Feira de Santana: moradores da Rua Santiago reivindicam direito histórico ao lugar e criticam construção de escola em rua sem saída

Francisco Otávio Lima Ferreira.
Francisco Otávio Lima Ferreira.
Francisco Ferreira: “Uma das pessoas que assinam a obra é a arquiteta Rita Rebouças, onde ela também é funcionária da prefeitura e trabalha na secretaria de planejamento. Me parece que o público e o privado neste momento estão intrínsecos."
“Uma das pessoas que assinam a obra é a arquiteta Rita Rebouças, onde ela também é funcionária da prefeitura e trabalha na secretaria de planejamento. Me parece que o público e o privado neste momento estão intrínsecos.”
Construção da Escola Lírio dos Vales traz conflito para a comunidade de moradores da Rua Santiago.
Construção da Escola Lírio dos Vales traz conflito para a comunidade de moradores da Rua Santiago.
A Rua Santiago é de largura estreita, e a maior parte das edificações é do tipo residência térrea.
A Rua Santiago é de largura estreita, e a maior parte das edificações é do tipo residência térrea.
Trabalhadores executam construção da escola Lírio dos Vales.
Trabalhadores executam construção da escola Lírio dos Vales.
Arquiteta Rita Rebouças assina a obra.
Arquiteta Rita Rebouças assina a obra.

Francisco Otávio Lima Ferreira, morador da Rua Santiago, Bairro Parque Getúlio Vargas, em Feira de Santana, revela em nome da comunidade as apreensões e angustias com relação à perda da qualidade de vida que os moradores passarão a ter com a possível conclusão da construção da escola Lírio dos Vales. O empreendimento está sendo erguido em uma rua sem saída, de largura estreita, onde a maior parte das edificações é do tipo residência térrea.

“A escola está sendo construída numa área extremamente residencial, numa rua sem saída. Não há como construir um prédio de quatro pavimentos para colocar possivelmente trezentos alunos e inviabilizar os moradores de trafegar com seus veículos. Está é uma obra acintosamente mal panejada, é inacreditável como os poderes públicos autorizarem o início da obra.”, explica Francisco Ferreira.

Os moradores reivindicam o direito histórico ao lugar, bem como o direito a qualidade de vida, que, na avaliação deles, será duramente afetada com a conclusão do empreendimento. Tendo em vista que nos horários da manhã e almoço o trânsito de veículos na Rua Santiago será ampliado substancialmente. Ferreira destaca o fato da rua possuir graves deformidades com relação ao pavimento, atribuindo as deformidades ao elevado trânsito de veículos pesados que fornecem matérias para a construção da escola.

Ministério Público

Francisco Ferreira também revela que o grupo de moradores ingressou com representação junto ao Ministério Público com objetivo de embargar a construção. Ele explica que a inciativa foi positiva, pois conseguiram a paralisação judicial da obra. Mas, perceberam que mesmo embargada, com os portões fechado, trabalhadores davam continuidade à construção, afirmando que as obras “foram retomadas as escondidas com os portões fechados”.

Funcionária da PMFS

Outro aspecto que traz grave preocupação com relação ao nível de isenção da Prefeitura Municipal de Feira de Santana, é o fato de uma funcionária concursada do poder outorgante da licença de construção assinar o projeto arquitetônico.

“Uma das pessoas que assinam a obra é a arquiteta Rita Rebouças, onde ela também é funcionária da prefeitura e trabalha na secretaria de planejamento. Me parece que o público e o privado neste momento estão intrínsecos. Ela, como funcionaria pública, não podia assinar uma obra que já estava embargada pela prefeitura, é muito estranho. Não estou dizendo que existe absolutamente nada de imoral, o que estou dizendo é que essa postura é no mínimo antiética.”, explicita Francisco Ferreira.

Temerosos

Refletindo sobre o sentimento da comunidade, Francisco finaliza declarando: “A comunidade está temerosa. Acredito que a palavra mais apropriada para definir a situação é temor. Numa rua residencial com apenas trinta casas, sem comércio algum, sem saída e um colégio de quatro pavimentos sendo construído neste local, isso é inviável.”.

Confira a versão da direção da escola Lírio dos Vales

Feira de Santana | Localizada na Rua Santiago, construção da escola Lírio dos Vales é defendida pela direção da empresa

Baixe a documentação

Documentação PMFS e Ministério Público.

Leia +

Feira de Santana: moradores da Rua Santiago estão indignados com construção do Colégio Lírios dos Vales

Feira de Santana: sem planejamento urbano e fiscalização adequada município está sujeito a esdrúxulas ideias e conflito comunitário

Feira de Santana: moradores da Rua Santiago reivindicam direito histórico ao lugar e criticam construção de escola em rua sem saída

Entrevista: Líder do governo na Câmara de Feira de Santana, Carlito do Peixe diz que secretário deve ter ação enérgica na fiscalização

Moradores da Rua Santiago apelam ao presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana e ao Líder do Governo para solucionar problema de ‘construção indevida’

Feira de Santana: moradores da Rua Santiago ingressam com representação no INEMA, e SEDUR é notificada pelo Ministério Público sobre construção de escola

Feira de Santana: localizada na Rua Santiago, construção da escola Lírio dos Vales é defendida pela direção da empresa

Feira de Santana: construção da Escola Lírio dos Vales está com alvará suspenso, afirma secretário Pinheiro

*A entrevista foi concedida com exclusividade ao Jornal Grande Bahia no dia 24 de outubro de 2013.

Confira as imagens da reportagem

Loading Images
wpif2_loading
Arquiteta Rita Rebouças assina a obra.
Construção da Escola Lírio dos Vales (2)
Construção da Escola Lírio dos Vales.
Francisco Otávio Lima Ferreira (2)
Francisco Otávio Lima Ferreira
Francisco Otávio Lima Ferreira.
Residências na Rua Santiago, em Feira de Santana.
Rua Santiago, em Feira de Santana
Trabalhadores executam construção da escola Lírio dos Vales.
Abaixo-assinado dos moradores da Rua Santiago.
Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9299 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).