Servidores das universidades baianas apresentam lista de reivindicações em audiência na ALBA

Servidores técnicos das quatro universidades estaduais da Bahia apresentaram lista de reivindicações durante audiência na AL-BA.
Servidores técnicos das quatro universidades estaduais da Bahia apresentaram lista de reivindicações durante audiência na AL-BA.

Servidores técnicos das quatro universidades estaduais da Bahia apresentaram uma lista de reivindicações, durante audiência pública nesta manhã (26/08/2013), promovida pela Comissão de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Serviço Público da Assembleia Legislativa.

As cobranças incluem pagamento imediato dos 3,84% retroativos a janeiro, que foram suprimidos do reajuste salarial; inclusão no plano de cargos e salários dos auxiliares e técnicos administrativos relotados nas universidades estaduais; regulamentação do plano de carreira, que os trabalhadores afirmam estar ignorado desde 2009; reajuste do salário com ganho real; reajuste do auxílio alimentação e celeridade nos pedidos de aposentadoria.

O deputado estadual Carlos Geilson (PTN) lembrou que a oposição votou contra o suprimimento dos 3,84%, mas foi vencida pela bancada do governo que é maioria. “O governo passou um rolo compressor argumentando que houve acordo com representantes dos senhores e muitos ficaram revoltados quando eu disse na Tribuna que foi um acordo de pelegos”, frisou.

Disse ainda que o governador não cumpriu uma promessa de campanha e ao questionar quem se elegeu prometendo pagar a Unidade Real de Valor (URV) teve como resposta em coro: “Jaques Wagner”. “Na área da saúde, que não tem mais para quem apelar, o governo recorreu à justiça para não pagar. O vale refeição está há dez anos congelado e para aposentar o servidor, o governo fica ganhando tempo, massacrando. Por questões como essas, as reivindicações feitas por vocês são mais que justas”, assinalou.

Geilson também criticou a afirmação do líder do governo José Neto (PT) durante a audiência de que não foi procurado pelos trabalhadores presentes em nenhum momento, sendo que o Plano de Cargos e Salários dos Servidores é de 2009. “De lá para cá, foi guardado em uma gaveta e agora querem empurrar goela abaixo sem discutir”, pontuou.

De acordo com Paulo Roberto Santos, presidente do Fórum de Reitores das Universidades Estaduais, sem a regulamentação do plano de carreira os servidores não tem progressão. Ele se pronunciou representando os reitores da Universidade Estadual de Feira de Santana, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Universidade Estadual de Santa Cruz e Universidade do Estado da Bahia, também presentes.

Servidores técnicos das quatro universidades estaduais da Bahia apresentaram lista de reivindicações durante audiência na AL-BA.
Servidores técnicos das quatro universidades estaduais da Bahia apresentaram lista de reivindicações durante audiência na AL-BA.
Sobre Carlos Augusto 9514 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).