Representantes do Governo Wagner criticam gestão do prefeito José Ronaldo com relação à saúde e cobra investimento em Feira de Santana

Representantes do governo do estado criticam postura do prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM) por falhas no investimento em saúde.
Representantes do governo do estado criticam postura do prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM) por falhas no investimento em saúde.

Dando continuidade à agenda em Feira de Santana, no final da tarde desta quarta-feira (08/05/2013), o secretário Estadual da Saúde, Jorge Solla, e o deputado estadual e líder do governo na Assembleia Legislativa da Bahia, Zé Neto (PT), estiveram no Hospital Dom Pedro de Alcântara (HDPA) para verificar a situação e discutir melhorias para esta unidade hospitalar.

De acordo com Jorge Solla, a situação da Santa Casa de Misericórdia de Feira de Santana – entidade mantenedora do HDPA – é motivo de preocupação.

O secretário registrou que desde 2007 o governo tem trabalhado para ajudar o hospital para que ele seja parceiro no atendimento, mas o que aconteceu foi o fechamento da obstetrícia e do pronto atendimento. “Não dá para avançar de um lado e ver outras ofertas se fechando. Aqui não pode ser apenas um hospital especializado em oncologia e cardiologia”, disse.

“Vocês sabem que eu, o governador Wagner e o deputado Zé Neto, somos parceiros do processo, mas não dá para chegar num hospital filantrópico e dizer: só vou fazer oncologia e alta complexidade de cardiologia por que está me dando lucro, e não vou fazer obstetrícia por que está me dando prejuízo”, destacou Solla.

Denise Mascarenhas, secretária de saúde do município, declarou que Feira de Santana enfrenta um problema cultural, uma vez que a filosofia na saúde pública é que os serviços de saúde sejam feitos nas unidades básicas, próximo ao usuário e com acessibilidade. “Isso é um problema cultural, pois hoje o usuário não quer ser atendido por um médico generalista, por que povo entende que a criança tem que ser atendida por um pediatra. E nós estamos fazendo o acolhimento no município, para tentar mudar essa cultura”, afirmou.

“Vão deixar que muitas pessoas morram?”, questionou a vereadora Neinha – presidente da Comissão de saúde na Câmara de Vereadores. Na oportunidade Neinha afirmou que se faz necessário deixar de lado a questão partidária, pois só uma mulher sabe o que é uma mãe com dor de parto, batendo em várias portas sem ser atendida.

O pediatra e provedor da Santa Casa, Outran Borges, reafirmou a atenção que o Estado tem dado ao Hospital Dom Pedro. “Ao procurar o secretário Solla na Sesab, ele nos recebe muito bem e sempre tentou, dentro do possível, atender aos pleitos da unidade”, disse Outram ao se colocar à disposição da busca de melhorias.

Município precisa fazer a sua parte 

Ainda de acordo com o secretário, o contratante da Santa Casa de Misericórdia com o Serviço Único de Saúde (SUS) é a prefeitura municipal, que deveria dar mais atenção ao Dom Pedro. “A Secretaria da Saúde do Estado, legalmente, não tem a obrigação de colocar um tostão, mas nunca construímos uma relação dessa forma. E lógica que tem prevalecido no caso em discussão, é a que é prejudicial para a assistência a população de Feira”, completou.

Zé Neto afirmou que o Dom Pedro é um grande parceiro e que o Governo do Estado, através da Sesab e do Planserv, não medem esforços para ajudar. “Mas é primordial que a obstetrícia e o pronto-socorro continuem abertos, dois elementos importantes na saúde de Feira, e nesse caso é necessário que o Governo Municipal ajude financeiramente”, declarou.

O deputado considerou a reunião conclusiva “Acho que está na hora de colocar os pés no chão, onde o município precisa fazer a sua parte, colocando recurso no HDPA para que possamos ver o funcionamento dele acontecer”, disse.

A secretária de saúde do município, Denise, se colocou a disposição, para trabalhar em parceira com os governos federal e estadual.

Nova reunião 

Ao final, ficou decidido que será marcada uma nova reunião para buscar soluções para os problemas apresentados.

Presentes 

Jorge Solla, secretário da Saúde do Estado; Zé Neto, deputado estadual e líder do governo na Assembleia Legislativa da Bahia; Outran Borges, provedor da Santa Casa; Alfredo Boa Sorte, superintendente de Assistência Farmacêutica Ciência e Tecnologia em Saúde; Sandra Peggy, diretora administrativa do HDPA; Denise Mascarenhas, secretária de Saúde do Município; os vereadores do PT, Beldes Ramos, Alberto Nery e Pablo Roberto; vereadora Neinha, presidente da Comissão de Saúde da Câmara; vereador Justiniano, presidente da Câmara de Vereadores, o cardiologista André Guimarães, a médica Zênia Maria; além de comitiva da Sesab e outros médicos do Dom Pedro.

Jorge Solla: ou a obstetrícia é aberta ou ficará difícil parceria com o governo.
Jorge Solla: ou a obstetrícia é aberta ou ficará difícil parceria com o governo.
Sobre Carlos Augusto 9705 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).