Ação contesta enquadramento de agentes de tributos como auditores fiscais na Bahia

Ação contesta enquadramento de agentes.
Ação contesta enquadramento de agentes.
Ação contesta enquadramento de agentes.
Ação contesta enquadramento de agentes.

A Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), entidade parcela do Instituto dos Auditores Fiscais do Estado da Bahia (IAF), ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF), a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 285, em que pede liminar para que sejam suspensos os efeitos de decisões da Justiça da Bahia que determinaram o enquadramento de agentes de tributos como auditores fiscais, embora não tenham prestado concurso público específico para exercer a função.

A Febrafite descreve que o cargo de agente de tributo sempre foi de nível médio, enquanto para o de auditor sempre é exigido nível superior. Sustenta que, embora a Lei estadual da Bahia nº 8.210/2002 tenha passado a exigir nível superior para o ingresso na carreira de agente de tributos estaduais, manteve para esses profissionais essencialmente as atribuições antigas, subsidiárias às atribuições das carreiras historicamente de nível superior, além de formação específica e aprovação em concurso público. E a Lei 11.470/2009, que reestruturou as duas carreiras, ainda conforme a entidade, não estabeleceu para os ocupantes do cargo de auditor fiscal o exercício de atividade de apoio, própria da função de agente de tributos, mantendo intactas as atribuições inerentes à carreira.

Preceito fundamental 

A Febrafite alega que diversos juízes baianos vêm concedendo o enquadramento dos agentes de tributos estaduais como auditores fiscais, o que qualifica de violação a preceito fundamental, pois o acesso a cargo público se faz mediante concurso público, conforme estabelece a Constituição Federal (CF), em seu artigo 37, inciso II. E, de acordo com a entidade, o concurso público é preceito fundamental inserido na CF de 1988.

A entidade cita que a Suprema Corte já reconheceu, em ações envolvendo assunto semelhante dos Estados do Rio de Janeiro e do Ceará, a inconstitucionalidade de normas que admitiam o reenquadramento de servidores não especificamente concursados para determinado cargo e que exerciam atribuições diversas das previstas para ele.

Liminar 

Ao pedir a concessão de liminar, a Febrafite alega perigo de uma eventual demora na decisão do caso, uma vez que as decisões judiciais favoráveis ao enquadramento criam prejuízos aos cidadãos, ao fechar a possibilidade de ingresso de novos profissionais na carreira; ao erário, por colocar pessoas incapacitadas para exercer função de auditor fiscal; aos auditores fiscais, por provocar cisão na carreira; aos contribuintes, expostos à fiscalização de servidores incapacitados; e ao Estado da Bahia, por ver sua arrecadação e gestão financeira sensivelmente comprometida. E sustenta presença do requisito da fumaça do bom direito, uma vez que tais decisões judiciais comprometem o ordenamento constitucional, por desrespeitar a norma prevista no artigo 37, inciso II da CF.

No mérito, pede que seja julgada procedente a ADPF para reconhecer a existência de lesão ao preceito fundamental consubstanciado na exigência de concurso público para acesso a cargo público, com base nos princípios da isonomia e da moralidade administrativa, nos termos do mesmo artigo 37, cabeça e inciso II da CF.

Pede, também, que seja declarada a ilegitimidade e inconstitucionalidade das decisões judiciais que determinaram o enquadramento dos agentes de tributos como auditores fiscais, bem como da inconstitucionalidade e ilegitimidade da interpretação judicial utilizada para o dito enquadramento, com efeito retroativo para incidir, também, nas decisões já transitadas em julgado.

O relator da ADPF é o ministro Luís Roberto Barroso.

Sobre Carlos Augusto 9717 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).