Governo do Estado está em débito com produtores de Lamarão e PSTs de Feira de Santana, denuncia Carlos Geilson

O discurso “desalinhado” dos integrantes do Partido dos Trabalhadores (PT) na Bahia foi criticado pelo deputado estadual Carlos Geilson.
O discurso “desalinhado” dos integrantes do Partido dos Trabalhadores (PT) na Bahia foi criticado pelo deputado estadual Carlos Geilson.
Carlos Geilson: “Esse é o PT contraditório. Não manda o aumento dos servidores para os deputados votarem, mas paradoxalmente envia um projeto aumentando cargos para o Derba. E depois falam que as finanças do Estado vão de mal a pior. Claro, também aparelham a máquina com tantos cargos para agradar à base governista”
Carlos Geilson dispara críticas ao governo Wagner.

Produtores de leite da cidade de Lamarão e Prestadores de Serviço Temporário (PST), à serviço da Diretoria Regional de Educação (Direc), de Feira de Santana, estão reclamando que o governo estadual não está cumprindo com os pagamentos. O deputado estadual Carlos Geilson (PTN) afirmou que os PSTs estão sem receber seus salários há 3 meses, e que os mesmos procuram constantemente os programas de rádio da cidade, mas que até agora nada foi resolvido.

Representantes desses 23 produtores, responsáveis por fornecer cerca de mil litros de leite por dia, para a empresa Laticínio Atlanta, procuraram o deputado e explicaram que a empresa industrializa o leite e repassa para diversos municípios do estado, que possuem o programa Fome Zero, através de convênio com o governo estadual.

“O dinheiro para o programa é do governo federal, repassado para o estadual, que paga a empresa, que, por sua vez, paga aos fornecedores só que desde novembro de 2012 os fornecedores não recebem pagamento, porque a empresa de laticínio também não recebe do governo estadual”, afirmou Geilson.

O deputado cobrou uma resposta e o pagamento imediato por parte do governo estadual. Ele ainda lembrou a situação de seca atravessada pelos produtores do semi-árido. “Já não basta o sofrimento e as perdas com a seca? Esse dinheiro faz muita falta para esses produtores, que também precisam pagar aos seus funcionários”, frisou.

Sobre Carlos Augusto 9717 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).