Empresários de Conceição do Jacuípe reivindicam implantação de pátio de estacionamento na região pela VIABAHIA, e melhorias no sistema viário

Feira de Santana não está suportando a frota de veículos que passa pelo município, afirma Erick Correa. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Feira de Santana não está suportando a frota de veículos que passa pelo município, afirma Erick Correa. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Feira de Santana não está suportando a frota de veículos que passa pelo município, afirma Erick Correa. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Feira de Santana não está suportando a frota de veículos que passa pelo município, afirma Erick Correa. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)

Um grupo de empresários de Conceição do Jacuípe, reunidos através do Fórum de Recursos Humanos (Fórum de RH), mantiveram contato com a redação do Jornal Grande Bahia para explicitar as dificuldades em desenvolver as atividades do setor industrial e de logística, no município e na Região Metropolitana de Feira de Santana (RMFS).

Em entrevista exclusiva, Erick Correa, gestor da Coopercargo Transportes, empresa ligada ao setor de logística, aborda as dificuldades com escoamento da produção em decorrência de um sistema viário defasado, além de cobrar a instalação de um pátio de parada para estacionamento provisório de caminhões, conforme previsto em recente legislação federal.

Erick avalia que a responsabilidade para implantação do pátio é da VIABAHIA, e que a ausência do equipamento traz sérios prejuízos aos caminhoneiros e ao segmento logístico. O empresário reivindica que o pátio de estacionamento seja implantado em Feira de Santana, ou nos municípios próximos, em decorrência da convergência das rodovias que perpassam a região. Ele também defende uma formação inicial e continuada de motoristas profissionais, em decorrência da escassez destes profissionais.

Confira a entrevista

Jornal Grande Bahia – O que tem a nos dizer sobre os problemas que você identificou ao gerir uma empresa de transportes?

Erick Correa – Feira de Santana cresceu muito, estamos com uma filial aqui há três anos, e a Coopercargo é uma empresa que já está no mercado a mais de trinta anos, porém a gente está percebendo que a empresa e o transportador não estão conseguindo atender os clientes devido a Feira não está suportando a frota de veículos que está vindo para cá.

JGB – Você está dizendo que a estrutura viária na região de Feira de Santana é inadequada?

Erick Correa – Sim. Isso porque a gente transporta muita carga do Sul e Sudeste. Todos os veículos que vão para as regiões do Hordeste precisam passar por Feira de Santana. Os veículos que vão para as grandes capitais como Recife, Fortaleza, Aracajú tem a necessidade de passar por aqui, porém o anel rodoviário da cidade não está atendendo a isso. Em horários de pico tem veículos que ficam duas, três horas para rodar de 10 a 15 Km.

JGB – Que tipo de estrutura, além das melhorias nos sistema viário, são necessárias para o melhor funcionamento do setor de logística?

Erick Correa – Nós precisamos de um pátio decente em condições de uso, para que os motoristas possam parar para abastecer, tomar banho, comer, descansar, e precisa ter segurança.

Por Feira de Santana são transportadas cargas muito valiosas, existem muitos carregamentos de eletroeletrônicos e os veículos ficam parados nos postos de gasolina sem segurança alguma. Ainda assim podemos encontrar postos que exigem consumação mínima, e cobram muito caro pelos serviços, alguns deles chegam a cobrar por um banho cerca de R$ 5. Sendo que existe uma concessionaria de rodovias, que é a VIABAHIA, que deveria dar essa assistência para o motorista.

JGB – Porque a VIABAHIA deveria dar essa assistência?

Erick Correa – Existe uma lei que está entrando em vigor, onde diz que a cada 150 Km em uma rodovia pedagiada deveria ter um ponto de apoio para os motoristas realizarem suas principais necessidades, principalmente de higiene. O motorista que está na estrada tem a necessidade de resolver problemas, de ir ao banco, correio, e todas as outras necessidades que nós temos quando estamos trabalhando. O pátio é para atender as necessidades destes trabalhadores. Hoje em dia, se um motorista estiver parado na estrada ele não tem condições de resolver os problemas, e existe essa necessidade. Por se pagar um pedágio, deveria ser oferecido esse serviço sem nenhum custo a mais para o usuário.

*Além da Coopercargo Transportes, fazem parte do Fórum de RH outras seis empresas, a exemplo da Fortik, Realce, e M.K. Eletrodomésticos. 

*A entrevista foi gravada no dia 22 de outubro de 2013, na sede do Jornal Grande Bahia.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9394 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).