MPL cobra demandas em audiência na Alba e deputado quer avanço de reformas

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Marcelino Galo: “O governo é parte disso, existe ainda os interesses de classes que são violentos. A partir de agora vamos avançar para a reforma tributária, pois esse dinheiro vai ter que vir de algum lugar para pagar o custo do transporte para os trabalhadores”.
Marcelino Galo: “O governo é parte disso, existe ainda os interesses de classes que são violentos. A partir de agora vamos avançar para a reforma tributária, pois esse dinheiro vai ter que vir de algum lugar para pagar o custo do transporte para os trabalhadores”.
Marcelino Galo: “O governo é parte disso, existe ainda os interesses de classes que são violentos. A partir de agora vamos avançar para a reforma tributária, pois esse dinheiro vai ter que vir de algum lugar para pagar o custo do transporte para os trabalhadores”.
Marcelino Galo: “O governo é parte disso, existe ainda os interesses de classes que são violentos. A partir de agora vamos avançar para a reforma tributária, pois esse dinheiro vai ter que vir de algum lugar para pagar o custo do transporte para os trabalhadores”.

As discussões a respeito do transporte coletivo na Região Metropolitana de Salvador (RMS) continuam como pauta principal do Movimento Passe Livre (MPL). Na tarde desta quinta-feira (08/08/2013), cerca de 300 manifestantes reuniram-se no auditório da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), para uma audiência pública que debateu as questões relacionadas à carta entregue ao governador Jaques Wagner e que possui um conjunto de reivindicações que dizem respeito, prioritariamente, ao governo do Estado – no que se refere às questões de mobilidade.

O deputado estadual petista Marcelino Galo acompanhou a audiência e ressaltou a necessidade de se trabalhar outros aspectos para melhorar os níveis de transportes públicos na capital baiana.

“O governo é parte disso, existe ainda os interesses de classes que são violentos. A partir de agora vamos avançar para a reforma tributária, pois esse dinheiro vai ter que vir de algum lugar para pagar o custo do transporte para os trabalhadores”, considera. O parlamentar petista sugere a reforma e incorporação das lutas da rua, taxação das grandes fortunas, cobrança de imposto sobre herança, além de taxar os ricos ao invés de onerar o consumo e distribuir para os trabalhadores.

O movimento quer que o tema seja debatido com a sociedade baiana, principalmente com os especialistas e os movimentos interessados em mobilidade. O objetivo é que os interesses populares sejam inseridos nos planos do governo. Dentre a pauta de reivindicações, o movimento solicita a redução da tarifa imediata em decorrência da desoneração da folha de pagamento das empresas de transporte público, além de um debate ampliado sobre as obras da mobilidade urbana na capital, como ciclovias, a Via Expressa e duplicação de grandes avenidas.

Sobre Carlos Augusto 9611 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).