O descontingenciamento e o boato | Por Heraldo Rocha

Muito curioso que, alguns dias depois da crise que levou milhares de pessoas às agências da Caixa Econômica Federal com medo do fim do programa federal Bolsa Família, o governo anuncie um contingenciamento do Orçamento da União da ordem de R$28 bilhões. Não quero – e não vou – ser leviano, como foram alguns ministros que acusaram a Oposição de iniciar o boato, mas essa situação vale uma reflexão: será que essa boataria não foi um balão de ensaio para o próprio governo ver a reação da população em caso de cortes no Orçamento em áreas sociais, inclusive no Bolsa Família? Não acredito.

Acho que o mais viável foi a boataria ser instalada para esconder um problema bem mais grave, que se verifica com o contingenciamento do Orçamento: a crise financeira que abala o mundo chega às portas do Palácio do Planalto. E, sem alternativas, o governo tem que contingenciar – ou seja, cortar – parte dos investimentos que iria fazer em diversas áreas. Como a boataria foi grande, até com investigação da Polícia Federal, ninguém percebeu o anúncio desse corte de R$28 bilhões.

O mais interessante é que nesse contingenciamento – ou corte de gastos – o governo do PT diz que não vai prejudicar investimentos sociais, mas apenas cortar obras. Mas, quando se corta investimentos em construção de escolas e de universidades federais, de hospitais, estradas, barragens e açudes, habitações populares, entre outras, não é o mesmo que dar um tiro de morte em importantes programas sociais do Governo do PT porque obra parada significa desperdício de dinheiro público e desemprego para os trabalhadores? E se essas obras podem ser contingenciadas, sofrer cortes e esperar Deus dar bom tempo, elas eram verdadeiramente relevantes?

Outra questão: Esse corte em investimentos não mostraria um Orçamento superdimensionado – ou seja, uma fantasia – e que não retrata a realidade financeira do governo do Partido dos Trabalhadores? Se não é isso, o que posso avaliar é que o Brasil está sim, sendo atingido pela crise mundial que afeta mercados europeus e asiáticos, derruba bolsas de valores e chega, infelizmente às gôndolas dos supermercados.

Mas o que me deixa tranquilo é que vivemos nos melhores dos mundos, como diz a propaganda do PT. Não temos que nos preocupar com a crise internacional, com a crise interna, com a volta da inflação, com os constantes aumentos de preços dos alimentos, com o fim do Bolsa Família. Afinal, vivemos no Brasil e tudo isso não passa de um pesadelo. Ou de boato. Uma hora, vamos ter que acordar para a realidade! Ou calar a boataria.

 *Heraldo Rocha é ex-deputado estadual e presidente municipal do Partido Democratas de Salvador.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109738 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]