Em audiência na Assembleia Legislativa da Bahia, oposição diz que contas do estado contêm erros

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
“Logo no início da audiência levantei o questionamento da inconsistência do relatório incompleto apresentado pelo secretário, pois o mesmo não condiz com as metas fiscais do primeiro quadrimestre, por erro no FIPLAN”, afirmou Gaban.
“Logo no início da audiência levantei o questionamento da inconsistência do relatório incompleto apresentado pelo secretário, pois o mesmo não condiz com as metas fiscais do primeiro quadrimestre, por erro no FIPLAN”, afirmou Gaban.
“Logo no início da audiência levantei o questionamento da inconsistência do relatório incompleto apresentado pelo secretário, pois o mesmo não condiz com as metas fiscais do primeiro quadrimestre, por erro no FIPLAN”, afirmou Gaban.
“Logo no início da audiência levantei o questionamento da inconsistência do relatório incompleto apresentado pelo secretário, pois o mesmo não condiz com as metas fiscais do primeiro quadrimestre, por erro no FIPLAN”, afirmou Gaban.

A bancada de Oposição na Assembleia provou que o Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia – FIPLAN, ainda não funciona corretamente. Este foi o motivo pelo qual o vice-líder da bancada, deputado Gaban (Democratas), pediu o adiamento da Audiência Pública com o secretário da Fazenda, Luiz Petitinga, na qual seria apresentada a avaliação do cumprimento das metas fiscais do primeiro quadrimestre de 2013.

“Logo no início da audiência levantei o questionamento da inconsistência do relatório incompleto apresentado pelo secretário, pois o mesmo não condiz com as metas fiscais do primeiro quadrimestre, por erro no FIPLAN”, afirmou Gaban.

Na oportunidade, o próprio secretário da Fazenda concordou que, por falta do pleno funcionamento do Sistema, ainda não existia um relatório definitivo com relação ao primeiro quadrimestre. Gaban sugeriu que a explanação do secretário fosse feita no mês de agosto, logo após o recesso parlamentar, para que, com os números exatos, a Oposição pudesse fazer os seus questionamentos.

“Parabenizei o Secretario pela coragem em confirmar os questionamentos da Oposição com relação ao Sistema. Aproveitamos para fazer alguns questionamentos com relação ao último relatório apresentado (quarto quadrimestre de 2012) e alertá-lo para que os mesmos erros não se repitam em 2013. Questionamos também a falta de transparência no projeto de empréstimo, que tramita na Assembleia, no qual o governo pede autorização legislativa para operação de crédito de US$2,1 bilhões, solicitando que seja apresentada uma emenda com a finalidade de especificar onde serão aplicados os recursos desta operação”, concluiu o parlamentar.

Sobre Carlos Augusto 9649 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).