Senadora Lídice da Mata cobra política nacional de armazenagem

Lídice da Mata: “Chegamos a um estágio em que os gargalos no escoamento da produção começam a criar obstáculos ao desenvolvimento do setor, o que não é bom para o Brasil, nem para os brasileiros”Lídice da Mata: “Chegamos a um estágio em que os gargalos no escoamento da produção começam a criar obstáculos ao desenvolvimento do setor, o que não é bom para o Brasil, nem para os brasileiros”
Lídice da Mata: “Chegamos a um estágio em que os gargalos no escoamento da produção começam a criar obstáculos ao desenvolvimento do setor, o que não é bom para o Brasil, nem para os brasileiros”

Lídice da Mata: “Chegamos a um estágio em que os gargalos no escoamento da produção começam a criar obstáculos ao desenvolvimento do setor, o que não é bom para o Brasil, nem para os brasileiros”

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) cobrou nesta terça-feira (11/06/2013) a definição de uma política nacional de armazenagem. Segundo a parlamentar, a capacidade estática de armazenagem no Brasil é da ordem de 145 milhões de toneladas, o que representa déficit de 35%. O ideal, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) é que a capacidade seja 20% superior ao volume da produção. “Chegamos a um estágio em que os gargalos no escoamento da produção começam a criar obstáculos ao desenvolvimento do setor, o que não é bom para o Brasil, nem para os brasileiros”, declarou.

A senadora lembrou que desde a década de 1990 o Brasil vem registrando safras com recordes no volume de grãos. Caso as expectativas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) se confirmem, a safra 2012/2013 terá 184,3 milhões de toneladas de grãos, quase 11% a mais que a safra 2011/2012. Caso a expectativa se confirme, o gargalo se agravará.

Investimentos – Diante dessa situação, Lídice comemorou o anúncio, feito na última semana, de investimento na construção de novos armazéns, feito durante o lançamento do Plano Safra. A presidente Dilma Rousseff anunciou crédito de R$ 25 bilhões para a construção de armazéns privados nos próximos cinco anos. Outros R$ 500 milhões serão investidos na modernização de armazéns da Conab, que terá duplicada a capacidade de armazenamento. Para a senadora, a capacidade de armazenamento é uma variável importante não só para o agronegócio quanto para o aperfeiçoamento da política de estoques reguladores do governo.

Lídice citou o exemplo da Bahia, Estado que representa. Com os problemas enfrentados com a seca, houve diminuição do volume de grãos em relação à última safra. Para a próxima, a senadora disse esperar uma recuperação, o que agravaria o problema do armazenamento. Lídice informou ter encaminhado ao presidente da Conab solicitação para a instalação de novos armazéns no Estado.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).