Pré-candidato a deputado estadual Angelo Almeida fala sobre os atritos com o deputado Zé Neto e defende um nome do PT para as eleições majoritárias de 2014

O Jornal Grande Bahia entrevista o ex-vereador feirense Ângelo Almeida que tem formação como odontólogo, é consultor empresarial no setor imobiliário, e militante político do Partido dos Trabalhadores (PT). Durante a entrevista, Almeida fala sobre a trajetória política e a motivação em participar das eleições de 2014. Também comenta sobre os atritos que tem com o deputado estadual e líder do governo na AL-BA, Zé Neto, e defende a escolha de Rui Costa para liderar a chapa majoritária ao governo da Bahia nas eleições de 2014.

Confira a entrevista

Jornal Grande Bahia – O motivo do convite para essa entrevista é que o seu nome aparece como um dos nomes como pré-candidato a deputado estadual pelo PT. Nesse momento em que a política e os políticos passam por uma certa crise, o que lhe motiva a continuar na vida pública?

Angelo Almeida – A perspectiva de que através da política possamos utilizar os instrumentos de transformação da sociedade. Não podemos negar a nós mesmo, e a nossa geração essa responsabilidade de buscar acessibilidade aos instrumentos políticos. Portanto a negação da política é um dos piores caminhos. Porque nega enquanto sujeito, enquanto cidadão. Sendo um movimento que vai de encontro, que vai no sentido contrário à necessidade que a sociedade tem, de pessoas que sejam realmente comprometidas, e eu me sinto comprometido.

Eu sou apaixonado pela política há muitos anos, desde bem jovem e me encontrei no partido que mudou e transformou nosso país, que mudou e está transformando o estado da Bahia. Através do processo de política pública de inclusão social, de acolhimento para as pessoas, e de desenvolvimento com sustentabilidade. Tem muita coisa para ser feita, e o que tem para ser feito é preciso que haja pessoas para assumir esses desafios.  Eu sempre fui uma pessoa muito afeita ao diálogo, à busca do entendimento e atingi meus objetivos.

Então estou em um caminho que é um caminho sem volta. Não me vejo mais fora da política, me vejo a cada dia mais dentro dela. Estou feliz comigo mesmo por estar fazendo parte dessa quadra da vida dos brasileiros, esse momento novo onde a juventude passa a ter um protagonismo, a partir dos movimentos que tivemos em junho de 2013. Eu me sinto a cada dia mais convocado e mais estimulado a militar na política.

JGB – Você deixou o mandato de vereador muito bem avaliado, um dos candidatos que você apoiou foi um mais votado, que foi o vereador Pablo, aqui em Feira de Santana. Informações que chegam até o jornal apontam que a sua liderança também cresceu muito em regiões da Bahia, não apenas em Feira de Santana. Você efetivamente se coloca com pré-candidato a deputado estadual, por que a escolha dessa candidatura, e também por que a escolha do Partido dos Trabalhadores (PT)?

Angelo Almeida – Ao longo da vida, eu passei pelo PMN (Partido da Mobilização Nacional), foi o primeiro partido que eu me filiei, através da solicitação do meu pai, no ano de 1992, eu não tinha ainda nenhuma filiação, num processo de ajuda ao meu pai, porque ele tinha assumido a presidência do partido PMN (sob a liderança de João Durval).

Logo depois o deputado Sérgio Carneiro me fez o convite, e eu fui para o PDT, (Partido Democrático Trabalhista). Militei quase 15 anos no PDT, fui presidente em duas oportunidades. Mas chegou o momento em que a minha relação com este partido se exauriu. Fiz a campanha em 2006 para deputado estadual que foi muito mais um processo de aprendizado de conhecimento da política da Bahia, e fui preterido em todos os sentidos. Não me deram a chance, nem se quer a condições de fazer a gravação por rádio, e aquilo de certa forma afastou. Houve um desencanto com o PDT e eu resolvi sair do partido.

Fiquei um tempo a procura, e tentando me encontrar com um partido que fosse referencial. Eu tinha feito a campanha em 2006 apoiado o Governador Wagner, e o presidente Lula e fui convidado novamente por Sérgio Carneiro para ingressar no PT. Ele, tinha algum tempo, que estava lá. E confesso a você que foi um trabalho, primeiro de conhecimento mais aprofundado do partido, que conhecia pouco, sabia das suas qualidades, mais me aprofundei e busquei fazer relações e construir pontes para me firmar dentro do partido.

Graças a Deus logo tive o primeiro mandato (vereador pelo PT de Feira em 2007/2008). Um mandato buscando interagir com os movimentos sociais, buscando defender as bandeiras desse partido, através das ações populares, na perspectiva de políticas públicas de afirmação e inclusão social e para isto é preciso debater e discutir muito com os sindicatos, com os meios sociais e me senti extremamente satisfeito e acolhido pelo PT, da mesma forma que o PT me acolheu, eu também, o acolhi no meu coração e isso me faz construir uma caminhada dentro do PT.

O partido tem passado por novo ciclo, os mais antigos do PT e os próprios fundadores tem 70 anos, e o presidente Lula tem dito que é hora, é o momento do PT renovar. Eu estou fazendo parte desse processo de renovação do PT. Inclusive estimulando, como estimulei com mandato a presença de jovens talentos, a atração deles para o PT de Feira de Santana, é a minha contribuição, que posso dar e estou dando.

JGB – A sua pré-candidatura a deputado estadual, terminou gerando uma certa animosidade entre com o líder do governo Wagner, deputado estadual Zé Neto, uma forte liderança em Feira e dentro do partido. O que está acontecendo na relação entre os senhores?

Angelo Almeida – O deputado Zé Neto é um político consagrado. Tem uma carreira política que é digna de reconhecimento e de elogios, primeiro porque ele é um político que construiu três candidaturas a prefeito de Feira de Santana pelo Partido dos Trabalhadores, tem quatro mandatos como deputado estadual.

O que acontece a nível político entre nós, eu penso que é pequeno em relação a tudo que nós podemos fazer por Feira de Santana estando os dois na assembleia legislativa. Um atrito aqui, outro ali, não é relevante à grandeza que será para Feira de Santana. Modéstia parte, logo que tanto eu, quanto ele, temos a oportunidade de representar essa cidade e todo o nosso território na assembleia legislativa propondo políticas públicas e defendendo principalmente a bandeira do nosso partido.

O PT é o maior partido desse país, é o maior partido da Bahia. O PT muda em 33 anos o perfil da política brasileira com todos os seus defeitos, com todos os erros que todos nós cometemos e que diversos companheiros cometeram. Mas é um partido que tem identidade, que tem vocação permanente para trabalhar a valorização das pessoas, do ser humano, do cidadão e da cidadã. Isso é maior do que a disputa, é maior do que qualquer possível intriga que exista entre nós.

Todos somos soldados do partido, e hoje, ele também é um soldado do partido, e estamos caminhando. Uma vez ou outra agente se bate, depois a gente procura se entender, isso é natural, a política é assim mesmo.

JGB – Estamos terminando a entrevista, mas antes gostaria de falar um pouco sobre sucessão estadual. Um dos nomes mais cotados dentro do Partido dos Trabalhadores como pré-candidato ao governo do estado em 2014 seria o Rui Costa, que é o chefe da Casa Civil e deputado federal licenciado, no entanto o nome do senador Walter Pinheiro, também é bastante lembrado para disputar a eleição. Como é que você vê esse processo, uma vez que parece que o PT ainda não pacificou o nome do candidato ao governo do estado?

Angelo Almeida – Primeiro o PT tem o privilégio de ter quatro nomes disputando a oportunidade de liderar o processo de desenvolvimento da Bahia, substituindo o governador com tanta qualidade do ponto de vista do diálogo, da forma como o governador Jaques Wagner governa. Diferente de muitos políticos, muitos inclusive que passaram pela Bahia, o governador Jaques Wagner consegui ser diferente. Com todas as dificuldades que ele enfrenta e ele dá a Bahia hoje, pela capacidade de diálogo a nível nacional, ele coloca a Bahia em posições privilegiadas na condução de projetos estruturantes e importantes. também faz inclusão social, como nunca se fez e saneamento básico, hospitais, enfim, substituir o governador Wagner não é fácil.

Quanto à escolha, eu sou um pouco pragmático na minha caminhada política, acho que são quatro bons nomes. Agora, o PT deve apresentar um candidato que tenha um perfil a ser descoberto pelo eleitor, o candidato Rui Costa, por exemplo, é jovem, é conhecido no ramo da política, mas ele não é um candidato conhecido do cidadão e da cidadã comum, e a apresentação desse nome no processo de transformação, no processo de remodelagem que o PT precisa passar, faz do Rui Costa o melhor candidato. Pelas tarefas que ele assumiu a partir do primeiro governo Wagner, os desafios que ele enfrentou, com tantas críticas que ele foi submetido e ele jamais se abateu nas críticas, e ele tem um desempenho hoje à frente da chefia da Casa Civil que dá a ele um conhecimento profundo do que acontece em cada canto desse estado.

O PT vai discutir logo após o PED (processo de Eleições Diretas do PT em 10 de novembro), balizado através de pesquisas, de cenários que vão ser analisados, o nome a ser anunciado como o nosso pré-candidato pelo PT. Penso que tenho relação com todos, todos são dignos. O senador Walter Pinheiro ele é muito acima da média, a gente que acompanha a política está vendo em Brasília a forma e o talento com que Pinheiro vem desenvolvendo o trabalho, dando muito orgulho a todos nós que votamos nele, aqui, na Bahia. Mas por ter essa especificidade de representar um processo de renovação do partido, a cara nova do partido no estado, eu acredito que o companheiro Rui Costa pelas qualidades que ele tem deva ser o nosso candidato, e para mim é o melhor candidato.

Confira o áudio da entrevista

Angelo Almeida: "O deputado Zé Neto é um político consagrado. Tem uma carreira política que é digna de reconhecimento e de elogios, primeiro porque ele é um político que construiu três candidaturas a prefeito de Feira de Santana pelo Partido dos Trabalhadores, tem quatro mandatos como deputado estadual.". (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Angelo Almeida: “O deputado Zé Neto é um político consagrado. Tem uma carreira política que é digna de reconhecimento e de elogios, primeiro porque ele é um político que construiu três candidaturas a prefeito de Feira de Santana pelo Partido dos Trabalhadores, tem quatro mandatos como deputado estadual.”. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Angelo Almeida: "O partido tem passado por novo ciclo, os mais antigos do PT e os próprios fundadores tem 70 anos, e o presidente Lula tem dito que é hora, é o momento do PT renovar.". (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Angelo Almeida: “O partido tem passado por novo ciclo, os mais antigos do PT e os próprios fundadores tem 70 anos, e o presidente Lula tem dito que é hora, é o momento do PT renovar.”. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Angelo Almeida: "Então estou em um caminho que é um caminho sem volta. Não me vejo mais fora da política, me vejo a cada dia mais dentro dela.". (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Angelo Almeida: “Então estou em um caminho que é um caminho sem volta. Não me vejo mais fora da política, me vejo a cada dia mais dentro dela.”. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9151 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).