Deputado Carlos Gaban questiona gastos do governo Wagner

Audiência Pública na ALBA.
Audiência Pública na ALBA.
Audiência Pública na ALBA.
Audiência Pública na ALBA.

Uma das lutas constantes do deputado Carlos Gaban (DEM), é a respeito dos gastos públicos. Durante a audiência pública da Comissão de Finanças, para apresentação do III Quadrimestre, pelo secretário da Fazenda, Manoel Vitório, o deputado Carlos Gaban (DEM), mostrou os descontroles nos gastos da máquina e a disponibilidade deficitária no caixa do governo. O deputado foi o único a questionar o secretário na audiência desta terça (19/04/2014).

“Quando Vossa Excelência esteve nesta casa, na Audiência do 2° Quadrimestre, questionado sobre os mesmos números, principalmente sobre o valor registrado da Disponibilidade de Caixa Bruta, no Demonstrativo da Dívida Consolidada, afirmou que ‘são fictícios os números que mostram saldo de R$7 bilhões e uma dívida de R$1,8 bilhão, publicados no relatório [de gestão] fiscal do estado, em razão de ‘um erro formal’ no sistema de contabilidade’”, questionou Gaban.

Segundo Secretário, os números refletem a realidade, onde foram constatados que a Dívida  Consolidada do estado cresceu em três anos 44,2%, pois o Estado entre 2007 a 2013 recebeu de empréstimos  R$ 6,9 bilhões de reais, e em 2013 o valor foi de R$ 2,7 bilhões, mais os investimentos do Estado teve apenas uma execução de 32%, o que foi questionado pelo Deputado. As despesas de Investimentos em 2013 representam apenas 5,8% do total das despesas realizadas.

Outro ponto questionado pelo deputado, foi com relação a Disponibilidade de Caixa do Estado, pois pelo  menos há três  anos consecutivos  consta do Relatório de Gestão Fiscal do Estado   um saldo negativo de R$ 2 a 2,5 bilhões de reais, “o que só pode ser explicado pela utilização continuada, duradoura  e certamente ilegal  de recursos  vinculados para cobertura do déficit, o que é proibido, inclusive pela Lei de Responsabilidade Fiscal.  Não se trata  de operação esporádica e momentânea, mas de um procedimento sistemático utilizado para a cobertura de gastos não honrados pelas receitas usuais. Por exemplo, recursos de operações de financiamentos para investimentos  ou de Convênios para obras, podem estar sendo utilizados com esse  fim”, informou o parlamentar.

Gaban finaliza dizendo que apesar das medidas adotadas pelo Governo para reduzir o custeio, as despesas aumentaram 8,54%, em relação a 2012.  As despesas totais aumentaram 12.83%, enquanto as receitas cresceram 10,12%, deixando claro que os gastos são maiores do que a arrecadação. “Não houve redução dos cargos comissionados, despesas com consultorias aumentaram, locação de veículos, terceirização de mão de obra, etc.”, aponta.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111132 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]