El País: “Manifestantes são filhos rebeldes de Lula e Dilma”

Protestos por mudanças sociais ocorreram em várias cidades do país.Protestos por mudanças sociais ocorreram em várias cidades do país.
Protestos por mudanças sociais ocorreram em várias cidades do país.

Protestos por mudanças sociais ocorreram em várias cidades do país.

Um artigo de opinião publicado no portal do jornal espanhol El País diz que os protestos que sacodem o Brasil são os “filhos rebeldes” do ex-presidente Lula e da atual mandatária Dilma Rousseff.

“Lula e Dilma são como pais que se sentem orgulhosos de ver seus filhos saírem da penúria, ingressarem na universidade e poderem levar no bolso um celular e as chaves de uma moto ou de um carro”, diz o artigo, assinado pelo correspondente Juan Arias.

“Os filhos cresceram, começaram a saber mais coisas da vida e da política de seus pais, e a dominar melhor que eles (os pais) todos os labirintos endiabrados da tecnologia da informação moderna”.

Em sua analogia, Arias diz que, ao crescerem, “os filhos” começaram a fazer perguntas ao pais e, “pior”, começaram a discordar deles.

“Chegaram ao extremo de reclamar do que ainda não tinham ganhado ou de que o que tinham estava estragado, diziam que o brinquedo não funcionava bem”.

O texto menciona que Lula chegou a elogiar o sistema de saúde do Brasil com uma frase que “hoje ele preferiria esquecer”. Segundo o artigo, em uma ocasião, o ex-presidente teria dito que o sistema teria chegado “quase à perfeição” e que no Brasil “algumas pessoas tinham até vontade de ficar doentes para desfrutar de um hospital”.

“Os filhos um dia foram a esses hospitais e viram que era melhor estar saudáveis”, diz o texto.

‘Precisamos ouvi-los’

O artigo do El País ainda diz que os “filhos”, que “subiam nos ônibus pagando caro, sendo empurrados, alguns tentando entrar pelas janelas, ‘eles’ com perigo de serem assaltados e ‘elas’ abusadas sexualmente, em vez de alegrarem-se com os estádios de primeiro mundo começaram a dizer que poderiam abrir mão da Copa, mas não de transportes, escolas, e hospitais dignos”.

O texto diz que a reação da presidente, que afirmou na terça-feira que o governo “está atento às vozes que pedem mudanças”, se assemelha ao tom de pais que, quando conversam sobre os filhos que se rebelam, dizem entre si: “precisamos ouvi-los”.

O correspondente estima que todos esses assuntos que foram levantados durante os protestos devem ter dominado o encontro de Dilma e Lula na terça-feira à noite.

“Sem dúvida, Dilma e Lula terão saído do encontro com essa vontade de escutar, de dialogar com os filhos rebeldes”, diz o artigo, acrescentando que o temor agora é de que talvez os filhos já não queiram conversa e prefiram falar por si mesmos.

“É um momento difícil e ao mesmo tempo apaixonante que o Brasil atravessa. Os aspectos positivos dos protestos que já abraçam quase o país inteiro poderiam servir de exemplo aos países vizinhos”.

 *Com informações da BBC Brasil.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).