Feira de Santana: sem planejamento urbano e fiscalização adequada município está sujeito a esdrúxulas ideias e conflito comunitário

Vereador Reinaldo Miranda (Ronny) critica classe empresarial e propõe ideia esdrúxula. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Vereador Reinaldo Miranda (Ronny) critica classe empresarial e propõe ideia esdrúxula. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Vereador Reinaldo Miranda (Ronny) critica classe empresarial e propõe ideia esdrúxula. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Construção do Colégio Lírio dos Vales na Rua Santigo traz intranquilidade para moradores. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Construção do Colégio Lírio dos Vales na Rua Santigo traz intranquilidade para moradores. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Marialvo Barreto: "A Câmara de Feira de Santana aprovou uma lei esdrúxula, sob a pressão e “mimo” de donos de bares, permitindo o uso das calçadas, desde que fique livre para o pedestre 1,5 metros.". (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Marialvo Barreto: “A Câmara de Feira de Santana aprovou uma lei esdrúxula, sob a pressão e “mimo” de donos de bares, permitindo o uso das calçadas, desde que fique livre para o pedestre 1,5 metros.”. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)

O vereador Reinaldo Miranda Vieira Filho (Ronny, PSDB) propôs através de Lei Municipal a limitação para construção de edifícios em Feira de Santana em 10 andares, cerca de 30 metros. A ideia do vereador é uma das muitas ações do legislativo que contribuem para o crescimento desordenado do espaço urbano.

Em entrevista exclusiva ao Jornal Grande Bahia, Ronny defende o projeto de Lei que limita a construção dos prédios, argumentando que ouviu técnicos em planejamento urbano durante audiência pública. Ele reconhece que não existe, no meio técnico, consenso sobre o assunto, e criticou a categoria dos empresários afirmando: “nós entendemos que quando se trata dos empresários de Feira de Santana, nenhum empresário está preocupado com o crescimento e ordenamento da cidade. Estão preocupados com o crescimento da conta bancária.”.

O projeto do vereador, por pressões da classe empresarial, foi parar no limbo do esquecimento. É importante destacar um aspecto, o vereador não se encontra sozinho ao tentar ‘projetar Feira de Santana para o futuro’, além dele, a maioria dos colegas, em primeira votação, aprovou o projeto.

Desprovidos de uma formação intelectual mais densa e profunda, os vereadores feirenses, em sua maioria, agem com descaso e irresponsabilidade no tocante as mais relevantes questões sociais do município. Não é preciso competências ou credenciais especiais para perceber como o espaço urbano tem sido violentado, e o conceito de cidadania tem sido posto de lado. Ronny apenas acrescentou mais um elemento à incompetência com a qual a cidade de Feira de Santana tem sido legislada, gerida, planejada, e fiscalizada.

Conflito comunitário

Para acrescentar exemplo prático à questão dos problemas que a comunidade de Feira de Santana enfrenta, é observada a crise instalada junto aos moradores da Rua Santiago e o empreendimento Colégio Lírio dos Vales. A construção de um prédio de quatro pavimentos em uma rua sem saída, e conformada por residências tipo casa, não apenas causou desequilíbrio do espaço urbano, como traz intranquilidade para a comunidade.

Os moradores ingressaram com representação junto ao Ministério Público Estadual, questionado como a prefeitura de Feira de Santana instala um empreendimento comercial em uma rua residencial. Além disto, afirmam com justa razão, que o impacto de veículos na rua será significativo, trazendo incômodo para a vida privada da comunidade. O que se observa é que o direito histórico ao lugar é simplesmente suprimido pela Prefeitura de Feira de Santana, com objetivo de atender interesses comerciais imediatos.

Geógrafo critica

Quando se trata de ideias estapafúrdias a comunidade reage. Coube ao ex-vereador e geógrafo Marialvo Barreto comentar sobre a atuação dos ex-colegas, no tocante a criação de Leis que visam regular o espaço urbano:

“A Lei Municipal de Feira de Santana que autoriza o uso das calçadas é ilegal, fere a legislação federal e gera efeitos negativos para a qualidade de vida da população residente.”

A voz de Marialvo apenas constata uma obviedade, os vereadores feirenses se tornaram usurpadores do interesse da comunidade, deixando de lado o bem comum.

Cidade violentada

O resultado de promíscuos interesses, incompetência intelectual, e má gestão são visivelmente percebidos nas ruas de Feira de Santana. Local onde os conceitos de cidadania e comunidade são postos de lado, sempre com o objetivo de privilegiar escusos interesses imediatos. O resultado é uma cidade desorganizada, e uma sociedade violentada nos direitos fundamentais.

Leia +

Feira de Santana: moradores da Rua Santiago estão indignados com construção do Colégio Lírios dos Vales

Feira de Santana: sem planejamento urbano e fiscalização adequada município está sujeito a esdrúxulas ideias e conflito comunitário

Feira de Santana: moradores da Rua Santiago reivindicam direito histórico ao lugar e criticam construção de escola em rua sem saída

Entrevista: Líder do governo na Câmara de Feira de Santana, Carlito do Peixe diz que secretário deve ter ação enérgica na fiscalização

Moradores da Rua Santiago apelam ao presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana e ao Líder do Governo para solucionar problema de ‘construção indevida’

Feira de Santana: moradores da Rua Santiago ingressam com representação no INEMA, e SEDUR é notificada pelo Ministério Público sobre construção de escola

Feira de Santana: localizada na Rua Santiago, construção da escola Lírio dos Vales é defendida pela direção da empresa

Feira de Santana: construção da Escola Lírio dos Vales está com alvará suspenso, afirma secretário Pinheiro

 

Confira o áudio da entrevista

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9368 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).