Presidente da OAB/BA, Luiz Viana Queiroz declara: “situação é grave, e a crise é profunda”. Confira entrevista exclusiva

Alberto Coelho (Beto Coelho), conselheiro da OAB; Pedro Mascarenhas, presidente da OAB/Feira de Santana; Fernando Oliveira, advogado criminalista e Luiz Viana Queiroz, Presidente da OAB/BA, durante os protestos em Feira de Santana.
Alberto Coelho (Beto Coelho), conselheiro da OAB; Pedro Mascarenhas, presidente da OAB/Feira de Santana; Fernando Oliveira, advogado criminalista e Luiz Viana Queiroz, Presidente da OAB/BA, durante os protestos em Feira de Santana.
Alberto Coelho (Beto Coelho), conselheiro da OAB; Pedro Mascarenhas, presidente da OAB/Feira de Santana; Fernando Oliveira, advogado criminalista e Luiz Viana Queiroz, Presidente da OAB/BA, durante os protestos em Feira de Santana.
Alberto Coelho (Beto Coelho), conselheiro da OAB; Pedro Mascarenhas, presidente da OAB/Feira de Santana; Fernando Oliveira, advogado criminalista e Luiz Viana Queiroz, Presidente da OAB/BA, durante os protestos em Feira de Santana.
Luiz Viana Queiroz durante protestos em Feira de Santana.
Luiz Viana Queiroz durante protestos em Feira de Santana.

Advogados e representantes da categoria em âmbito estadual e federal participaram dos protestos, hoje (17/09/2013), em Feira de Santana. Na oportunidade o diretor e editor do  Jornal Grande Bahia entrevistou com exclusividade o presidente estadual da OAB-BA, Luiz Viana Queiroz.

Jornal Grande Bahia – Como o senhor avalia este momento em que a categoria, como poucas vezes foi visto, vem às ruas protestar?

Luiz Viana Queiroz – Eu faço uma avaliação muito positiva. A OAB de Feira de Santana, sob a liderança de Dr. Pedro Mascarenhas demonstrou uma capacidade de articulação grande, os advogados e as advogadas vieram às ruas, receberam o apoio da sociedade política, da câmara de vereadores da assembleia legislativa, da câmara dos deputados federais e apoio da sociedade civil, através de inúmeras instituições, do sindicato dos serventuários, da associação dos magistrados.

JGB – Quais são os principais pontos de demandas da categoria?

Presidente Luiz Viana – Mais juízes, mais serventuários e melhor estrutura de funcionamento do Fórum Filinto Bastos.

JGB – Por que a justiça da Bahia é tão criticada em âmbito nacional, com relação principalmente a outros estados da federação?

Luiz Viana – Porque o trabalho é muito ineficiente. Nós vivemos o resultado do processo de sucateamento que ocorre há 20 anos. O judiciário não tem recebido os recursos financeiros que necessita. Então não tem juízes, funcionários e estrutura. Só para ter uma ideia, a desembargadora da capital disse que falta, na Bahia, 300 juízes e 10 mil serventuários, não tem como funcionar com uma estrutura assim.

Ontem, foram admitidos 98 novos juízes, o que é uma coisa muito importante. Mas esse grande esforço para contratar esses 98 não vai suprir 1/3 da necessidade. Portanto vocês vejam que a situação é grave, e a crise é profunda.

JGB – Presidente Luiz Viana, quantas vezes o senhor esteve em Feira de Santana, e o porquê de suas visitas?

Luiz Viana – Eu já estive como presidente da OAB-BA pela quinta vez, e nós estamos aqui sempre pela importância de Feira de Santana, seja como comarca, seja como subseção da OAB/BA, e pela importância dos advogados e advogadas da região.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9613 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).