PROTEGE entra com ação pedindo redução da tarifa do transporte coletivo de Feira de Santana

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Magno Felzemburgh diz que Ação Civil Pública é contra a Prefeitura de Feira e as empresas 18 de setembro e Princesinha. (Foto: Carlos Augusto, Jornal Grande Bahia)
Magno Felzemburgh diz que Ação Civil Pública é contra a Prefeitura de Feira e as empresas 18 de setembro e Princesinha. (Foto: Carlos Augusto, Jornal Grande Bahia)
Magno Felzemburgh diz que Ação Civil Pública é contra a Prefeitura de Feira e as empresas 18 de setembro e Princesinha. (Foto: Carlos Augusto, Jornal Grande Bahia)
Magno Felzemburgh diz que Ação Civil Pública é contra a Prefeitura de Feira e as empresas 18 de setembro e Princesinha. (Foto: Carlos Augusto, Jornal Grande Bahia)

Alvo constante de reclamações por parte da população de Feira de Santana, o transporte coletivo no município está sendo alvo de uma ação no sentido de buscar uma redução da tarifa cobrada. A medida é uma iniciativa do Protege – Associação de Defesa e Proteção dos Direitos do Consumidor do Estado da Bahia –  que entrou com uma ação civil pública contra o Município e as empresas de ônibus solicitando a redução da tarifa de R$2,50 para R$2,35. O processo judicial foi iniciado nesta quarta-feira (10), na Vara da Fazenda Pública, que tem como juiz titular o Dr. Roque Ruy Barbosa de Araújo.

Presidente do Protege, o advogado Magno Felzemburgh explica que a ação é contra a Prefeitura Municipal de Feira de Santana e as empresas 18 de Setembro e Princesinha. “A ação solicita a redução para R$2,35 ou no máximo para R$2,40 desde que as empresas repassem para os usuários do transporte a redução do PIS e COFINS dada pelo Governo Federal, pois se não houver repasse, a medida provisória vira lucro para empresários”, destaca.

As más condições dos veículos que compõe o transporte coletivo também são uma justificativa para a ação. “A má prestação do serviço, que vem de muito tempo, também justificam a solicitação de redução da tarifa”, salienta Magno Felzemburgh, lembrando o episódio em que a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) reduziu o valor do pedágio em 50% pago pelos usuários na BR-324, em virtude de uma cratera na rodovia, no sentido Salvador/ Feira de Santana.

A entidade de defesa do consumidor também espera o posicionamento do Ministério Público e do Tribunal de Contas do Município (TCM). “Esperamos a intervenção do Ministério Público no processo e também do TCM, que deve analisar e dar o seu parecer técnico”, afirmou o presidente do Protege.

Além da redução no valor cobrado pela tarifa no transporte coletivo em Feira de Santana, a ação civil pública busca ainda uma nova licitação para empresas de ônibus operarem o transporte na cidade. “Há ainda a determinação que dentro de 60 dias uma nova licitação para o transporte coletivo urbano seja realizada”, informa.

Saiba +

O Protege é uma entidade de defesa do consumidor que atua em todo o estado da Bahia, com o objetivo de cuidar de causas coletivas, sem fins lucrativos.

Sobre Carlos Augusto 9660 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).