CPI da Espionagem no Senado vai envolver organismos internacionais, diz senador Walter Pinheiro

Walter Pinheiro: “Fui o primeiro parlamentar brasileiro, ao final da década de 90 e início dos anos 2000, a denunciar o pacto promovido pela Inglaterra e pelos Estados Unidos".
Walter Pinheiro: “Fui o primeiro parlamentar brasileiro, ao final da década de 90 e início dos anos 2000, a denunciar o pacto promovido pela Inglaterra e pelos Estados Unidos".

A divulgação de mais documentos relacionados à denúncia de espionagem do governo dos Estados Unidos envolvendo a presidenta Dilma Rousseff teve ampla repercussão entre os senadores, que agendaram para ontem (03/09/2013) a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o caso.

O senador Walter Pinheiro (PT-BA), membro titular da CPI,  já havia alertado, antes mesmo das recentes denúncias, que a espionagem era uma realidade e a apuração deve, inclusive, envolver organismos internacionais, “para que, de uma vez por todas, essa apuração tenha encaminhamento. Se faz necessário não só coibir, como também punir duramente aqueles que praticaram, ao longo dos anos, uma verdadeira espionagem não só do ponto de vista de governos, como do ponto de vista inclusive da invasão da privacidade de milhares de cidadão em diversos países”, enfatizou o senador.

Em contato com a redação, Pinheiro também chamou a atenção para precedentes e lembrou do acordo de cooperação entre os Estados Unidos e a Inglaterra que teria vinculação com espionagem. “Fui o primeiro parlamentar brasileiro, ao final da década de 90 e início dos anos 2000, a denunciar o pacto promovido pela Inglaterra e pelos Estados Unidos, conhecido no mundo inteiro como Ukusa, ou seja, United Kingdom mais USA, que gerou a instalação de uma base de dados chamada Echelon, fixada originalmente inclusive na Inglaterra. Depois disso, com um plano de cooperação com a Austrália, a Nova Zelândia e o Canadá, todos voltados para promover a espionagem em larga escala mundo afora”, lembrou.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9377 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).