Amatra 5 e Prefeitura de Feira de Santana assinam convênio do TJC

Ao centro, a juíza Andrea Presas.
Ao centro, a juíza Andrea Presas.
Ao centro, a juíza Andrea Presas.
Ao centro, a juíza Andrea Presas.

Com a participação de cerca de 70 professores e coordenadores pedagógicos, foi nesta quinta-feira (01/08/2013) o Programa Trabalho Justiça e Cidadania, na maior cidade do interior do Estado da Bahia. A assinatura do convênio entre a Secretaria de Educação Municipal e a Amatra5 foi realizada durante a abertura do I Seminário de Formação de Multiplicadores do município, pelo prefeito José Ronaldo e a presidente da Amatra5, juíza Andrea Presas.

O prefeito José Ronaldo conclamou todos os educadores presentes que assumam o projeto com muito carinho. ‘ É através da educação e do conhecimento que podemos mudar o destino dos nossos jovens’, ressaltou o gestor municipal. A juíza Dorotéia Azevedo, titular de Vara do Trabalho de Feira e coordenadora local do Programa, agradeceu a parceria com a Secretaria de Educação, do TRT5, MPT, OAB, Fetipa, Setre e SRTE.

Na sua fala, exaltou o papel do educador, que extrapola a tarefa de transmitir conhecimento, mas também o de despertar no estudante a consciência para a cidadania e a ética. ‘Para essa tarefa vocês podem contar com o TJC e com o magistrado do Trabalho. Estamos aqui para passarmos noções fundamentais de Direito, ética e cidadania, no intuito de multiplicarmos esse conhecimento para educadores e estudantes’, pontuou a juíza.

No primeiro dia do seminário a platéia de educadores assistiu palestra de apresentação do Programa proferida pela juíza Rosemeire Fernandes, integrante do Comitê Nacional do TJC. Ela falou da relevante parceria entre a magistratura e o magistério, que na Bahia já beneficiou mais de mil estudantes da rede pública nas cidades de Itapetinga, Porto Seguro e Salvador.

Ressaltou a oportuna intervenção do TJC em Feira de Santana, município que ostenta o pior índice de trabalho infantil no interior da Bahia, com maior incidência em trabalho doméstico e rural. ‘A ideia é que de forma transversal, sejam inseridos nos conteúdos pedagógicos, noções de direitos e deveres do Trabalho. Por isso, nossa proposta é passar esse conhecimento da forma mais simples e didática possível’, declarou a juíza.

Trabalho Infantil – Uma palestra bastante aplaudida foi a do auditor fiscal do Trabalho, Gerson Estrela, que apresentou os impactos do trabalho infantil na saúde da criança e adolescentes.Lembrando a máxima de que “lugar de criança é na escola”, ele apresentou dados de pesquisas feitas em ambulatórios de saúde na Bahia, que demonstram os malefícios para a saúde física e psicológica de uma criança ou adolescente que ainda está em fase de crescimento. Segundo o auditor, as doenças mais comuns detectadas são aquelas relacionadas ao sistema osteomuscular, aparelho respiratório e cardiovascular.

Para o professor Gilvan Torres, chefe da divisão do ensino fundamental da Prefeitura de Feira de Santana, foi uma ótima e oportuna iniciativa dos juízes do trabalho. ‘Acho fundamental que esse programa seja ampliado também para a rede particular. A sociedade precisa desse tipo de movimento, mesmo que sejam pequenos momentos, essa aproximação dos juízes com a sociedade é de grande importância’, avalia o educador.

A desembargadora Léa Nunes fez a palestra de encerramento no primeiro dia do seminário. Com o tema Trabalho Seguro e Saudável, ela explicou os fundamentos básicos das doenças típicas do trabalho, abordou a importância da prevenção de acidentes e o aumento da dependência química como causa dos acidentes de trabalho, sobretudo na construção civil.

Vários magistrados estiveram presentes no primeiro dia do evento. Entre eles, a presidente da Amatra 5, juíza Andrea Presas, além dos juízes Manuela Hermes, Gilber Lima, Júlio Massa, Eliana Carvalho, Nívea Torres, Nadva Nascimento e o desembargador Raymundo Pinto.

Sobre Carlos Augusto 9462 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).