Senadora Lídice da Mata confirma Eliana Calmon no PSB e traz Campos e Marina a Salvador

Lídice da Mata que a ministra Eliana Calmon irá se filiar ao PSB tão logo conclua o processo de aposentadoria.
Lídice da Mata que a ministra Eliana Calmon irá se filiar ao PSB tão logo conclua o processo de aposentadoria.
Lídice da Mata que a ministra Eliana Calmon irá se filiar ao PSB tão logo conclua o processo de aposentadoria.
Lídice da Mata que a ministra Eliana Calmon irá se filiar ao PSB tão logo conclua o processo de aposentadoria.

A senadora Lídice da Mata confirmou em entrevista na manhã desta quarta-feira, à Rádio Metrópole, que  a ministra Eliana Calmon irá se filiar ao PSB tão logo conclua o processo de aposentadoria já protocolando junto ao Superior Tribunal de Justiça.

“Estamos fechando esta agenda do governador Eduardo Campos para que, juntamente com a ex-ministra Marina Silva, ele possa vir a Salvador para a cerimônia de filiação da Dra. Eliana Calmon, o que nós esperamos que possa ocorrer entre o dias 18 e 20 de dezembro”, disse.

“Eu acho que a presença numa chapa de mulheres de alguém como Eliana, alguém que não é da política tradicional, que nunca exerceu cargo politico, e que é uma figura pública muito corajosa, é mais uma simbologia que se agrega ao nosso fazer político”, destacou Lídice, apresentada por Mario Kertész como primeira prefeita de Salvador, premeria senadora da Bahia e, quem sabe, primeira governadora do Estado.

Eliana deverá compor a chapa do PSB como candidata ao Senado, uma parceria que levou Lídice a comparar as eleições de 2014 com as de 1990, quando compôs com Salete e Beth Wagner a chapa feminina que ficou conhecida como “As Três Marias”.

Lídice reconheceu que não há mais  possibilidade de ser escolhida como candidata do governador Jaques Wagner ao governo do Estado, como chegou a aventar anteriormente à saída do PSB do governo Dilma, mas que se engana quem pensa que vai ter como principal palco da sua campanha  a crítica ao governo.

“Eu não posso participar de um governo por sete anos e depois sair batendo como se nunca ali tivesse estado. Eu tenho que partilhar do bônus desse governo, do qual o meu partido é aliado de primeira hora. Eu me elegi senadora nesse campo e não posso dizer aos que votaram em mim ontem que discordo de tudo o que foi feito, mas eu posso me colocar como alguém que tem propostas e opiniões sobre o governo da Bahia diferentes da do governo”, pontuou.

Lídice contrapôs o discurso hegemônico de polarização da disputa eleitoral entre os dois principais campos políticos do país – liderados por PT e PSDB – ao que chamou de uma tendência natural no Brasil de pluralidade partidária. Defendeu a alternância de poder e criticou as alianças de largo espectro.

“Não é porque o PT é o maior partido e tem a presidente da República e o governador que tem que ser o líder da frente politica e do projeto politico que estabelecemos na Bahia. Eu acho que um projeto politico para ser perene e pra constituir um processo de agregação e de representação simbólica daquilo que o eleitor escolheu tem que abrir espaço dentro da própria frente, e também tem que ter limite, ele não tem que ser um projeto de unanimidade, ele tem que representar valores. Nós temos que atuar na política sabendo que a política tem um caráter pedagógico, que aquilo o que fazemos e dissemos é apreendido pela população como verdadeiro então nós temos que corresponder a isso”, destacou.

Para Lídice, a votação em dois turnos possibilita aos partidos políticos apresentarem-se com seu próprio discurso no primeiro turno, para depois lançarem uma composição de forças dos que pensam mais assemelhadamente.

“A engenharia politica foi modificada e dá espaço para novas composições, as ruas demonstram isso, mas não só as ruas, a vontade popular expressa em muitos momentos, as pessoas ficam cansadas de cenários que ficam estanques e se contrapondo um ao outro sem oferecer alternativas de novos tons políticos”, analisou.

“A Bahia se modernizou e o governo de Wagner contribuiu com isso, mas ele não representa todas as possibilidades de modernização da politica baiana. Há espaço pra novos caminhos e nós queremos provar isso”, finalizou.

Link da entrevista

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106694 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]