Presidenta Dilma Rousseff sanciona Lei que garante mais recursos para educação e saúde

Cerimônia de sanção da lei que destina recursos dos royalties do petróleo para educação e saúde, no Palácio do Planalto. Na foto, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, a presidenta Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
Cerimônia de sanção da lei que destina recursos dos royalties do petróleo para educação e saúde, no Palácio do Planalto. Na foto, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, a presidenta Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
Cerimônia de sanção da lei que destina recursos dos royalties do petróleo para educação e saúde, no Palácio do Planalto. Na foto, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, a presidenta Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
Cerimônia de sanção da lei que destina recursos dos royalties do petróleo para educação e saúde, no Palácio do Planalto. Na foto, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, a presidenta Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

A lei que destina 75% dos royalties do petróleo para a educação e 25% para a saúde foi sancionada ontem (09/09/2013) pela presidenta Dilma Rousseff. Apesar de o texto ter contrariado a proposta original do governo, que destinava apenas os rendimentos do Fundo Social do pré-sal às duas áreas, a sanção da lei vai ser feita em uma cerimônia especial no Palácio do Planalto com a presença de estudantes, representantes de entidades das áreas de educação, saúde e autoridades.

A expectativa pelas declarações de Dilma no primeiro programa Café com a Presidenta depois da aprovação da proposta no Congresso é a de que a lei seja sancionada sem vetos. “Nossos senadores e deputados aperfeiçoaram e votaram a proposta que sempre defendi e que meu governo enviou ao Congresso, para que as riquezas do petróleo, que são finitas e um dia acabam, sejam investidas em educação. Ao garantir esses recursos para a educação, estamos dando um passo decisivo para realizar o compromisso com o presente e com o futuro do país e deixar um grande legado às novas gerações de brasileiros e de brasileiras”, comemorou Dilma à época.

Pelo texto, a aplicação de 50% dos recursos do Fundo Social vai para saúde e para educação até que se cumpra a meta de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação do Plano Nacional de Educação (PNE). Pelo projeto, a expectativa é que, em até 15 anos, os rendimentos obtidos pelo fundo sejam suficientes para cumprir as metas do PNE e da saúde. A mudança, no entanto, vale apenas para os novos contratos da União. Os campos em atividade, que permaneceram controlados pelos governos estaduais, ficaram fora da proposta.

O presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), comemorou o convite para participar da sanção da lei. “Trata-se de uma ótima notícia tanto para a educação quanto para a saúde que, sabemos todos, demandam mais investimentos. Essa foi uma das contribuições do Congresso para melhorar a qualidade dos serviços públicos que nos é cobrada pela sociedade”, disse.

Renan lembrou a que a nova distribuição dos royalties do petróleo faz parte de um esforço do Senado que votou em menos de um mês 40 matérias para atender às reivindicações das ruas. Na lista, que agora depende de votação na Câmara, está a proposta que acaba com a aposentadoria como pena para juízes e promotores condenados por corrupção ou outros crimes, além da que muda os critérios para a escolha de suplente de senador, proibindo o parentesco e da que exige ficha limpa para servidores dos três poderes.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109887 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]