Feira de Santana: vereador Beldes diz que é pouco o que foi apresentado nos 100 dias de Governo Ronaldo

“Triste de uma mesa em que o maior prato é um pires”. O vereador Beldes Ramos (PT) utilizou esta frase, na manhã desta quarta-feira (17/04/2013), na tribuna da Câmara, para criticar os vereadores da bancada governista, que, segundo ele, estão satisfeitos com os 100 primeiros dias de gestão do prefeito José Ronaldo.

“Depois da avaliação que a bancada de oposição fez acerca dos 100 dias do governo Ronaldo, não foram poucos os vereadores da base governista que se posicionaram, nesta tribuna, em defesa do prefeito; parece que todos eles estão satisfeitos e alguns chegam até endeusá-lo”, disse.

O petista ressaltou que o Governo Municipal tem anunciado construção de praças, enquanto que se encontra “totalmente abandonada” a Escola Municipal Celso Ribeiro Daltro, na Queimadinha.

Também no mesmo bairro, ele afirmou que na Escola Municipal Coriolano Farias de Carvalho “os professores estão dividindo o lanche porque não tem merenda escolar desde que começaram as aulas”.

Informou ainda que a Escola Municipal Crispiniano Ferreira, no distrito da Matinha, “as mães estão fazendo a limpeza daquela unidade de ensino, por falta de funcionários no local”.

Na oportunidade, Beldes também cobrou providências urgentes para a situação do transporte coletivo urbano de Feira de Santana.

Em seguida, ele disse que houve duas ações efetivas na atual administração municipal: “a retirada dos vendedores ambulantes que trabalhavam na Praça Bernadino Bahia e na avenida Senhor dos Passos”.

Todavia, o petista observa que essa ação da Prefeitura preocupa os ambulantes da rua Marechal Deodoro, uma vez que, segundo Beldes, o poder público municipal não apresentou ainda uma alternativa de trabalho para esses comerciantes informais.

“Repito: triste de uma mesa em que o maior prato é um pires, porque não podemos nos contentar com o pouco que vem sendo apresentado”, pontuou.

Em aparte, o vereador Isaías de Diogo (PPS) respondeu o petista, citando a frase: “quem tem telhado de vidro não atira pedra no do vizinho”.

Na sequência, ele fez a leitura de um trecho da matéria do site Acorda Cidade, intitulada: “Estudantes reclamam da falta de estrutura do Colégio Luís Eduardo Magalhães”, que diz que “para não ficar sem aula, a direção do colégio improvisou uma sala no andar térreo, mas o local também é inadequado”.

Novamente com o uso da palavra, o vereador Beldes afirmou que se trata de uma situação pontual na rede estadual, “ao contrário da rede municipal que falta merenda escolar e professor”, criticou.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).