Crise no SAMU de Feira de Santana leva prefeito José Ronaldo a emitir nota, onde afirma que vai abrir concurso, e apela para bom senso e responsabilidade dos profissionais

José Ronaldo apela: "Acreditamos que a responsabilidade e o bom senso dos senhores médicos não permitirão que o atendimento capaz de salvar vidas seja paralisado.".
José Ronaldo apela: "Acreditamos que a responsabilidade e o bom senso dos senhores médicos não permitirão que o atendimento capaz de salvar vidas seja paralisado.".
José Ronaldo apela: "Acreditamos que a responsabilidade e o bom senso dos senhores médicos não permitirão que o atendimento capaz de salvar vidas seja paralisado.". (Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
José Ronaldo apela: “Acreditamos que a responsabilidade e o bom senso dos senhores médicos não permitirão que o atendimento capaz de salvar vidas seja paralisado.”. (Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Reportagem do Jornal A Tarde revela duras críticas a coordenadora geral do SAMU, Maisa Macêdo.
Reportagem do Jornal A Tarde revela duras críticas a coordenadora geral do SAMU, Maisa Macedo.

O manifesto realizado pela categoria de profissionais que compõem a unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Feira de Santana (SAMU), onde exigem a saída da coordenadora geral Maisa Macedo, levou o prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo de Carvalho, a emitir nota sobre o assunto. Oportunidade em que apela para o bom senso e a responsabilidade da categoria no sentido que evitem a paralisação dos serviços. Ronaldo também destaca o trabalho da secretária de saúde Denise Mascarenhas, além de defender Maisa Macedo, afirmando que a “coordenadora é uma profissional respeitada não apenas na Bahia, mas em todo o país”.

A Tarde publica reportagem

Segundo reportagem do Jornal A Tarde, o motivo da paralisação, anunciada desde segunda-feira (24/02/2014), é o descontentamento dos profissionais com a gestão de Maísa Macedo, acusada de improbidade administrativa, acumulação de cargo público, utilização de cargo público em benefício próprio e nepotismo.

O pedido de exoneração da coordenadora foi solicitado pelo Sindicato dos Médicos da Bahia (SINDIMED-BA) ao prefeito José Ronaldo de Carvalho e à secretária municipal de Saúde, Denise Mascarenhas. A categoria deu um prazo para que a demissão dela fosse determinada pelo executivo municipal até terça-feira (25/02).

Confira o teor da nota

SAMU: uma necessária reflexão

Médicos que trabalham no Samu de nossa cidade ameaçam paralisar as atividades. O anúncio, que deixa a sociedade feirense perplexa, está sendo feito na imprensa por alguns dos profissionais que atuam neste órgão considerado essencial. Não acreditamos que essa proposta seja levada adiante. Confiamos no bom senso e na responsabilidade dos médicos que compõem o SAMU de Feira de Santana perante a população.

Os médicos do SAMU reconhecem, e registram isto em manifesto escrito, o “apoio e empenho” da secretária de Saúde, Denise Mascarenhas, e do prefeito José Ronaldo, na busca pela solução de problemas que afetariam o seu trabalho e o atendimento à comunidade. “Agradecemos publicamente”, dizem os profissionais no documento.

Consideram, os digníssimos médicos, que “as propostas de ambos os lados foram respeitadas, conduzindo desta forma à construção de um cenário de mudanças, a curto, médio e longo prazo”. Admitem, coerentemente, que “nem tudo pode ser resolvido prontamente”.

Louvam em seu manifesto, os senhores médicos,  a iniciativa da Prefeitura de assinar um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público Federal e Ministério Público do Trabalho com o propósito de garantir uma seleção pública e posteriormente concurso público para provimento de cargos no SAMU.

Em outro trecho, afirmam que “o prefeito José Ronaldo e a secretária de Saúde tem manifestado vontade de ajustar os problemas do nosso serviço” e que “as melhorias almejadas estão em andamento”. E estão mesmo. Nos encontramos debruçados sobre o tema e vamos buscar, de forma determinada, e junto com os médicos, enfermeiros e demais profissionais, as soluções e os ajustes necessários.

Podemos adiantar que no dia 6 de março teremos publicado o edital para licitação que vai contratar a empresa responsável pela seleção simplificada de pessoal do SAMU. Portanto, as medidas pertinentes às melhorias do SAMU de Feira de Santana  estão sendo adotadas de maneira objetiva e de acordo com as reais possibilidades, conforme explicitam os próprios médicos, em seu manifesto público.

Acreditamos que a responsabilidade e o bom senso dos senhores médicos não permitirão que o atendimento capaz de salvar vidas seja paralisado.  Até porque  não houve discussão, com o Governo, em duas reuniões realizadas, nos dias 9 e 28 de janeiro, do ponto que somente agora é trazido à tona e colocado como motivo de uma suposta paralisação, a   demissão de uma profissional,  coordenadora do  órgão. Chamamos, então, os ilustres profissionais médicos a uma reflexão:

Exigir a demissão de uma servidora seria mesmo uma atitude nobre, grandiosa, a altura desta categoria tão valorosa à vida humana? Quem seria o próximo, numa escala hierárquica administrativa do órgão, a ter a cabeça colocada a prêmio? Em quais outras repartições municipais se haverá de pedir a demissão de alguém, como negociação de ordem trabalhista? Agindo por este prisma não estaríamos encaminhando perigoso precedente no serviço público, desviando o nosso foco, que é o de solucionar os problemas, melhorando as condições de trabalho e, consequentemente, prestando um serviço ainda mais eficiente à população?

A coordenadora é uma profissional respeitada não apenas na Bahia, mas em todo o país, sendo referência na gestão deste órgão em nível nacional e o resultado das auditorias federais feitas no órgão é uma prova inconteste de sua capacidade. Mesmo assim, caso ajustes administrativos no SAMU ou até mesmo de conduta sejam efetivamente necessários, o Governo Municipal aceita discutir também sob estes aspectos. Para esta administração, o diálogo tem portas abertas permanentemente, quaisquer que sejam as demandas.

O SAMU é uma conquista extraordinária em favor da vida dos brasileiros. Em Feira de Santana, em que pesem alguns problemas pontuais,  o serviço é eficiente e reconhecido pela comunidade. Pela sua importância e papel humanitário, não devemos  interrompê-lo antes que se esgotem todas as tentativas possíveis de entendimento, o que está sendo feito de forma respeitosa e responsável, até aqui.

José Ronaldo de Carvalho

Prefeito Municipal de Feira de Santana, 26 de fevereiro de 2014.

Saiba +

Carta aberta do corpo médico da SAMU de Feira de Santana

Médicos do SAMU anunciam greve em Feira de Santana

Baixe a reportagem do Jornal A Tarde

Sobre Carlos Augusto 9705 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).