Filho de Dominguinhos confirma que coma do músico é irreversível

Cantor e compositor Dominguinhos se despede da vida. Marca do artista foi a dedicação a música regional nordestina.
Cantor e compositor Dominguinhos se despede da vida. Marca do artista foi a dedicação a música regional nordestina.
Cantor e compositor Dominguinhos se despede da vida. Marca do artista foi a dedicação a música regional nordestina.
Cantor e compositor Dominguinhos se despede da vida. Marca do artista foi a dedicação a música regional nordestina.

Dois dias antes de o pai completar três meses internado, Mauro da Silva Moraes, filho de Dominguinhos,  disse que o quadro clínico do cantor é irreversível. “A gente está orando todos os dias por um milagre, mas eu ouvi do médico que é um coma sem volta, e chega uma hora que a gente não vai mais aguentando”, desabafou, ao falar sobre estado de coma do Rei da Sanfona.

Mauro confirmou ter ouvido o parecer médico no último dia 25 de fevereiro. Para o filho de Dominguinhos “foi um milagre”, os médicos terem conseguido manter o quadro clínico estável. Segundo ele, foram normalizados os batimentos cardíacos, as funções do pulmão e dos rins. “O problema é o neurológico”, apontou, demonstrando, no entanto, ter esperança porque para “Deus nada é impossível”.

O mais recente boletim médico divulgado pelo Hospital Sírio-Libanês foi em 14 de janeiro. Informava que “o paciente responde de forma satisfatória ao tratamento médico e apresenta melhora no padrão hemodinâmico e respiratório”. A assessoria de imprensa do hospital informou ontem (15/03/2013) que novo boletim só será divulgado em caso de alteração do quadro.

O músico está internado em São Paulo desde 13 de janeiro, transferido do Hospital Santa Joana, em Recife, onde passava por tratamento desde o dia 17 de dezembro, do ano passado, após sofrer complicações decorrentes de um câncer de pulmão. Ele sofreu várias paradas cardíacas e foi hospitalizado com quadro de arritmia cardíaca e infecção respiratória.

Desde que Dominguinhos foi para São Paulo, Mauro Moraes deixou o Rio, a esposa e os quatro filhos, um dos quais tem o mesmo nome do avô e, como o músico, é torcedor do Botafogo. Foi acompanhar o tratamento do pai.

No último dia 12 de fevereiro, José Domingos de Moraes, Dominguinhos, o Rei da Sanfona, completou 72 anos, dos quais 33 com residência em São Paulo. Ele nasceu em Garanhuns, em Pernambuco, e passou mal poucos dias após ter-se apresentado no show em homenagem a outro grande músico, o Rei do Baião, Luiz Gonzaga. A apresentação foi no dia 13 de dezembro, na cidade pernambucana de Exú.

A figura carismática com jeito simples e sempre com um sorriso no rosto, Dominguinhos tem uma carreira de 50 anos e coleciona prêmios, entre eles o Prêmio da Música Brasileira, conquistado em 2008; o Prêmio Shell de Música, em 2010 com as composições De Volta pro Aconchego, Gostoso Demais e Tenho Sede, sendo que as duas primeiras são resultado da parceria com o também pernambucano, Nando Cordel.

Com talento reconhecido internacionalmente, o músico foi vencedor também do Grammy Latino com o CD Chegando de Mansinho. Um de seus grandes sucessos Eu Só Quero um Xodó, de 1973, teve 250 regravações em vários idiomas entre os quais inglês, holandês e italiano.

Sobre Carlos Augusto 9405 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).