PP amplia espaço no Governo Wagner

Cássio Peixoto, ex-chefe de gabinete do Ministério das Cidades. Ex-chefe de gabinete do então ministro Negromonte assume cargo no governo Wagner.
Cássio Peixoto, ex-chefe de gabinete do Ministério das Cidades. Ex-chefe de gabinete do então ministro Negromonte assume cargo no governo Wagner.

Embora as lideranças do PP afirmem que não houve mudanças ou crescimento do espaço do partido no governo Wagner, aumenta a expectativa de que os progressistas tenham a relação de confiança obtida dentro da Governadoria reconhecida pela gestão.

O partido que ocupa secretarias de peso teve seu espaço legitimado mais uma vez com a indicação do ex-chefe de gabinete do Ministério das Cidades, Cássio Peixoto, para a Bahia Pesca e, embora não explicite a meta é ampliar ainda mais os espaços.

O executivo assumiu o cargo, após a saída de Isaac Albagli para ser secretário do prefeito de Ilhéus Jabes Ribeiro (PP).

Apesar da ausência de comprovações, o nome de Peixoto foi envolvido no início do ano passado em suposto esquema para fraudar pareceres para a Copa do Mundo de 2014, conforme publicações da época. A sua nomeação seria mais um dos ajustes promovidos pelo governador Jaques Wagner (PT) no segundo escalão.

O nome de Peixoto foi sugerido pelos líderes do PP no Estado ao governador no final do ano passado. Suas ligações com o PP começaram quando ele se tornou chefe de gabinete do ex-ministro Mário Negromonte, deputado federal e presidente da sigla na Bahia, que foi pressionado a deixar a pasta, após supostas denúncias, provocadas por correligionários que disputavam poder internamente no partido, o que teria desgastado sua presença na esfera federal.

Peixoto foi exonerado do Ministério dois dias depois de uma denúncia publicada na Folha de São Paulo,informando que ele teria se reunido com o empresário Luiz Carlos Garcia, proprietário da Poliedro Informática, e o lobista Mauro César dos Santos para discutir detalhes de um projeto milionário antes mesmo do lançamento do edital de licitação.

A associação de Peixoto a esse fato é descartada pelo dirigente progressista. Segundo Negromonte, não houve nenhum indício ou prova contra Peixoto, que foi exonerado por ele do Ministério das Cidades. O ex-ministro ressaltou a qualidade técnica do ex-funcionário que tem origem de atuação no Ministério da Agricultura.

Negromonte lembra que figuras integradas ao PP quiseram prejudicá-lo, o que culminou com a saída de Peixoto do quadro do Ministério e depois com o seu afastamento da equipe do governo federal. “O que existiu foi uma briga política causada por um grupo político dentro do partido. Nenhuma denúncia vingou. Vasculharam minha vida toda e nada encontraram”, frisou.

O presidente do PP defendeu que a indicação de Peixoto para a presidência da Bahia Pesca foi técnica. “Ele é um técnico, um funcionário público da mais alta competência, uma pessoa decente. Na época chegou a ficar deprimido com as notícias que tratavam de falsas denúncias na imprensa. Ele recebeu aquelas pessoas como recebia qualquer uma que chegasse. Sempre quando havia reuniões com empresários eu chamava um técnico para participar justamente para evitar qualquer tipo de problema”, relatou.

Embora ressalte a importância da nomeação de seu ex-chefe de gabinete no governo baiano, Negromonte nega que essa tenha sido mais uma forma de acomodação do PP na gestão. “Essa indicação já era nossa”.

Questionado sobre as possibilidade de novas vagas no poder Executivo, Negromonte desconversou: “Queremos é ajudar o governador a concluir bem o seu mandato e trabalharmos para construir a eleição de 2014”, ressaltou. No governo o PP comanda a Secretaria de Agricultura e a Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional e suas autarquias.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9395 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).