Presidenta Dilma Rousseff lança Plano Safra Semiárido em Salvador

Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia de lançamento do Plano Safra Semiárido 2013-2014.
Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia de lançamento do Plano Safra Semiárido 2013-2014.
Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia de lançamento do Plano Safra Semiárido 2013-2014.
Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia de lançamento do Plano Safra Semiárido 2013-2014.
Dilma anuncia suspensão de execução de dívidas de agricultores do Semiárido.
Dilma anuncia suspensão de execução de dívidas de agricultores do Semiárido.

A presidenta Dilma Rousseff anunciou, nesta quinta-feira (04/07/2013), o Plano Safra Semiárido 2013/2014, que contará com R$ 7 bilhões disponíveis em crédito para a agricultura da região. Serão R$ 4 bilhões para custeio e investimento, com taxas de juros de 1% a 3% ao ano para custeio, e 1% a 1,5% ao ano, para investimento.

“Essa reivindicação do Plano Safra do Semiárido é um reconhecimento de duas questões. Primeiro, que é possível conviver com a seca. E quando a gente fala conviver, nós estamos querendo dizer: a seca não pode virar uma catástrofe. (…) A seca pode ser perfeitamente controlada”, afirmou Dilma.

A presidenta destacou a apresentação  feita por Maurício Lopes, presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em que demonstrou a viabilidade técnica da manutenção de diversas culturas, se adotando procedimentos específicos que respeitam as características climáticas da região.

Já o microcrédito rural tem taxa de 0,5% ao ano, com rebate de 40%. Para compras públicas da agricultura familiar na região será destinado R$ 1,3 bilhão, sendo R$ 700 milhões pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e R$ 600 milhões pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

O Plano Safra Semiárido pretende garantir segurança produtiva, impulsionando sistemas de produção adaptados à realidade do clima da região. Será o primeiro plano safra voltado especificamente para a região do semiárido nordestino.

Outras medidas

Além do lançamento do Plano Safra Semiárido, a presidenta Dilma fará a entrega de 323 máquinas retroescavadeiras e motoniveladoras a 269 municípios baianos, além de ônibus escolares do Programa Caminho da Escola.

Também durante o evento será comemorada a emissão de um milhão de documentos civis e trabalhistas expedidos nos mutirões do Programa Nacional de Documentação da Trabalhadora Rural (PNDTR), do MDA.

Criado há nove anos, o programa dispõe de 22 ônibus adaptados que percorrem as comunidades rurais de todas as unidades.

Dilma anuncia suspensão de execução de dívidas de agricultores do Semiárido  

Durante o anúncio do Plano Safra do Semiárido 2013/2014, nesta quinta-feira (4), a presidenta Dilma Rousseff detalhou as medidas para renegociação de dívidas dos produtores rurais do Semiárido, que terão as execuções das dívidas e seus prazos processuais suspensos até dezembro de 2014.

“A primeira medida suspende essa ação, que cobra essas dívidas, torna os produtores inadimplentes e bloqueia a sua capacidade de tomar mais dívidas. (…) Nós vamos, por esse caminho, assegurar dois movimentos. Primeiro, que esses produtores tenham condições de passar por esse momento difícil. Segundo, que eles tenham condições de entrar nesse caminho novo que nós propomos, que é o Plano Safra do Semiárido”, explicou Dilma.

As outras medidas apresentadas por Dilma são o desconto para liquidação de operações de crédito rural contratadas até 2006 com recursos do FNE ou mistas com o FNE; linha de crédito para recomposição de dívidas contratadas até 2006; e autorização para renegociação das operações de crédito rural que estavam inadimplentes em dezembro de 2011, contratadas a partir de 2007.

Dilma: “Educação é salário para professor, é professor capacitado” 

Ao defender a aplicação dos royalties do petróleo na educação, em evento com governadores e prefeitos, em 6 de março deste ano, no Palácio do Planalto, a presidenta Dilma Rousseff disse que os professores precisam ser valorizados, com bons salários e capacitação.

“Educação, me desculpem, não é o terreno, não é a construção, não é o equipamento. É isso, mas não é isso, sobretudo. É salário de professor, é professor capacitado, é este país dar, outra vez, status para professor. Nenhum governador, nenhum prefeito vai dar status para professor com o orçamento que nós temos”, disse.

O investimento dos recursos do petróleo na educação, segundo Dilma, é fundamental para garantir, além da valorização do professor, creche de qualidade, alfabetização na idade certa, ensino fundamental e médio em tempo integral. Portanto, são falsas frases em sentido contrário atribuídas à presidenta, que estão sendo divulgadas em redes sociais.

Dilma é recebida por movimentos sociais 

A presidenta Dilma Rousseff foi recebida por lideranças de 21 movimentos sociais quando desembarcava em Salvador, onde anuncia o Plano Safra do Semiário 2013/2014.

Segundo Márcio Matos, da Direção Nacional do Movimento dos Sem Terra (MST), presente no encontro, foi reafirmado o apoio dos representantes à proposta de reforma política por meio de plebiscito.

Matos ressaltou a importância das reuniões de Dilma Rousseff com representantes da sociedade civil no Palácio do Planalto, e lembrou que um encontro está marcado para esta sexta-feira (5) com lideranças dos movimentos do campo no Palácio do Planalto.

Entre as entidades representadas no encontro, estão União de Moradia Popular, Movimento Sem Teto de Salvador, Conselho de Entidades Negras, Central Única dos Trabalhores, Força Sindical, União de Estudantes da Bahia, Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar, entre outras.

Confira cenas do evento

Sobre Carlos Augusto 9515 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).