento e falecimento (15/12/1892 – 06/07/1971). Depositados sobre o jazigo estão vasos de belas flores e, permanentemente acesas, velas, muitas velas, sinal de eterno zelo dos seus fiéis pela memória do Querido Padrinho Irineu.

Á esquerda do sepulcro do Mestre descansa o corpo de Leôncio Gomes da Silva (11/02/1918 – 17/03/1980), o Presidente; à direita estão depositados os despojos do amigo e discípulo de primeira hora José Francisco das Neves Junior (22/10/1908 – 08/10/1990).

O sobrinho do Mestre, Daniel Serra, levou a sua mãe, dona Cota (Maria Matos), irmã de Irineu Serra, para conhecer as terras sagradas do Alto Santo e esta lá permaneceu residindo. Nos é contado que, em visitas diárias ao túmulo do Mestre, dona Cota entrava em longas conversações com ele, o Mestre Irineu. Quem passava pela estrada em frente ao mausoléu nos finais de tarde a encontrava em animada conversação com o invisível…

Em 2010, um grupo de devotados fieis se cotizaram para reformar o Túmulo, que se tornou uma linda Capela piramidal, sextavada, em madeira e vidro, totalmente integrada ao jardim de belas flores que a envolve.

Os antigos azulejos azuis foram substituídos, e hoje não mais se encontra o busto do Mestre Imperador Raimundo Irineu Serra Juramidã, feito em cimento e gesso e pintado de tinta metálica prateada: nesta iconografia o Mestre esta representado com os olhinhos fechados, mirando…

Em substituição a este busto, está planejado uma estatua em tamanho natural do Mestre, a ser realizado por exímio artista contratado.

Para garantir a memória e preservação do lugar, em 05/09/2006 um conjunto de edificações no Alto Santo foi tombado simultaneamente como patrimônio histórico e cultural de Rio Branco e do Acre, por decretos simultâneos do então governador Jorge Viana e do prefeito Raimundo Angelim. Entre outras edificações, o Túmulo do Mestre Raimundo Irineu Serra foi declarado Patrimônio do povo acreano.

Nesse recinto acontece na tarde de seis de julho, a partir das quatro horas, o principal evento anual de congraçamento de todos os centros livres daimistas que porventura possam estar ali representados: a Santa Missa rezada pela Madrinha Peregrina em memória do aniversário da passagem de seu saudoso esposo para o seu Império Astral. Após o ato litúrgico, todos se dirigem para os seus respectivos centros e igrejas para cantar o Hinário O Cruzeiro Universal, em louvor ao Divino Pai Eterno e a Rainha da Floresta.

Meu corpo na sepultura

Desprezado no relento

Alguém fala em meu nome

Alguma vez em pensamento?

Sobre Juarez Duarte Bomfim 745 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]