Família de deputado baiano cassado pela ditadura revela história de perseguição

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Joviniano Neto faz perguntas ao ex-deputado cassado no regime militar na Bahia.
Joviniano Neto faz perguntas ao ex-deputado cassado no regime militar na Bahia.
Joviniano Neto faz perguntas ao ex-deputado cassado no regime militar na Bahia.
Joviniano Neto faz perguntas ao ex-deputado cassado no regime militar na Bahia.

Cassado pelo Ato Institucional Nº 5 (AI-5), quando era deputado estadual na Bahia, Marcelo Ferreira Duarte Guimarães esteve, junto com sua família, na manhã desta quarta-feira (11/09/2013), na Comissão Especial da Verdade da Assembleia Legislativa para narrar o que aconteceu durante sua cassação no período da ditadura militar. O ex-parlamentar destacou a importância da devolução do mandato e revelou a perseguição sofrida. “Resgatar essa história pela comissão da verdade representa a restauração das injustiças, ou seja, evitar que as injustiças prosperem. Agora estão tirando da história os erros que aqueles procedimentos truculentos nos inseriram”, completa o ex-deputado.

Mesmo não passando por tortura física, todos os familiares presentes se emocionaram ao lembrar dos atos reacionários que aconteceram durante a prisão do membro do MDB, no dia 13 de março de 1969. Essa foi a primeira oitiva comandada pelos presidentes das comissões da Verdade do Estado e da Assembleia, Joviniano Neto e o deputado Marcelino Galo (PT), autor do projeto de resolução que solicita a devolução dos mandatos para os parlamentares cassados. “Gravamos os depoimentos e vamos formular um documento para auxiliar outras comissões a resgatar a verdadeira história para a sociedade. A intenção é cumprir um cronograma de acordo com a disponibilidade dos envolvidos, neste caso dos quatro ex-deputados cassados que estão vivos e familiares de nove que faleceram para terem esse reconhecimento da sociedade”, pontua Galo.

Os familiares do ex-deputado destacaram ainda que foram perseguidos por um político já falecido, que evitaram falar o nome, por irem de encontro aos ideais dele. “Ele não gostava que ninguém contestasse o que fazia na política. Cutucou tanto, até que Marcelo foi cassado. Ficamos num ostracismo completo e absoluto com a perda do mandato forjado nos movimentos estudantis. Quando eu telefonei pra o presidente da Assembleia, na época, pra dizer que Marcelo havia sido preso, ele disse que não tinha nada a ver com isso, porque ele não havia sido preso na Assembleia”, declara emocionada Amália Duarte.

Já a filha de Marcelo Duarte, Lucilia Duarte, revela que o avô foi preso no lugar de seu pai. “Quando chegou ao camburão é que viram que não era meu pai e fizeram a troca. Depois a família inteira ficou em prisão domiciliar, não podíamos sair dali pra nada”. O filho Nestor Duarte, atual secretário da Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), disse que a Comissão da Verdade cumpre um papel histórico extremamente importante e significativo de reconstituir a verdade dos fatos. “Foi um período extremamente duro porque meu pai não fez nada, estava ali defendendo um mandato, professor de direito, intelectual, de tradição familiar política e de uma hora pra outra vai preso como se fosse um bandido”.

Os 13 deputados que foram cassados pelo regime militar na Bahia são Marcelo Ferreira Duarte Guimarães; Sebastião Augusto de Souza Nery; Wilton Valença da Silva; Luiz Leal; Diógenes Alves; Ênio Mendes de Carvalho; Hamilton Saback Cohim; Luiz da Silva Sampaio; Osório Cardoso Villas Bôas; Aristeu Nogueira; Octávio Rolim, Oldack Neves e Padre Palmeira.

Sobre Carlos Augusto 9652 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).