Audiência Pública ouve testemunhas da ditadura e cobra mudanças na história da Bahia

Diva Santana do Grupo Tortura Nunca Mais entrega relatório e livro ao presidente da comissão.
Diva Santana do Grupo Tortura Nunca Mais entrega relatório e livro ao presidente da comissão.
Diva Santana do Grupo Tortura Nunca Mais entrega relatório e livro ao presidente da comissão.
Diva Santana do Grupo Tortura Nunca Mais entrega relatório e livro ao presidente da comissão.

Testemunhos de presos políticos, de membros de famílias que foram destruídas pelo regime militar e de entidades que lutam pelo resgate da história na Bahia, marcaram a audiência pública na Assembleia Legislativa do estado (Alba), nesta terça-feira (21/05/2013), no auditório do prédio Senador Jutahy Magalhães. A ação foi mais uma atividade da Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da casa legislativa, que busca desvendar a verdadeira história da ditadura no estado. O presidente da Comissão Especial da Verdade, o deputado estadual Marcelino Galo (PT) e todos os presentes, ouviram os depoimentos carregados de emoção de Emiliano José (preso político), Paulo Pontes (preso político), Inácio Gomes (advogado de preso políticos) e de Leonia Cunha (familiar de mortos).

Segundo o parlamentar petista, essa emoção tomou conta da plateia e dos convidados, inclusive, esse sentimento também o acometeu quando lia a lista com os nomes dos presos políticos que foram mortos pelo regime militar e dos familiares presentes na audiência. “Não vim aqui fazer discurso, mas sim para falar em nome da memória e das famílias dos que tombaram em luta para que hoje pudéssemos estar aqui. Jovens, estudantes, camponeses, homens e mulheres de uma geração dilacerada pela violência de um Estado repressor, de uma ideologia antidemocrática e imperialista de um projeto econômico opressor e excludente”, pontua Galo, que ainda listou o nome dos deputados cassados pelo regime, que ele pede para que a Alba devolva o mandato.

O presidente da Comissão da Verdade da Alba, deputado Marcelino Galo.
O presidente da Comissão da Verdade da Alba, deputado Marcelino Galo.

Após os testemunhos dos quatro presos políticos, na Comissão Especial da Verdade, o representante da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Gilney Viana declarou que na Bahia são 126 casos não resolvidos. “Eles peitaram o regime e pagaram seu preço. O preço da lista dos mortos desaparecidos, o preço daqueles que ficaram exilados, daqueles que foram banidos, daqueles que ficaram presos como nós, que foram intimados, perseguidos e jogados à clandestinidade”, frisa.

Para o presidente do Grupo Tortura Nunca Mais, Joviniano Neto, toda Comissão da Verdade têm três papeis libertadores. “A primeira função é libertar os familiares e as vítimas da ditadura da busca de conhecimento das circunstâncias, dos motivos dos responsáveis pelas violências que sofreram, e da busca pelo reconhecimento social do seu sofrimento da sua luta. A segunda é libertar as instituições de manterem versões que eram oficiais na época e que hoje se sabe que eram falsas. A terceira é a libertação das pessoas, das instituições, do medo de tratar determinados assuntos que podem ser perigosos e podem provocar resistências e reações”.

A vice-presidente do grupo e membro do Comitê Baiano pela Verdade, Diva Santana, afirma que é complexo tratar do assunto. “É uma dificuldade tratar desse tema, por que aqui na Bahia a situação se estendeu por mais tempo. Aqui nós tivemos Antônio Carlos Magalhães até ontem”, completa.

O caso do jornalista Emiliano José, que envolve um processo do torturador Átila Brandão, por injúria e difamação, a Comissão não tratou como um fato isolado. “[Essa ação] é a pretensão de censura absolutamente inócua, desrespeitosa e afrontosa à Constituição e aos direitos dos jornalistas. Jornalista usa fontes, eu usei fontes de um torturado dando seu depoimento e o torturado não mente, o torturado sabe o que sentiu, eu sou um torturado e falo isso o tempo inteiro”, afirma Emiliano.

Sobre Carlos Augusto 9717 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).