CMFS | Vereadores pedem melhorias em bairros de Feira de Santana e no sistema de saúde

Plenário e galeria da Câmara Municipal de Feira de Santana.
Plenário e galeria da Câmara Municipal de Feira de Santana.
Plenário e galeria da Câmara Municipal de Feira de Santana.
Plenário e galeria da Câmara Municipal de Feira de Santana.

Eremita cobra melhorias para o bairro Caseb

“O Caseb é um bairro penalizado por várias gestões. Desde a época dos ex-prefeitos José Falcão e Colbert Martins que não tem melhorias”. A declaração é da vereadora Eremita Mota (PDT), em discurso proferido na tribuna da Casa da Cidadania, nesta terça-feira (13).

Ela salientou que já residiu no bairro Caseb e que sempre se empenhou para levar melhorias para aquela comunidade, mas infelizmente, de acordo com a vereadora, esse bairro sempre foi desassistido pelo poder público municipal.

No que diz respeito à infraestrutura, Eremita citou várias reivindicações de sua autoria que, segundo ela, não foram atendidas, entre elas, a revitalização das ruas Paraguai, Uruguai, Concórdia, China, Japão, Serrolândia, Saquarema, Nanuque, Pacoti, Ribeirão Preto, Juiz de Fora, Solemar, Serrania, Rance Bahia, Serranópolis e Santos.

A edil informou que, indignados com a situação de abandono, o mês passado, moradores do Caseb fizeram uma manifestação e fecharam ruas para cobrar dos órgãos competentes intervenções nas vias públicas daquele bairro.

Também em seu discurso, Eremita cobrou do Governo Municipal pavimentação asfáltica para a rua das Jazidas, no bairro Brasília.

Pablo Roberto diz que município tem feito “quase nada” na saúde

“A Secretaria Municipal de Saúde não tem dado conta da demanda na área de saúde. O poder público tem feito muito pouco ou quase nada”. A declaração é do vereador petista Pablo Roberto, que ocupou a tribuna da Câmara Municipal nesta terça-feira (13) para contestar o tratamento dado pelo Governo do Município à saúde em Feira de Santana. Ele defendeu a necessidade de reformar e readequar as policlínicas para melhorar o atendimento e denunciou que em algumas unidades não há sequer seringa.

O petista falou também da situação do Hospital Dom Pedro de Alcântara (HDPA), que, segundo ele, cedeu os setores de Cardiologia e Oncologia à iniciativa privada, mas não faz a contrapartida, que é o atendimento de urgência e emergência. “A iniciativa privada vai lá para dentro, ganha o dinheiro e não dá contrapartida nenhuma”, frisou o vereador.

Em defesa do Governo do Estado, Pablo disse que o Município, em momento algum, tem sinalizado com ações mais eficazes. “Culpar o Estado por todos os problemas, não vamos aceitar”, afirmou, acrescentando que mais de 80% dos recursos da saúde vem do Governo Federal.

O líder do governo na Câmara, Carlito do Peixe (DEM), disse que o Estado está falindo a saúde e garantiu que em Feira de Santana o Município está fazendo a sua parte. Já o vereador Marcos Lima ((PRP) afirmou que o dinheiro da saúde está na mão do Governo Federal e ele não repassa. “O Governo do Estado também tem uma fatia grande, mas só pensa na propaganda”, acusou.

Neinha diz que HGCA está com a “porta fechada” para pacientes

Na sessão legislativa desta terça-feira (13/08/2013), a vereadora Neinha (PMN) não mediu palavras para afirmar que “a saúde em Feira de Santana não está nada bonita”, especialmente com relação ao Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), cuja enfermaria do anexo está fechada, enquanto a emergência está superlotada. Ela citou ainda o fato dos pacientes de ortopedia não poderem fazer cirurgias porque não tem material.

“Passei a minha juventude dentro do Clériston para aprender a fazer saúde. Fiz, faço e farei saúde”, disse. Afirmando que não está fazendo palanque, a vereadora falou também da situação dos idosos, geralmente vítimas de queda e fraturas, que ficam deitados em macas duras, sem nenhum conforto, porque não tem leito. “Feira recebe recurso é para alta complexidade”, frisou.

Com relação às policlínicas, ela afirmou que estão superlotadas de pacientes porque não há vaga para internar no Clériston e no Hospital Estadual da Criança. “A referência de UTI Neonatal é o Clériston, mas a porta está fechada”, disse Neinha, acrescentando que “é duro ver uma mulher parir na rua e um hospital com a porta fechada para o paciente de HIV”. Destacando que “médico importado não vai melhorar a saúde”, Neinha disse que “saúde se faz com responsabilidade, amor e atitude”.

David Neto é contra emancipação do distrito de Humildes

Com base em um projeto de Lei Complementar (PLP) 416/08, do Senado, que estabelece regras para a criação, a fusão e o desmembramento de municípios, o maior distrito de Humildes quer se tornar independente. Na sessão da Casa da Cidadania desta terça-feira (13), o vereador David Neto (PTN) se mostrou contrário a proposta.

“Ontem eu recebi um convite para participar de um seminário regional que irá tratar da emancipação de Humildes. Eu sou totalmente contra essa emancipação e contra a realização de um plebiscito com essa finalidade, porque eu acho que Feira tem que crescer mais, e não diminuir”, disse o vereador.

Segundo ele, Humildes está entre os distritos de Feira de Santana mais beneficiados pelo poder público. “Muitas vezes Humildes é mais assistido do que a própria sede de Feira de Santana”, observa.

Ele fez questão de salientar que tem voto em Humildes e defende os interesses daquele distrito. “Eu sou contra a emancipação. Se existem problemas em Humildes, temos que procurar resolvê-los”, pontuou.

Vereador quer o fim do Conselho Municipal de Transporte

O vereador José Carneiro (PSL), em pronunciamento na Casa Legislativa, nesta terça-feira (13), sugeriu ao chefe do Executivo Municipal que acabasse com o Conselho Municipal de Transporte, salientando que o órgão não tem nenhuma utilidade para o município de Feira de Santana.

O edil afirmou que o referido Conselho “foi criado nesta cidade com a melhor das intenções, mas na prática não existe; é um Conselho que serve exclusivamente para referendar os aumentos que os chefes do Executivo deram ao longo dos anos nas tarifas do transporte coletivo de Feira de Santana”.

José Carneiro argumentou que o Conselho Municipal de Transporte não teve nenhuma participação nos estudos técnicos que possibilitaram a redução da tarifa do transporte coletivo urbano da cidade, de 2,50 para R$ 2,35, no último dia 12.

Segundo o vereador, para reduzir o valor da tarifa, o prefeito José Ronaldo se baseou em um estudo realizado por uma comissão formada por técnicos da Prefeitura e da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), com a participação do Ministério Público Federal.

Em sua opinião, José Ronaldo deu uma “demonstração clara que é um prefeito autêntico ao ignorar esse Conselho inoperante, que só existe no papel. Eu queria sugerir o fim imediato do Conselho Municipal de Transporte desta cidade; não tem razão para ele existir”, pontuou.

Presidente da Câmara presta contas e confirma redução de gastos

Em um pronunciamento tranquilo e detalhado, na manhã desta terça-feira (13/08/2013), o presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana, Justiniano França (DEM), prestou contas dos primeiros meses de sua gestão e garantiu que o episódio com o blogueiro Osvaldo Cruz, que denunciou problemas na estrutura física da Casa da Cidadania, está resolvido. Ele falou da redução dos gastos e do concurso público que será realizado para contratação de novos servidores.

“Na administração não podemos ficar olhando para o retrovisor; temos que olhar para frente”, afirmou Justiniano, ao informar que houve um aumento de 13% do duodécimo este ano, com relação a 2012. O repasse feito pelo Executivo, que era no valor de R$ 1.088.586,17 agora é R$ 1.262.150,07. “Só que o salário dos vereadores aumentou em torno de 66%, passando de R$ 9.288,00 para R$ 15.200,00”, comparou.

Só a diferença anual de salário soma R$ 1.489.820,00, mais encargos. O presidente citou ainda aumento nos valores de contratos e da folha de pagamento, já que todos os servidores foram enquadrados no último nível da carreira, na gestão anterior. Destacando que foi tudo feito de forma legal e ninguém teve privilégios, Justiniano lembrou que no início do ano o plenário aprovou mudança na lei e agora essa mudança de referência se dará por tempo de serviço.

“Nosso compromisso é com os servidores, os vereadores e a sociedade”, disse Justiniano, ao falar sobre as medidas de contenção de gastos. O melhor exemplo, segundo ele, é redução do consumo de energia, tanto na Casa da Cidadania como no prédio anexo, onde funcionam os gabinetes dos vereadores. Os gastos de R$ 8.236,67 em dezembro de 2012 diminuíram para R$ 2.294,39 em julho de 2013, uma redução de 82,15%.

Sobre Carlos Augusto 9455 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).