Acordo salarial garante ganhos significativos para a categoria de professores das UEBA, avalia movimento

UNEB, Campus XV, localizado em Valença.
UNEB, Campus XV, localizado em Valença.
UNEB, Campus XV, localizado em Valença.
UNEB, Campus XV, localizado em Valença.

O Movimento Docente (MD) das Universidades Estaduais da Bahia (Ueba) avaliou como positivo o desfecho das negociações com o governo sobre a pauta salarial 2012, principalmente se considerado que todo o processo foi conduzido de maneira firme e com respaldo da categoria. O acordo foi assinado na última quinta-feira (06/06/2013). Agora, os professores continuam mobilizados para cobrar do governo a reunião programada para o mês de julho com o objetivo de discutir o GT Carreira, o Orçamento e a Lei 7176/97.

De acordo com os índices e prazos para a incorporação da CET e o reajuste salarial de 7%, o ganho real no salário-base, em regime de Dedicação Exclusiva, considerando o IPCA do período de 2007 a 2012, varia de 28,5% para a classe de Auxiliar, 37,27% para Assistente e 44,69% para Adjunto e Titular. Conforme estudo encomendado pelo Fórum das ADs ao Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), no confronto da remuneração total de janeiro de 2013 com a prevista para dezembro de 2014, verifica-se que os professores pertencentes à Classe de Auxiliar terão uma variação de 20,28% na remuneração total. No caso da Classe de Assistente, será de 23,31% e, no caso da Classe de Adjunto, alcançará 25,69% na remuneração total.

O estudo da evolução salarial dos docentes das Ueba levou em consideração os 5,84% concedidos em 2013, a incorporação de 24,97% da CET em sua totalidade ainda este ano, além do reajuste linear, em caso de ser 4,5%, meta da inflação prevista pelo próprio governo federal, a ser concedido pelo governo do estado em janeiro de 2014, e mais o um reajuste de 4% em junho e 3% em dezembro, ambos em 2014.

Para a diretoria da Adufs, as conquistas, garantidas com as greves de 2007 e 2001, mais as mobilizações dos últimos seis anos, ainda não representam um salário que expresse a valorização do trabalho docente.

Comparando a situação salarial dos professores da Uefs, este ano, com os pagos pelas Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes), por exemplo, percebe-se que um Adjunto Dedicação Exclusiva (DE) no primeiro nível recebe nas estaduais baianas o salário-base de R$ 5.040 e nas federais o valor corresponde a R$ 5.260. Comparando o vencimento bruto (salário-base acrescido da titulação de doutorado), sem as vantagens pessoais, na Uefs, para essa mesma classe e nível, o valor equivale a R$ 8.803 e para os profissionais das Ifes chega a R$ 8.907. Comparativamente aos salários das estaduais cearenses, os melhores do Nordeste, para a classe de Adjunto, primeiro nível e DE, o salário-base é de R$ 4.716 e o vencimento bruto chega a R$ 10.377.

Na perspectiva de avançar na elevação dos salários e na melhoria das condições de trabalho, o desafio, a partir de agora, é dar continuidade às lutas para o aprimoramento do Estatuto, que regula a Carreira do Magistério Superior, bem como às relacionadas ao aumento do orçamento e a autonomia universitária, traduzidas nas reivindicações de, no mínimo, 7% da Receita Líquida de Impostos (RLI) para as Ueba e a revogação da lei 7176/97.

Desta forma, o MD lançou, no último domingo (06), nota pública com breve histórico das negociações com o governo, reafirmando a importância da luta como instrumento de defesa dos direitos da classe trabalhadora. Novas ações devem ser definidas pelas ADs na próxima segunda-feira (17), durante a reunião do Fórum das ADs (Associação Docente), na Adusc.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 111111 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]