Deputado Paulo Azi critica duramente administração de Jaques Wagner

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Paulo Azi: "quem foi o economista que fez essa megalômana estimativa. Pelo jeito, o milagre da Fiol vai superar toda a riqueza gerada nos 513 anos de descobrimento da Bahia”
Paulo Azi: "quem foi o economista que fez essa megalômana estimativa. Pelo jeito, o milagre da Fiol vai superar toda a riqueza gerada nos 513 anos de descobrimento da Bahia”
Paulo Azi: "quem foi o economista que fez essa megalômana estimativa. Pelo jeito, o milagre da Fiol vai superar toda a riqueza gerada nos 513 anos de descobrimento da Bahia”
Paulo Azi: “quem foi o economista que fez essa megalômana estimativa. Pelo jeito, o milagre da Fiol vai superar toda a riqueza gerada nos 513 anos de descobrimento da Bahia”

Depois do governo Wagner ter apresentado os resultados dos investimentos em irrigação, como solução para os problemas do setor agropecuário, e classificados como pífios pelo presidente estadual do Democratas, deputado Paulo Azi, avalia o Balanço de Seis Anos do Governo Estadual: “Está dito nessa coletânea de piadas do governador Jaques Wagner que a Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e o Porto Sul vão duplicar o PIB baiano”.

O líder democrata quer saber “quem foi o economista que fez essa megalômana estimativa. Pelo jeito, o milagre da Fiol vai superar toda a riqueza gerada nos 513 anos de descobrimento da Bahia”. Segundo Azi, o pessoal da Casa Civil, autor do Balanço, deve ter se baseado para divulgar este absurdo na ideia da propaganda do Governo Estadual de que a Bahia começou a existir a partir de 2007, com a vitória de Jaques Wagner.

“Os mais de 500 anos de história da economia baiana, desde o pau-Brasil, a cana de açúcar, o ouro, os diamantes, o cacau, o petróleo e  a refinaria Landulfo Alves, a nova mineração, o Centro Industrial de Aratu, os pólos  industriais do interior, o Polo Petroquímico,  o turismo, os grãos do Oeste, a madeira e a celulose do Extremo Sul e o polo automobilístico, todas essas riquezas não valem a Fiol”, observa o presidente democrata.

Para Paulo Azi, é inegável que a Fiol será muito importante para a Bahia e todos os baianos devem lutar pela sua realização. “Mas antes de fazer quaisquer previsões absurdas é necessário que o governo trabalhe para que as obras andem”, observa.

Segundo o parlamentar, até hoje somente o trecho entre Ilhéus e Caetité, com cerca de 530 km,  está em construção, com  apenas 12% implantado, apesar de toda a propaganda  feita  há quase cinco anos. “A afirmação absurda de que a Fiol com o Porto Sul vai duplicar o PIB baiano  só contribui para afetar a  credibilidade deste grande empreendimento”, afirma.

Sobre Carlos Augusto 9610 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).