Discurso do deputado federal Valmir Assunção sobre reforma agrária tem repercussão nacional

O deputado federal e líder do MST na Bahia Valmir Assunção.
O deputado federal e líder do MST na Bahia Valmir Assunção.
O deputado federal e líder do MST na Bahia Valmir Assunção.
O deputado federal e líder do MST na Bahia Valmir Assunção.

O jornal O Globo publicou recentemente uma opinião a respeito dos debates no congresso nacional sobre a reforma agrária e criticou os movimentos de luta pela terra de estarem atrelados ao governo e, por isso, a reforma não caminhou. A resposta do deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) veio 12 horas depois, em artigo publicado no mesmo espaço.

Para Valmir Assunção, existe um grupo que quer convencer de que com o avanço do agronegócio, a democratização das terras no Brasil não é importante. O parlamentar responde dizendo que nunca a reforma agrária foi tão necessária e rebate sobre a motivação de permanecer no campo. “O agronegócio, como modelo de desenvolvimento para o campo, não é capaz de alimentar o povo brasileiro e nem de garantir a qualidade do que produz. Por causa desse modelo, o Brasil é campeão de consumo de venenos agrícolas, cuja importação saltou de US$ 259 milhões no ano 2000 para US$ 2,2 bilhões em 2012. É o agronegócio também que está no topo da lista suja do trabalho escravo”.

De acordo com a primeira publicação, as organizações dos sem-terra enfrentam dificuldades em encontrar pessoas que de fato queiram – e saibam – explorar a terra. A opinião ainda aponta que o êxodo rural aumentou e que até os filhos dos acampados querem morar na cidade. “Passados quase 12 anos com o PT no principal gabinete do Palácio do Planalto, o mantra [pela reforma agrária] se mantém, mesmo que nas últimas décadas a agricultura brasileira tenha passado por uma modernização revolucionária, a ponto de superar a necessidade da reforma agrária como pensada no século passado”, diz o texto do Globo.

Entretanto, o parlamentar petista retruca e diz que o governo trouxe para o debate e para a ação dos órgãos responsáveis a necessidade do desenvolvimento dos assentamentos instituídos, com a qualificação de ações como o Luz Para Todos, crédito para produção e assistência técnica. “No entanto, precisamos ter em mente que reforma agrária é, prioritariamente, a democratização da propriedade da terra, ou seja, trabalhar para a desconcentração fundiária no Brasil, cujo índice de Gini de mais de 0,85 é equiparado ao período da ditadura militar”, finaliza Assunção.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 115041 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.