Vaqueiro impedido de virar empreendedor resolve protestar contra Coelba e Aneel realizando viagem de cavalo de Itaetê a Salvador

O vaqueiro Gardel Carneiro segue para Salvador de Itaetê a cavalo para protesto.
O vaqueiro Gardel Carneiro segue para Salvador de Itaetê a cavalo para protesto.
O vaqueiro Gardel Carneiro segue para Salvador de Itaetê a cavalo para protesto.
O vaqueiro Gardel Carneiro segue para Salvador de Itaetê a cavalo para protesto.

Enquanto a presidente Dilma Rousseff (PT) baixa o preço da energia elétrica para fortalecer as indústrias e a economia, a Coelba e a Aneel vão na contramão das medidas adotadas pelo governo federal. De Itaetê, uma pequena cidade da Chapada Diamantina, onde as oportunidades de emprego são restritas ao funcionalismo público municipal e alguns estaduais, observa-se um exemplo que revolta, indigna e que aponta a superação de um jovem empresário. Gardel de Jesus Carneiro decidiu viajar a cavalo de Itaetê para Salvador, onde pretende protestar na grande mídia e na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba) contra o descaso que a Aneel, com sua Resolução 414, art. 42 e 43, e contra a forma como a Coelba vem tratando um pedido de energia para o funcionamento de uma empresa em Itaetê.

Gardel Carneiro saiu no sábado (02/03/2013) do município de Itaetê e segue para Salvador. Neste domingo (03/03/2013), ele informa que está em Marcionílio de Souza. “Cheguei na madrugada deste domingo, por volta da 1h da manhã, vou descansar para retomar na segunda às 4h essa viagem para a capital”. A resolução que Gardel contesta determina que a Coelba seja a responsável pela ligação de novos pedidos para unidades com fornecimento de alta tensão, unidades consumidoras em tensão secundária com carga instalada maior de 50kW, assim como aumento de carga e a eventual participação financeira do solicitante.

Entretanto, não foi isso o que aconteceu e o empresário iniciou uma luta que começou no dia 28 de agosto de 2012 por meio da nota de solicitação de número 9100384560. E a Coelba não executou a obra, forçando o fechamento da empresa antes mesmo do funcionamento de todas as máquinas já instaladas. “Nosso protesto visa mobilizar a mídia e a sociedade para que outras pessoas não passem pelo que eu e minha família estamos passando, além de mais de 80 empregos diretos e indiretos que poderiam ser gerados, para melhorar a vida de muitas pessoas”, alega o empresário.

A empresa foi criada em 21 de dezembro de 2009, e a Licença Ambiental foi expedida em 8 de agosto de 2011, com a documentações trabalhistas e outras também em dia, a empresa está com sua estrutura pronta para funcionamento inclusive a estrutura física desde 5 de maio de 2012 e foi montada pela ASSTEC-SOUZA, (Máquinas e Serviços para Cerâmica) da cidade de Feira de Santana. “A empresa não está funcionando graças à Coelba e à Aneel com suas burocracias e descasos, e que têm como responsáveis pessoas que não atendem aos clientes com o devido respeito. Estes burocratas ficam em suas salas com ar-condicionado e nos tratam como se nós não merecêssemos o devido respeito”, dispara empreendedor Gardel Carneiro.

*Com informações do Jornal da Chapada.

Sobre Carlos Augusto 9719 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).