Servidores públicos de Salvador entram em greve

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Para 0% de aumento, é 0% de trabalho. Foi assim que os milhares de servidores públicos da Prefeitura de Salvador se posicionaram.
Para 0% de aumento, é 0% de trabalho. Foi assim que os milhares de servidores públicos da Prefeitura de Salvador se posicionaram.
Para 0% de aumento, é 0% de trabalho. Foi assim que os milhares de servidores públicos da Prefeitura de Salvador se posicionaram.
Para 0% de aumento, é 0% de trabalho. Foi assim que os milhares de servidores públicos da Prefeitura de Salvador se posicionaram.

Para 0% de aumento, é 0% de trabalho. Foi assim que os milhares de servidores públicos da Prefeitura de Salvador se posicionaram nesta sexta-feira (10/05/2013), quando decretaram greve por tempo indeterminado. Depois de esperarem horas por uma reunião marcada na Secretaria Municipal de Gestão (Semge), com o secretário Alexandre Pauperio, e remarcada de última hora para outro local, os trabalhadores optaram, em assembleia, pela paralisação geral da categoria.

Como protesto e a fim de protocolar um documento com as solicitações da categoria para entregar ao prefeito, após a assembleia, os servidores realizaram uma passeata até a sede da Prefeitura. Lá, dois diretores do Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Salvador (Sindseps) foram recebidos por Pauperio e ficou marcada uma reunião para a próxima segunda-feira (13/05/2013), às 15h, na Semge, porém somente com a presença de alguns representantes do Sindicato será permitida.

Servidores que reposição das perdas salariais.
Servidores que reposição das perdas salariais.

Na terça-feira (14/05/203), a categoria fará outra assembleia, também na Semge, para discutir as propostas apresentadas pela Prefeitura e decidir a manutenção ou não da greve. Por enquanto, até a terça, a greve está mantida, é o que afirma a direção do Sindseps.

Razões 

Segundo o diretor financeiro do Sindseps, Helivaldo Alcântara, os funcionários públicos decidiram entrar em greve porque o município não apresentou nenhuma contraproposta às reivindicações da categoria.

Os servidores pedem um reajuste salarial de 20% no vencimento base dos servidores ativos, aposentados, pensionistas e de empresa pública, além do mesmo aumento na tabela de gratificação de competência para todos os funcionários públicos do município. Eles também reivindicam a implantação de assistência médica, a aprovação do Plano de Cargos e Vencimentos, realização de concurso público e novos fardamentos para todas as áreas.

[wp-imageflow2]

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 10036 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).